PUBLICIDADE
Topo

Realme 9i: câmeras e bateria se destacam, mas recursos extras nem tanto

Gabriel Daros

De Tilt, São Paulo

07/04/2022 11h46

O Realme 9i chegou ao Brasil em fevereiro deste ano para acirrar a disputa entre celulares intermediários. Por R$ 2.299, o modelo veio com a promessa de oferecer desempenho mais potente e melhores fotos com seu conjunto de três câmeras.

Testei o smartphone por um mês e conto agora como ele se saiu em nossos testes. Spoiler: as câmeras e bateria merecem destaque, mas empresa abriu mão de especificações que já tinha usado no antecessor Realme 8i.


Realme 9i

Preço

R$ 2.299,00 R$ 1.475 (consultado em 07/04) Comprar
TILT
3,8 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

A traseira oferece um ar de modernidade no aparelho

Considerando o preço atual, que caiu após o lançamento

Pontos Positivos

  • Bateria dura em média um dia e meio; tem recarga rápida
  • Bom desempenho do processador; sem travamentos
  • Câmera principal faz belas fotos em ambientes com boa iluminação
  • Lente macro (zoom) consegue capturar bastante detalhe de objetos aproximados

Pontos Negativos

  • Recursos de inteligência artificial das câmeras deixam a desejar
  • Fotos tiradas em locais com pouca iluminação às vezes ficam ruins
  • Taxa de atualização da tela diminuiu entre uma geração e outra (ela é responsável por deixar as animações mais suaves)

Veredito

O Realme 9i é um intermediário honesto. Seu processamento é bom, a bateria dura bem para os padrões atuais e o conjunto de câmeras é interessante. Porém, existem alguns tropeços nas configurações. Não espere muito das fotos noturnas, por exemplo. Se você tem um celular antigo e quer renovar, o modelo vai atender bem suas necessidades. Agora, se o seu telefone é mais recente, melhor esperar mais um tempo para trocar. O preço do modelo pode cair com o tempo.

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelos links recomendados neste conteúdo.

O Realme 9i chegou ao Brasil em duas opções de cores: Preto (Prism Black) e Azul (Prism Blue). Testei a primeira versão.

Ambos possuem um acabamento na parte de trás batizado de "Efeito Prisma", em que as linhas formam uma textura tridimensional, que irradia um efeito luz e sombra, a depender da luminosidade local.

Apesar disso, a cor preta é mais neutra. Achei que ela oferece um ar mais sério ao aparelho. Diferentemente do azul, mais descontraído. Na caixa, a empresa envia uma capinha protetora transparente.

O Realme 9i dá as caras também com um design fino e leve. Pesando 190 g, seu uso é confortável nas mãos e não atrapalha no bolso. As especificações técnicas são:

  • 16,4 cm de altura
  • 7,57 de largura
  • 8,4 mm de profundidade

Na parte da frente, um círculo bem pequeno abriga a câmera de selfie. Ele fica localizado no cantinho superior esquerdo do telefone. Acompanhando os concorrentes, ele possui poucas bordas laterais.

Na tela, a Realme continua apostando em um visor LCD IPS de 6,6 polegadas (16,7 cm na diagnonal), assim como usado no smartphone passado. Entretanto, o novo intermediário teve algumas mudanças para pior em comparação a ele.

O lançamento possui uma taxa de atualização de tela menor. Ela representa a velocidade com que as animações são exibidas. Quanto maior, melhor. Agora, são 90 Hz no Realme 9i, em comparação aos 120 Hz do Realme 8i.

Uma diferença boa, ao menos, é que na edição deste ano a tela tem ajuste dinâmico automático: o aparelho possui cinco níveis de frequência indo de 30 Hz, para reprodução de cinema, a 90 Hz, para jogos (que costumam exigir mais do display).

Algumas pessoas podem se incomodar ao tentar usar o aparelho em dias muito ensolarados. Isso porque o Realme 9i possui menos nits (unidade de medida referente ao fluxo luminoso) do que o seu antecessor: são 480 nits contra 600 no mais antigo. Sendo assim, a tela pode ficar escura demais com o Modo Noturno ativado ou quando Sol estiver a pino.

Principal

O conjunto triplo de câmeras do Realme 9i é um dos atrativos do smartphone. A nona geração recebeu um sensor maior para a câmera, de 1/2.76", o que permite maior captação de luz e, portanto, fotos mais nítidas.

O telefone se divide em:

  • Uma lente principal de 50 MP, com abertura f/1.8.
  • Uma lente auxiliar de 2 MP, com abertura f/2.4, voltada para captação de contraste em retratos.
  • Uma lente para fotos em macro (alta proximidade), também com 2 MP.

Apesar de permitir alterar a proporção da captura de imagens, é apenas no modo "4:3" que o Realme 9i aproveita os seus 50 MP. Outros modos acabam desativando o recurso.

Mesmo assim, na prática, o resultado é bem positivo para a categoria. A abertura dos sensores, somada ao tamanho da lente das lentes, se traduz num conjunto de câmeras responsivo, capaz de tirar até 20 fotos em um segundo, e com ajuste de foco rápido. Isso é especialmente visível no modo retrato, onde o aplicativo usa inteligência artificial para melhorar os detalhes da cena.

