PUBLICIDADE

Topo

Ana Canosa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Presente de Natal: não seja mais um problema, seja a minha solução!

Compartilhar as tarefas e resolver problemas: melhor presente de Natal - Getty Images
Compartilhar as tarefas e resolver problemas: melhor presente de Natal Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Ana Canosa

Ana Canosa é psicóloga clínica, sexóloga, professora, escritora e comunicadora. Apresenta o podcast Sexoterapia, em Universa/UOL. Sendo há 28 anos testemunha das mais diferentes histórias afetivas, é categórica em afirmar que muitas vezes, só o amor não é suficiente. Fala de sexualidade desde que se entende por gente, unindo seus estudos acadêmicos com a experiência clínica e seu olhar de observação do mundo.

Colunista do UOL

25/12/2021 04h00

Se você perguntar para a maioria das mulheres heterossexuais brasileiras, o presente de Natal perfeito não é um carro, uma joia nem um vestido, mas alguém que deixe de trazer problemas para casa. Alguém que faça mais do que peça, que reclame menos e declame mais. Que saiba falar e não ruminar. Que abandone a própria lógica para ouvir e pensar de maneira diferente, que se deixe afetar, que saiba amar por ação. Que pense a logística, abra a geladeira e veja o que falta para comprar. Que traga ideias e proposições, que ofereça um chá.

Nós gostamos de gente Bamerindus

Que é gente que faz! Esse é um antigo slogan do extinto banco que os que têm mais de 50 devem lembrar bem. E nós, mulheres, adoramos gente que faz, pois já temos muito a fazer. Além de correr atrás do pão nosso de cada dia, tem a casa, a família, os amigos, a manutenção da saúde, da estética. Tem a falta d'água, o efeito estufa, o politicamente correto, a covid, a Influenza. Tem a casa de swing, o poliamor, a camisinha, a ponte-aérea x o caos do congestionamento. O iPhone, o iPad, o iPod, o itudo.

O Facebook, o Instagram, o Linkedin, o Tinder, o par perfeito, o sapateiro, o supermercado, o seguro do carro. Tem o Centrão, o presidente, o Garantido e o Caprichoso, o Fla, Flu, o Palmeiras e o jardim de lá de casa. Tem as milhas que vão vencer e a agenda para conciliar. Tem o aniversário dos sobrinhos, do irmão, os happy hours de final de ano, os amigos secretos, a reunião da escola, as férias da empregada. A farmácia homeopática, a máscara, o álcool em gel, a atualização da chave de segurança do banco e aquela porção de e-mails. Tem coisa para caraca... E sobra falta de desejo. Isso, sim, é o que mais tem.

Nós, mulheres, simplesmente estamos ATOLADAS de assuntos para resolver. Sim, porque as relações ainda são pouco igualitárias, e o mundo masculino resiste em dividir ou entender que, se você chega em casa e a sua mulher está gritando com seu filho ou chorando porque a unha quebrou, é sinal de que deu tilte na máquina.

A questão não é discutir se você deve ou não lavar a louça porque ela fez a comida. Nem se você vai se sentir menos homem por causa disso. Muito embora essa reflexão seja importante, e muitos casais precisem ainda passar pelo convencimento mútuo da necessidade de equilíbrio e de negociar posições. A verdade é que a prática pura e simples de solução de problemas cotidianos é a pílula da felicidade.

Resolva. Não seja mais um problema.

O bombeiro, o policial, o mecânico e o encanador resolvem (ou pelo menos tentam). Talvez seja por isso que eles fazem parte da nossa fantasia sexual. Não é tanto pela mangueira, o revólver ou a chave de fenda, mas a representação de um tipo de herói. Você não precisa comprar uma farda sexy ou um macacão de chefe de obras com aquele cinto de ferramentas e dançar na sala. Apenas resolva.

Se uma mulher não quer fazer a comida, menos ainda você, passe a mão no telefone e peça algo para jantarem. Ou a leve na padaria da esquina, ou no restaurante do bairro. Traga um lanche da rua ou o jantar da casa da sua mãe. Não importa, mas faça!

Em vez de fechar a cara porque ela está nervosa com o seu filho, tire a criança da frente dela e resolva, acalme, amenize. Dê um beijo e um abraço, se for esse o caso, diga que tudo ficará bem! Se você não sabe onde colocaram a sua camisa azul, vista a branca. Mas, por favor, não pergunte nervosinho.

Se seu carro quebrou, peloamordedeus, chame um táxi, vá de metrô, de bicicleta, mas não vá pedir o dela emprestado quando sabe que a moça está cheia de coisas para fazer. Chegou bêbado em casa? Durma direto no sofá, mas não ronque no ouvido daquela que precisa levantar às 6h da manhã.

Nós, mulheres, apreciamos quem nos ajuda, quem nos inspira, quem resolve parte dos nossos pequenos problemas. Faça isso e verá como o desejo sexual de sua companheira, como num passe de mágica, voltará. Uma pesquisa realizada nos EUA com 487 casais comprovou que mulheres cujos parceiros dividem tarefas domésticas fazem mais sexo e são mais satisfeitas na relação. É o óbvio.

Ah, e para terminar, passe uma água no corpo antes de dormir, pois isso resolve também uma porção de coisas na hora do sexo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL