Topo

Apps indiscretos! Como o Facebook descobre com quem mulheres fizeram sexo

Facebook coleta informação não só de seus usuários mas também das pessoas que não possuem conta na rede social - Arte/UOL
Facebook coleta informação não só de seus usuários mas também das pessoas que não possuem conta na rede social Imagem: Arte/UOL

Helton Simões Gomes

De Tilt, em São Paulo

10/09/2019 13h39

Sem tempo, irmão

  • Apps para acompanhar períodos menstruais coletam muitos dados das usuárias
  • Alguns enviam informações ao Facebook por fazer parte da rede de negócios da rede social
  • Entre as indiscrições há a última vez em que a usuária fez sexo e se usou proteção

Você contaria ao Facebook quando fez sexo pela última vez? E diria se usou camisinha ou não? Algumas mulheres acabaram fazendo isso sem saber e de uma forma bastante indireta. Elas compartilharam essas e outras informações com aplicativos para acompanhar seus períodos menstruais. Só que esses serviços, por sua vez, acabaram enviando os dados à rede social.

Isso é o que mostra uma investigação da Privacy International. A entidade britânica que defende a privacidade descobriu que cinco apps usados por milhões de mulheres remeteram ao Facebook informações como hábitos alcoólicos, condições de saúde e até quando elas transaram pela última vez.

A Privacy International já havia mostrado no ano passado como o Facebook obtinha dados de pessoas que não tinham sequer contas na rede social. Isso ocorre porque alguns aplicativos enviavam dados à empresa de Mark Zuckerberg (veja mais abaixo). Um deles era o Period Tracker Clue, um dos maiores serviços para celular de acompanhamento menstrual.

Depois de o documento vir à tona, o Period Tracker Clue, da Leap Fitness Group, deixou de compartilhar dados com o Facebook. A partir daí, a entidade resolveu analisar outros apps populares do mesmo segmento. Após avaliar serviços como Period Tracker Flo (Flo Health), Period Tracker (Simple Design) e Clue Period Tracker (Biowink), a organização britânica constatou que eles também não mandavam informações pessoais de suas usuárias à rede social.

O mesmo não ocorreu com outros cinco apps:

  • Maya (Plackal Tech);
  • MIA (Mobapp Development Limited);
  • My Period Tracker (Linchpin Health);
  • Ovulation Calculator (Pinkbird);
  • Mi Calendario (Grupo Familia).

Geralmente, esses serviços possuem muitas informações porque submetem suas usuárias a uma bateria de perguntas — é possível, no entanto, usar alguns desses apps sem responder a nenhuma delas.

O interrogatório é tão grande que essas empresas acabam sabendo desde o estado de espírito das usuárias e o que costumam beber até detalhes mais sensíveis, como seus hábitos sexuais ou se estão enfrentando algum problema de saúde. A ideia é usar tudo isso para prever quanto tempo vai durar o ciclo menstrual.

A Privacy International detectou que dois desses serviços expunham muito mais suas usuárias do que os outros.

Baixado cinco milhões de vezes, o MIA, por exemplo, enviava ao Facebook se a mulher estava usando o serviço para tentar engravidar, as datas da última menstruação e quanto tempo durou o ciclo, se elas bebiam café ou álcool, que produtos higiênicos haviam usado e até condições médicas como constipação ou diarreia.

Já o Maya, que tem um milhão de downloads, avisava à rede social se suas usuárias tiveram dor nos seios ou cólica, se usavam algum método contraceptivo, qual era seu estado de humor e quando haviam feito sexo pela última vez — e até se haviam usado proteção.

Como esses dados chegavam ao Facebook?

Os testes da Privacy International foram feitos no Android, plataforma do Google, já que o iOS, da Apple, tem controles mais restritos de compartilhamento de informação.

Os dados levantados pelos apps são compartilhados com o Facebook porque os criadores dos apps usam as plataformas para negócios da rede social.

Ao usar o kit para desenvolvedores, o Facebook SDK, esses criadores enviam para a rede social um identificador único. É com esse código que os anunciantes podem seguir você por toda a internet, seja lá qual aparelho ou serviço esteja sendo usado.

O uso desse kit dá, pelo menos, duas vantagens aos criadores de apps. Por um lado, permite que anúncios do Facebook sejam exibidos em seus serviços, o que pode ser convertido em receita. Por outro, possibilita que usuários acessem os programas usando uma conta do Facebook, ou seja, retira uma barreira de acesso que é criar cadastros próprios.

No último relatório da Privacy International, o Facebook descreveu da seguinte forma os benefícios de seu SDK:

Os desenvolvedores podem receber análises que permitem entender o que o público de seus aplicativos mais gosta e ainda melhorá-los. Os desenvolvedores também podem usar os serviços do Facebook para monetizar seus aplicativos através da Facebook Audience Network

O que dizem as empresas

A Plackal Tech, responsáveis pelo app Maya, informou que não enviava ao Facebook dados que possam identificar ou médicos das mulheres. Depois da abordagem da Privacy International, a empresa limitou a parceria com o Facebook.

"Entendemos a preocupação de que, além de fornecer o SDK de análise, o Facebook também é uma rede social e uma rede de publicidade. Portanto, removemos o SDK principal do Facebook e o Analytics SDK do Maya"

Isso quer dizer que os envios de dados serão interrompidos, mas a exibição de anúncios continuará.

A Mobapp, dona do MIA, enviou uma resposta à Privacy International, que não a publicou no relatório. A empresa ainda não respondeu aos questionamentos de Tilt.

Tilt também contatou o Facebook. A empresa afirmou que "nossos termos de serviço proíbem desenvolvedores de nos enviarem dados confidenciais sobre a saúde das pessoas e nós tomamos providências se descobrimos que isso aconteceu".

Fique por dentro