PUBLICIDADE
Topo

Vocês têm uma tripulação muito feliz, disse Jeff Bezos após voo ao espaço

De Tilt, em São Paulo

20/07/2021 10h34Atualizada em 20/07/2021 14h51

A viagem de Jeff Bezos até o espaço deu certo. O fundador da Amazon é o segundo bilionário a atingir o objetivo de 'dar uma voltinha' fora da Terra — o primeiro foi o Richard Branson, no último dia 11. Na manhã desta terça-feira, ele, o irmão Mark Bezos, o jovem Oliver Daeme (18 anos) e a aviadora veterana Wally Funk (82 anos) — a mais velha a ir para o espaço agora — viajaram a bordo do foguete New Shepard, da empresa Blue Origin,

"Vocês têm uma tripulação muito feliz", disse Jeff Bezos durante o pouso, pouco antes de os paraquedas abrirem com sucesso acima da cápsula de tripulantes.

Ao voltar para Terra, os participantes da viagem foram retirados da cápsula e recepcionados pela equipe, por amigos e familiares.

Jeff Bezos abraçou Wally Funk e disse emocionado: "É a pessoa mais velha a ir ao espaço!". Com 18 anos, Daemen entrou para a história como o mais novo a fazer o mesmo.

Na publicação abaixo, você pode ver os momentos que antecederam o voo.

Mesmo a viagem tendo acontecido após a de Branson, Jeff Bezos pode comemorar por ter feito parte do primeiro voo suborbital (explicamos melhor mais abaixo) do mundo sem piloto e com uma tripulação composta apenas de civis.

"Bem feito Blue Origin, Jeff Bezos, Mark, Wally e Oliver. Impressionante!", parabenizou Richard Banson em seu perfil no Twitter.

Como foi o voo

O sistema utilizado pela Blue Origin é semelhante ao da SpaceX. O foguete reutilizável New Shepard (18,3 metros de altura) lançou sua cápsula tripulada com as quatro pessoas — ela tem capacidade para até seis — às 10h12 (horário de Brasília) desta terça-feira.

A cápsula se desprendeu do foguete — que pousou autonomamente em uma base no deserto no oeste do Texas —, deu uma voltinha e retornou com o auxílio de três grandes paraquedas. Os participantes da aventura puderam observar a Terra por cerca de três minutos.

A cápsula desceu com a tripulação a uma velocidade de 26 km/h até aterrissar no deserto.

O sucesso do voo foi confirmado quando eles atingiram a Linha de Kármán, um limite convencionado que fica a uma altitude de 100 km acima do nível do mar. De acordo com a transmissão do Blue Origin, a altitude máxima alcançada foi de 107,05 km.

Se você quiser acompanhar como foi a cobertura completa da viagem, confira na publicação da Blue Origin:

Turismo espacial

O sucesso da missão abre portas para a exploração do turismo espacial. O objetivo da Blue Origin é iniciar voos comerciais em breve. Mais testes serão feitos ainda em 2021.

O método usado pela Virgin Galatic, que levou Branson e cinco funcionários ao espaço, é diferente. Mas a proposta da empresa também é fazer viagens comerciais.

O voo de Branson começou com a decolagem de um curioso avião de dupla fuselagem, o SpaceShipTwo, carregando a nave VSS Unity no meio.

Ao atingir 15 km de altitude, os pilotos liberaram a nave espacial e retornaram com o avião para a base. Então, a VSS Unity acionou seu poderoso propulsor e fez uma ascensão quase vertical até a borda do espaço.

Foram cerca de cinco minutos de emoção sem gravidade, até a nave retornar à Terra e pousar, suavemente como um avião.

Esse tipo de tecnologia, apesar de menos ambiciosa, é pioneira e mais amigável para viagens turísticas. Tanto que a Virgin Galactic planeja começar a oferecer voos suborbitais comerciais no ano que vem. Cerca de 600 passagens já foram vendidas — inclusive para Elon Musk e Wally Funk.

Por falar em Musk, ele pretende com a sua empresa SpaceX uma missão ambiciosa para setembro: enviar uma tripulação apenas com civis para um voo orbital de vários dias a bordo da cápsula Crew Dragon.

Onde começa o espaço?

De forma geral, o espaço é definido como a região acima da atmosfera, a camada de gases que envolve a Terra. No entanto, a definição exata de onde o espaço começa pode ser diferente dependendo para quem você pergunta.

Os Estados Unidos têm uma definição própria, que considera que o espaço começa a uma distância de 80 km da superfície da Terra. Se um piloto ultrapassa este marco, ele já pode ser chamado de astronauta. É neste limite que se apoia a Virgin Galactic, do bilionário Richard Branson.

Uma das convenções mais aceitas, no entanto, é a da FAI (Federação Internacional de Aeronáutica), que define que o espaço fica acima da linha de kárman, a uma distância de 100 km acima do nível do mar. Quando, por exemplo, balões chegam a uma altura um pouco menor que essa, costuma-se dizer que eles atingiram os "limites do espaço".

O voo da Blue Origin, a empresa de Jeff Bezos, atingiu esta altitude estabelecida pela FAI.

Agora, se levarmos ao extremo de que ir ao espaço é deixar completamente a atmosfera da Terra, então um voo teria de ultrapassar os 600 km de distância de nosso planeta, passando por todas as camadas de nossa "proteção gasosa". São elas:

  • Troposfera - de 7 km a 15 km (onde os aviões comerciais circulam)
  • Estratosfera - 15 km a 50 km (onde jatos circulam)
  • Mesosfera - 50 km a 85 km (quando um detrito rochoso espacial chega até ela, rola combustão e você vê estrelas-cadentes)
  • Termosfera - 85 km a 600 km (onde rola a retenção de radiação solar)
  • Exosfera - acima de 600 km (onde ficam os satélites artificiais)

Se levarmos essa definição ao pé da letra, nem a Estação Espacial Internacional está no espaço, pois ao orbitar a Terra sua distância de nosso planeta varia entre 330 km e 440 km. Resumindo, as definições de espaço mais aceitas são as usadas pelos Estados Unidos (a 80 km da Terra) e a da FAI (a 100 km da Terra).