PUBLICIDADE
Topo

Robô da Nasa usará raio-x para tentar encontrar vestígios de vida em Marte

Rover da Nasa escaneará rochas em busca de vida - Divulgação/Nasa
Rover da Nasa escaneará rochas em busca de vida Imagem: Divulgação/Nasa

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

28/09/2020 12h50

O robô explorador Perseverance ainda tem um longo caminho até pousar em Marte em 18 de fevereiro de 2021, quando começará a tentar encontrar vestígios de vida microscópica de bilhões de anos atrás no planeta. Para cumprir a missão, o rover foi equipado com um dispositivo de raio-x alimentado por inteligência artificial.

Batizado de PIXL (sigla em inglês para Instrumento Planetário para Litoquímica de Raio-X), o instrumento é do tamanho de uma lancheira e está localizado na extremidade do braço robótico de 2 metros de comprimento do Perseverance.

A utilização de espectrômetro de fluorescência de raio-x em missões em Marte não é novidade, já que a sonda Viking e o rover Curiosity já possuíam equipamentos para isso. Contudo, a Nasa afirma que o diferencial do PIXL é que ele pode escanear rochas com um feixe de raio-x finamente focado, capaz de descobrir onde e em qual quantidade os produtos químicos são distribuídos nas superfícies.

"O feixe de raio-X do PIXL é tão estreito que pode localizar características tão pequenas quanto um grão de sal. Isso nos permite vincular com muita precisão os produtos químicos que detectamos a texturas específicas em uma rocha", afirmou ao site da agência espacial americana Abigail Allwood, investigadora principal da PIXL no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa.

Segundo a Nasa, as texturas das rochas serão uma pista essencial para decidir quais amostras valem a pena trazer à Terra. Em nosso planeta, rochas denominadas estromatólitos foram formadas de camadas antigas de bactérias e são apenas um exemplo de vida antiga fossilizada. São esses tipos de rochas que os cientistas vão procurar.

Como funciona?

Para encontrar os alvos da missão, o PIXL utilizará um hexapod, dispositivo com seis pernas mecânicas que o conecta ao braço do rover e é guiado por inteligência artificial para obter a mira mais precisa.

Assim que o braço do rover for colocado perto de uma rocha interessante, o PIXL usa uma câmera e um laser para calcular a distância. Na sequência, essas seis pernas do equipamento fazem pequenos movimentos, da ordem de apenas 100 mícrons (o que significa cerca de duas vezes a largura de um fio de cabelo), para que o dispositivo possa escanear o alvo e mapear os produtos químicos encontrados.

"O hexápode descobre por si mesmo como apontar e estender suas pernas ainda mais perto de um alvo de rocha. É como um pequeno robô que se sente à vontade na ponta do braço do veículo espacial", disse Allwood.

Em seguida, o PIXL mede os raios X em rajadas de 10 segundos de um único ponto em uma rocha antes que o instrumento se incline 100 mícrons e faça outra medição. Para produzir um mapa químico do tamanho de um selo postal, pode ser necessário realizar o procedimento milhares de vezes ao longo de oito ou nove horas.

A necessidade desse período longo de medição é uma das principais dificuldades do PIXL. Isso porque a temperatura de Marte muda em mais de 38º C ao longo de um dia, fazendo com que o metal no braço robótico do Perseverance expanda e contraia em até 13 milímetros.

Por isso, o instrumento deve ser operado em Marte apenas após o pôr do sol. "PIXL é uma coruja noturna. A temperatura é mais estável à noite e isso também nos permite trabalhar em um momento em que há menos atividade no veículo espacial", afirmou a cientista responsável pelo equipamento.

Por que é importante?

Bem antes de a fluorescência de raio-x chegar a Marte, ela foi utilizada por astrobiólogos para identificar materiais. Essa técnica é uma forma de ler histórias deixadas pelo passado antigo.

A própria Abigail Allwood utilizou a fluorescência de raio-x para determinar que as rochas estromatólitas encontradas na Austrália, seu país natal, são alguns dos fósseis microbianos mais antigos do planeta Terra, mostrando que a vida já existia em nosso planeta há pelo menos 3,5 bilhões de anos.

Ao mapear a química em texturas de rocha com o PIXL em Marte, os cientistas poderão interpretar se alguma das amostrar encontradas poderia ser um micróbio fossilizado, comprovando que já houve vida no planeta vermelho.