PUBLICIDADE
Topo

Twitch passou de plataforma de gamers para debates sobre CPI, novela e mais

Divulgação/Twitch
Imagem: Divulgação/Twitch

Cláudio Gabriel

Colaboração para Tilt

12/07/2021 04h00Atualizada em 12/07/2021 12h39

Você já ouviu falar de "!comandos", "raid", "subscribe", "bits"? Essas palavras podem soar alienígenas para alguns, mas fazem parte do vocabulário de uma plataforma que ganhou espaço na internet brasileira: a Twitch, serviço de streaming de vídeo ao vivo.

Inicialmente focada em transmitir gameplays (pessoas jogando games online), ela, que surgiu em 2011, passou a ser consolidar como meio para internautas falarem sobre qualquer tipo de coisa, de futebol até comentários com transmissão ao vivo da CPI da covid-19. Segundo a plataforma, o conteúdo fora do mundo dos games quadruplicou nos últimos três anos.

Na Twitch, é possível encontrar ainda pessoas assistindo a capítulos inteiros de programas de TV, gravações de podcasts ao vivo, comentários de esportes, rotinas de estudo e internautas conversando sobre assuntos aleatórios.

O professor de marketing digital da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) João Finamor explica que o "boom das lives" foi o responsável pelo crescimento da Twitch no Brasil durante a pandemia. E a plataforma tem potencial de ganhar cada vez mais interações, segundo o docente.

"Com a chegada do 5G e a da realidade aumentada, eu acredito muito numa imersão maior ainda nas lives. A gente vai se ver mais imerso e mais atuante não apenas como telespectador", afirma.

Para o empresário e publicitário Antônio Tabet, um dos criadores do canal Porta dos Fundos, a Twitch tem ambiente diferente de outras plataformas de vídeo. O fato de ser uma rede "menos tóxica" e um chat (local em que ocorre a conversa dos inscritos) "menos bélico" atrai. No início do ano, ele e sua equipe inauguraram canal "Salve!", em que já entrevistou políticos como Eduardo Paes e Ciro Gomes, e conta atualmente com mais de 89,4 mil seguidores.

A criadora de conteúdo Míriam Castro faz sucesso na Twitch compartilhando lives de produtividade em que incentiva cada internauta a trabalhar ou estudar conectados à transmissão ao vivo dela. É uma espécie de coworking (espaços físicos compartilhados de trabalho) só que virtual.

"A gente não está apenas conversando com o público, mas criando um ambiente de trabalho", explica Castro, dona do canal "mikann", que soma mais de 22,7 mil seguidores. Durante as lives, ela utiliza a técnica Pomodoro, em que a pessoa foca no estudo/trabalho e descansa por um outro período. A cada 25 minutos de foco, outros cinco são usados para o bate-papo com os seguidores. A câmera fica ligada o tempo todo.

"A Twitch é uma plataforma que está muito longe de alcançar o potencial dela. Cada vez mais vemos mais coisas grandes surgindo. Sempre tem um público muito fiel", acrescenta.

Como a Twitch nasceu

O nascimento da Twitch ocorreu a partir do sucesso da Justin.tv, plataforma online de transmissão de vídeos com diferentes categorias de assuntos criada por Justin Kan e Emmett Shear, em 2007. O tema que ganhou visibilidade na época e mais cresceu foi o de games. Assim, quatro anos mais tarde, nasceu o braço de jogos da empresa, a Twitch.tv.

Em 2014, a plataforma foi comprada pela Amazon. O negócio, na época, saiu por US$ 970 milhões. Diversas reportagens no período, como a da "Forbes", chegaram a dizer que o Google (dono do Youtube) tentou realizar a compra, mas a negociação não foi para frente.

Como funciona

Para transmitir um vídeo ao vivo é preciso ter uma conta na Twitch. De acordo com a política da plataforma, xingamentos, conteúdos de ódio e pornográficos não são permitidos. A live pode ficar gravada e ser disponibilizada por um período de 30 dias para os inscritos. Os criadores decidem o que e quando manter.

Já para quem só quer acompanhar, existem algumas possibilidades: assistir aos vídeos aleatoriamente, acompanhar um canal e/ou ser inscrever nos que você mais gosta (pagando um valor mensal de R$ 22,90 para a Twitch).

No último caso, se você tiver assinatura da Amazon Prime, não precisa pagar nada a mais. É possível ainda fazer doações para os streamers (quem faz transmissões ao vivo).

A possibilidade de ganhar dinheiro com vídeos foi o que fez a produtora de conteúdo Andreza Delgado criar um canal com o irmão há mais ou menos três meses. Intitulado de "Irmãos Delgado", há vídeos dentro da área dos games, há transmissão da CPI, entrevistas e conversas informais.

"Produzir conteúdo dentro do YouTube tem sido um grande desafio. A plataforma tem muitos problemas com criadores pequenos. Eu até hoje não consegui monetizar lá, por exemplo", conta. Andreza aproveita as gravações ao vivo e edita para colocar diretamente no seu canal de vídeos no YouTube. Até o momento, ela ganhou R$ 600 com a Twitch.

O jornalista Victor Canedo viu nesse ambiente também uma porta de possibilidades. Ele criou um canal para transmitir as jogatinas de "Football Manager", um game em que o jogador simular ser gerente de um time de futebol.

Depois de trabalhar 12 anos em uma empresa, resolveu seguir uma carreira independente e tem a Twitch como um dos seus principais enfoques. Ela representa 50% de sua renda mensalmente hoje, conta.

"Acho que ela está buscando que as pessoas falem de esportes no geral. Era apenas uma questão de tempo e acho um movimento corretíssimo. Tem muita demanda para isso que não era explorada na internet", destaca.

Canedo acredita que a Twitch hoje é o que o YouTube era em 2012, 2013. "Uma plataforma já famosa, mas prestes a explodir".

Vocabulário comum na Twitch:

  • "!comandos" - Ao ser digitado dentro da parte do chat, um bot do canal revela tudo que é possível descobrir daquele criador. Pode ir desde redes sociais, algum sorteio ou até mesmo como apoiar aquela pessoa.
  • "subscribe" - Tem relação com os inscritos do canal. Ele envolve o pagamento de um valor e isso pode ser através de um envio direto de dinheiro com cartão ou por meio da assinatura da Amazon Prime.
  • "bits" - Compra de uma espécie de dinheiro online que pode ser doada para os streamers.
  • "stream" - É a transmissão do vídeo ao vivo.
  • "prime" - É o pagamento se uma inscrição de um mês com o uso da Amazon Prime.
  • "raid" - Recurso que permite aos criadores passarem a audiência da sua live para outra.
  • "rerun" - retransmissão de vídeos que já passaram ao vivo no momento em que o streamer está offline.