PUBLICIDADE
Topo

Direto de Marte! Veja imagens incríveis do pouso da Perseverance

Dez minutos antes do pouso, o rover se livrou da nave que o carregava, virando uma espécie de "disco voador" - Divulgação/Nasa
Dez minutos antes do pouso, o rover se livrou da nave que o carregava, virando uma espécie de "disco voador" Imagem: Divulgação/Nasa

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt

24/02/2021 04h00

Após uma viagem de quase sete meses, a Nasa conseguiu pousar com sucesso, na semana passada, o rover Perseverance em Marte. As imagens do momento histórico e de como é o planeta vermelho, em qualidade nunca antes vista, já estão disponíveis no site da agência espacial norte-americana.

São quase 5.000 imagens inéditas da missão Mars 2020, em alta resolução, para qualquer um baixar, incluindo um panorama da superfície do planeta, composto por seis imagens sobrepostas.

Também foi divulgado um vídeo, em alta qualidade, mostrando os minutos finais do procedimento de entrada da nave na atmosfera, a 11 km de altitude, e pouso do robô-jipinho, que correu em cronometrada perfeição.

Dá para ver, de vários ângulos, o enorme paraquedas se abrindo, o escudo térmico indo embora, o rover tocando o chão e levantando poeira, além de detalhes dos equipamentos e da superfície do planeta.

Entenda como o pouso aconteceu

Primeiro, cerca de dez minutos antes da chegada, o conjunto se livrou da nave em si - a parte que o guiou até lá -, virando uma espécie de disco voador. Então, atingiu o topo da atmosfera de Marte a uma velocidade absurda de mais de 20.000 km/h.

Um escudo térmico foi quem o protegeu das altíssimas temperaturas causadas pelo atrito, que libera muita energia. Ao chegar às camadas mais baixas, o veículo foi se guiando e estabilizando, com ajuda de propulsores. Quando estava lento o suficiente, lançou um paraquedas supersônico, para frear a descida.

O escudo, não mais necessário, foi solto, para liberar a visão do solo. Isso expôs o rover, preso embaixo de um foguete circular (módulo de descida). Os propulsores funcionaram com mais força, para reduzir a velocidade até míseros 2 km/h.

A casca superior, com o paraquedas, também foi liberada. Então, o rover foi colocado delicadamente em solo, pendurado por três cabos, em uma espécie de guindaste aéreo com um drone gigante.

O Perseverance pousou na cratera Jezero, de 40km de diâmetro e 500m de profundidade, que há mais de três bilhões de anos foi um lago marciano. Se já existiu vida no planeta, mesmo que apenas atividade microbiana, este é o local com mais chances de guardar evidências.

Imagens inéditas

Fotos, vídeos e até áudios divulgados pela Nasa mostram todas as etapas da aproximação e pouso e também as primeiras impressões do planeta vermelho.

Ao todo, o rover possui 19 câmeras de alta definição, que prometem capturar detalhes nunca antes vistos de Marte, além de por quatro câmeras nas seções da nave que foram descartadas (casca e módulo) - totalizando 23 lentes. Por isso, temos visão de cima, de baixo e dos lados. Com ajuda do satélite MARS Reconnaissance Orbiter, que orbita o planeta desde 2006, é possível até ver onde cada uma dessas partes caiu, espalhadas por uma área de 200 metros.

As chamadas câmeras de engenharia do rover, que atuam no monitoramento e navegação, oferecem imagens em preto e branco, que chegam mais rápido à Terra; já as câmeras de ciência são coloridas, resultando em arquivos mais pesados.

Veja os detalhes da primeira foto panorâmica da superfície de Marte da missão, pelo olhar do Perseverance:

O moderno instrumento Supercam, que fica na "cabeça" do robô, unindo câmeras, microfones, lasers e outros sensores, foi desenvolvido graças ao trabalho de um brasileiro, o engenheiro Ivair Gontijo.