Realme 9i: confira imagens tiradas com o smartphone

O mesmo, infelizmente, não dá para se dizer do modo noturno: apesar de possuir uma configuração específica e de fácil acesso, a câmera ainda apresenta dificuldades de foco no ponto certo, e de captação de objetos em movimento.

A gravação em vídeo, com modo 720 e 1080p, também dá uma penada em certos ambientes, mas não é nada que prejudique tanto o desempenho.

Frontal

Para selfies, o Realme 9i vem com uma câmera HD de 16 MP, que é complementado por um assistente de fotos. Como já visto em outros celulares, o recurso age como uma espécie de filtro em tempo real. Nele, a inteligência artificial é usada para possibilitar ajustes para detalhes do rosto, como aumentar o tamanho dos olhos, nariz ou boca.

No papel, isso é uma boa ideia, mas alguns modos, como redução de rosto, são tão sutis que sequer fazem alguma diferença no resultado final.

Outras funções, mais úteis, como o ajuste de tirar foto com a palma da mão, se fazem presentes e funcionam com qualidade. No exemplo destacado, é só posicionar a mão em frente a câmera para ela fazer a captura automática.

O sensor de selfie também possui um modo noturno. Ele dá pro gasto em algumas situações, mas não vai impressionar em locais pouco iluminados. Neste caso, o telefone deixa bem a desejar.

É nesse ponto que os "downgrades" — tirada de recursos — do celular testado em relação ao 8i começam a fazer sentido, em partes.

O lançamento possui a mesma carga de 5.000 mAh da geração anterior. Para a bateria do Realme 9i durar mais, a fabricante informou que reduziu a frequência máxima de atualização e índice de luminosidade.

Em minhas mãos, alternando em atividades comuns (jogar, fazer pesquisas no Google, ver vídeos no YouTube, pausa para tirar foto e por aí vai), a bateria durou em média um dia e meio ao longo dos testes.

O processador também foi melhorado. O 9i apresenta o novo Snapdragon 680, de 6 nanômetros — este número diz respeito ao tamanho de transistores do chip; quanto menor, melhor. A alta capacidade do chip e sua litografia (forma em que é fabricado) fazem com que o sistema ofereça bons resultados de performance e bateria, mesmo com diversos aplicativos abertos.

Para rodar programas mais pesados sem travar, ele conta com 6 GB de RAM. O armazenamento é de 128 GB.

A compatibilidade com carregamento rápido é um ponto positivo. Após uma descarga completa, usei o carregador Dart de 33 W, que é vendido junto com o aparelho. Ele levou 15 minutos para carregar 50%, e chegou ao máximo depois de pouco mais de uma hora.

Recursos extras

Para otimizar a experiência em games, o Game Booster (modo dedicado para jogos) do 9i permite que o smartphone utilize o espaço livre como memória auxiliar, aproveitando até 5 GB de espaço livre. Na teoria, esta função faria bastante diferença, na medida em que jogos de smartphone vão se tornando cada vez mais exigentes.

Testando o aparelho em títulos como Genshin Impact e MegaMan X DiVe, o recurso não se fez presente automaticamente. Ao invés disso, teve de ser ativado nas configurações do dispositivo, na aba "Sobre" — algo que não é tão intuitivo assim de se encontrar.

Sobre a qualidade do som do aparelho, apesar de ter um som estéreo, a disposição dos alto-falantes duplos, um em cada extremidade, dá uma boa distribuição dos áudios, caso você esteja segurando o smartphone pela parte de baixo.

Como já destacado, o intermediário da Realme chegou ao mercado com o preço oficial de R$ 2.299. Atualmente, ele se encontra mais em conta: em torno de R$ 1.475.

Considerando a nova faixa de preço, considero o custo-benefício do modelo mais justo para o que o celular entrega: um smartphone intermediário, que não trava, tem boa duração de bateria e câmeras interessantes.

Ele tem seus tropeços, mas o Realme 9i é bem interessante para aqueles que possuem um telefone muito antigo e deseja trocar por algo com mais recursos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Especificações técnicas
  • Sistema Operacional

  • realme UI 2 (Android 11)

  • Dimensões

  • 164.4 x 75.7 x 8.4 mm (A x L x P)

  • Resistência à água

  • Não

  • Cor

  • Preto (Prism Black) e Azul (Prism Blue)

  • Preço

  • R$ 2.299 (lançamento); R$ 1.700 (varejo)

Tela
  • Tipo

  • LCD IPS

  • Tamanho

  • 6,6 polegadas

  • Resolução

  • FullHD

Câmera
  • Câmera Frontal

  • 16 MP

  • Câmera Traseira

  • 50 MP + 2 MP (B&W) + 2 MP (Macro)

Dados técnicos
  • Processador

  • Snapdragon 680

  • Armazenamento

  • 64 ou 128 GB, expansível com cartão microSDXC

  • Memória

  • 4 ou 6 GB de RAM

  • Bateria

  • 5.000 mAh