Topo

Bora? Musk estima que viagem para Marte custa menos que apartamento em SP

Passagem para a espaçonave Starship são mais baratos do que você imaginava - Divulgação
Passagem para a espaçonave Starship são mais baratos do que você imaginava Imagem: Divulgação

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/02/2019 12h53

Explorar o planeta vermelho é um desejo antigo da humanidade, e o sonho ganhou ainda mais força nos últimos tempos com ricaços como Jeff Bezos e Elon Musk trabalhando duro para nos levar para lá. E agora tivemos uma noção mais concreta de quanto custaria partir para Marte: em torno de US$ 100 mil. A estimativa de valor foi feita por Musk em uma publicação no seu perfil do Twitter:

No texto, ele diz que o custo depende do volume de viagens, mas que estima que a viagem sairia por "menos de US$ 500 mil, ou até mesmo por menos de US$ 100 mil".

Considerando o menor valor, US$ 100 mil (pouco menos de R$ 400 mil), seria menos que o cobrado por apartamentos de tamanho médio (algo em torno de 70 m²) em boa parte da cidade de São Paulo. 

E, convenhamos, a paisagem de Marte pode ser bem mais interessante que o cinza da capital paulista. O multimilionário, no entanto, não revelou quanto tempo vai demorar para conseguirmos mudar de mala e cuia para lá, nem quanto custaria um imóvel marciano. Mas Musk diz que a passagem de volta, caso você não goste da vizinhança, é gratuita.

Apesar da estimativa de preço, Musk não divulgou outros detalhes que tornariam as viagens, de fato, algo concreto.

O foguete Starship, com o qual a viagem seria feita, continua em desenvolvimento. Recentemente, Musk publicou vídeos dos testes da versão funcional do motor responsável pela propulsão da nave.

Concorrentes

Enquanto isso, a Blue Origin, empresa espacial do diretor da Amazon Jeff Bezos, que concorre com Musk e com a Virgin Galactic para levar turistas ao espaço, fez no mês passado o décimo voo de testes de seu foguete e atingindo uma altitude aproximada de 107 km, além da fronteira do espaço. O New Shepard partiu da plataforma de lançamento no Texas (EUA), levando experimentos científicos patrocinados pela Nasa.

Ariane Cornell, diretora comercial da Blue Origin, avisou na época que o próximo desafio da companhia era testar o foguete com humanos em seu interior. "Estamos planejando para o fim do ano", disse. "Mas como já dissemos, não temos pressa". 

Mas, antes de implementar viagens turísticas, é preciso realizar vários voos de teste com humanos a bordo, o que ainda não aconteceu. Futuramente, o New Shepard será lançado verticalmente, e uma cápsula tripulada se descolará e prosseguirá em sua trajetória acima da fronteira espacial por 11 minutos até retornar à Terra, em uma queda freada por um paraquedas. Cabem seis passageiros na cápsula

Em paralelo, a Virgin Galactic, do milionário britânico Richard Branson, está desenvolvendo uma nave-foguete que é liberada no ar por um avião e conduzida por dois pilotos.

Os bilhetes da Blue Origin não estão à venda, mas os da Virgin Galactic sim -- o assento custa US$ 250 mil. (Com AFP)

Mais Negócios