Topo

Novo tipo do vírus HIV é encontrado pela primeira vez em 20 anos

Subtipo foi encontrado no Congo e é a primeira descoberta desde 2000 - Getty Images/iStockphoto
Subtipo foi encontrado no Congo e é a primeira descoberta desde 2000 Imagem: Getty Images/iStockphoto

De Tilt, em São Paulo

06/11/2019 16h08Atualizada em 07/11/2019 19h57

Sem tempo, irmão

  • A descoberta feita por profissionais da Abbot pode ajudar a trazer novas formas de tratamento
  • É primeira vez que um novo subtipo de HIV é identificado desde 2000
  • Primeira amostra do subtipo L foi coletada entre os anos de 1983 e 1990 no Congo
  • Na época, ainda não havia conhecimento suficiente para sequenciamento de genomas
  • Nova geração de sequenciamento permitiu que a descoberta fosse enfim comprovada

Um artigo publicado nesta quarta-feira (6) na revista científica Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes (JAIDS) informou a descoberta de mais um tipo de vírus HIV, causador da Aids.

Os resultados da pesquisa, realizada por uma equipe da empresa de equipamentos médicos Abbott, podem ajudar a planejar novas formas de tratamento para a doença, segundo os pesquisadores.

Essa é a primeira vez em anos que um novo subtipo de HIV-1 é identificado. A última aconteceu em 2000, quando as diretrizes para classificar novas cepas do HIV foram estabelecidas.

A existência de diferentes subtipos do HIV já era conhecida na área da saúde. Mas, agora, o novo estudo traz informações detalhadas sobre ele. O subtipo pertence ao grupo M do vírus, responsável por mais de 90% dos casos de Aids no mundo — os demais já conhecidos eram o N, O e P.

O organismo foi chamado de "cepa L" e se une a outras dez cepas já catalogadas pelos cientistas.

A comunidade científica já tinha suspeitas sobre a existência do subtipo. No entanto, era necessário que ele fosse identificado em pelo menos três indivíduos para que pudesse ser classificado cientificamente.

Os especialistas que trabalham no caso afirmam que a primeira amostra do subtipo L do grupo M foi coletada entre os anos de 1983 e 1990, quando ainda não havia conhecimento o suficiente para o sequenciamento de genomas. Na época, dois indivíduos da República Democrática do Congo, na África, foram identificados como portadores.

A descoberta partiu de um programa da área de saúde da Abbott que já dura 25 anos e tem como objetivo monitorar o HIV e o vírus da hepatite. Desde o começo da empreitada, a empresa coletou mais de 78 mil amostras de vírus e identificou mais de 5 mil subtipos distintos para chegar ao resultado publicado nesta quarta.

"Identificar novos vírus como esse é como procurar uma agulha no palheiro. Ao avançar nossas técnicas e usar a nova geração de sequenciamento, puxamos essa agulha com um ímã", declarou Mary Rodgers, uma das autoras do estudo, em comunicado oficial.

A NGS, sigla em inglês para a nova geração de sequenciamento dita por Mary, é o conjunto de técnicas com melhorias em relação ao processo tradicional, chamado de Sanger e usado há mais de 40 anos.

Com a NGS, um genoma humano inteiro pode ser sequenciado em um dia, enquanto a tecnologia Sanger exige mais de uma década para entregar o rascunho final.

Mais de 37 milhões de pessoas vivem com HIV em todo o mundo. No Brasil, são quase 870 mil pessoas. Com a identificação do novo subtipo, os cientistas poderão agora acompanhar o seu funcionamento dentro do organismo humano para, a partir disso, criar possíveis novos medicamentos e vacinas para o tratamento e a erradicação do vírus.

Para repercutir a descoberta, a revista Scientific American ouviu Jonah Sacha, professor do Instituto de Vacinas e Gene Therapy da Oregon Health & Science University. Ele diz que o estudo serve como um lembrete da diversidade perigosa do vírus HIV.

Isso nos diz que a epidemia do HIV ainda está em andamento e ainda está evoluindo. O cartão de visita do HIV é sua diversidade. Foi isso que derrotou todas as nossas tentativas de criar uma vacina. As pessoas pensam que não é mais um problema, e nós o temos sob controle. Mas, na verdade, não temos
Jonah Sacha

Foi exatamente por essa diversidade do vírus já conhecida que a descoberta não surpreendeu Michael Worobey, chefe do departamento de ecologia e biologia evolutiva da Universidade do Arizona, e outro pesquisador ouvido pela revista que também não participou do estudo recente.

Ele reforça que a recente confirmação do subtipo não adiciona muito ao que já sabíamos do HIV, pois sua existência já era discutida.

"É realmente enganoso descrever a diversidade genética do Congo como um novo subtipo, porque o único significado útil do termo 'subtipo' viria da identificação de uma linhagem do vírus que se espalhou significativamente além da África Central", diz Worobey.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Ciência