Topo

Agora dá para buscar em site a história de 10 milhões de vítimas do nazismo

Arquivo de Arolsen reúne documentos com informações de 10 milhões de vítimas do nazismo - Divulgação
Arquivo de Arolsen reúne documentos com informações de 10 milhões de vítimas do nazismo Imagem: Divulgação

Rebecca Staudenmaier

Da DW

30/11/2019 15h20

Sem tempo, irmão

  • Maior acervo do mundo traz dados sobre 10 milhões de perseguidos pelo nazismo
  • São 850 mil documentos catalogados, que agora receberam um índice por nomes
  • Muitos dos citados estiveram em campos de concentração, trabalho forçado ou em marchas da morte
  • Preocupações com a privacidade restringiram o acesso a esse material por décadas
  • Instituição decidiu abrir a maior coleção de dados do mundo sobre o período

Com apenas alguns cliques, um mapa desenhado à mão aparece na tela do computador com as palavras "registro de túmulo" estampadas em tinta vermelha na parte superior. O pedaço de papel amarelado mostra o local de descanso final de um francês de 33 anos que foi perseguido pelos nazistas - seu túmulo colorido em verde.

Este é apenas um dos 850 mil documentos sobre vítimas do nazismo que o Centro Internacional de Perseguição Nazista disponibilizou online recentemente nos Arquivos de Arolsen (https://arolsen-archives.org/suchen-erkunden). O material está disponível gratuitamente para todos os interessados.

"Publicamos agora porque temos um índice. É possível pesquisar e encontrar o nome escrito num desses documentos. Antes, isso não era possível", contou a diretora do arquivo, Floriane Azoulay, à DW.

Mais de 10 milhões de pessoas são mencionadas nos documentos. Muitas delas estiveram em campos de concentração, em campos de trabalho forçado ou nas chamadas marchas da morte durante o Holocausto.

Sediado na cidade alemã de Bad Arolsen, o arquivo possui a coleção mais abrangente do mundo de documentos sobre as vítimas e os sobreviventes da perseguição nazista. As preocupações com a privacidade restringiram o acesso a esse material por décadas, mas a instituição abriu suas portas nos últimos anos e vem trabalhando para disponibilizar sua imensa coleção ao público.

Os documentos recentemente divulgados provêm da zona ocupada por americanos no sul da Alemanha, que foi a maior área ocupada pelos Aliados após a Segunda Guerra Mundial. Embora os nazistas tenham tentado destruir evidências de seus crimes no final da guerra, registros escritos feitos por autoridades locais, polícia, empresas ou outras instituições sobreviveram ao tempo.

As forças aliadas dos americanos, franceses, britânicos e soviéticos procuraram também documentar os crimes do regime nazista e encontrar desaparecidos. Os Aliados ordenaram às autoridades locais que preenchessem formulários detalhando os nomes de estrangeiros, judeus alemães e apátridas registrados nas respectivas repartições.

As autoridades municipais foram ainda instruídas a fornecer informações sobre os locais de sepultamento e apontá-los em mapas. "Em muitos casos não há o nome das vítimas enterradas, mas apenas as nacionalidades", disse Azoulay.

Desde que os documentos foram disponibilizados na internet há uma semana, a resposta tem sido "incrível", segundo a diretora. Criada com a ajuda do centro de memória do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, a página do arquivo recebeu cerca de 40 mil visitas de usuários nos primeiros sete dias, quatro vezes mais do que a taxa normal de visitantes em Bad Arolsen.

As pessoas também têm escrito para dizer como ficaram comovidas ao encontrar informações sobre parentes apenas digitando um nome na barra de pesquisa. "Em alguns casos, eles aprendem algo novo sobre o destino de um ente querido e, em muitos casos, esse é o último vestígio desta pessoa - algo que eles nunca viram antes", disse Azoulay. "Há muita emoção e gratidão por isso."

Expansão para uma nova geração

O aumento do interesse nestes documentos se deve em parte à parceria dos Arquivos de Arolsen com a empresa de genealogia Ancestry. A empresa sediada nos EUA opera uma das maiores plataformas online do mundo para pesquisa genealógica e foi fundamental na criação do índice que tornou os documentos facilmente pesquisáveis.

Mais de 67% das solicitações recebidas no arquivo no ano passado foram de pessoas que procuravam descobrir mais sobre seus parentes. Esse número provavelmente aumentará agora.

Como parte da cooperação do projeto, a Ancestry recebeu permissão para publicar também os documentos em sua página na internet - uma ação que atraiu um grande grupo de entusiastas da história familiar ao arquivo.

"Os Arquivos de Arolsen existem há oito décadas, mas ainda somos relativamente desconhecidos", disse Azoulay. A diretora espera que o interesse midiático e a cooperação com a Ancestry "chame a atenção para o potencial do arquivo e realmente inspire pessoas a procurarem por seus familiares".

No futuro, o arquivo planeja continuar com a publicação online dos seus mais de 30 milhões de documentos originais, com as listas da zona ocupada pelos britânicos que serão liberadas no próximo ano.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter


Autor: Rebecca Staudenmaier (pv)

Dados