PUBLICIDADE
Topo

Carlos Affonso de Souza

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Moderar o Taleban vira a grande dor de cabeça para WhatsApp e Facebook

Membros do Taleban circulam armados por região de comércio popular em Cabul, no Afeganistão - Hoshang Hashimi/AFP
Membros do Taleban circulam armados por região de comércio popular em Cabul, no Afeganistão Imagem: Hoshang Hashimi/AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Carlos Affonso

Carlos Affonso é Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio) e professor da Faculdade de Direito da UERJ.

17/08/2021 18h15

O Taleban tomou Cabul, consolidando assim a sua conquista do poder político no Afeganistão. As tropas e os funcionários norte-americanos estão sendo retirados às pressas. A crise humanitária que segue já acende os alertas na Europa sobre novas ondas de imigração. Imagens e vídeos de afegãos tentando subir em um avião prestes a decolar rodaram o mundo.

Enquanto a tomada do governo afegão pelo Taleban parece já consolidada, uma outra frente de batalha complexa permanece aberta na internet. Diferentes empresas de redes sociais tratam de maneira distinta os conteúdos e as contas ligadas ao Taleban.

O Facebook já havia banido o grupo das suas plataformas por entender que ele se enquadra na política de combate contra organizações perigosas. Isso significa que a empresa remove contas que sejam mantidas pelo grupo ou em seu nome, bem como conteúdos que apoiam e celebram as suas ações.

A empresa afirmou que possui funcionários que falam as línguas dari (persa afegão) e pachto (afegão), e que entendem o contexto local para alertar sobre qualquer publicação que viole suas políticas.

O bloqueio determinado pelo Facebook vale também para plataformas como Instagram e WhatsApp.

No caso do WhatsApp, vale lembrar que as comunicações no aplicativo são criptografadas de ponta a ponta, então a empresa não tem acesso aos seus conteúdos, mas pode bloquear telefones que sejam identificados como sendo vinculados a membros do grupo, ou mesmo buscar informações em grupos públicos.

Twitter e YouTube vem adotando até agora uma postura mais branda, procurando agir sobre conteúdos que promovam a glorificação da violência ou incentivem atos terroristas, mas não adotaram um banimento geral das contas ligadas ao Taleban.

O caso fica mais complicado no momento em que a organização passa a assumir oficialmente o governo afegão. Pode uma empresa de tecnologia norte-americana banir das suas redes um grupo que tomou o poder em um certo país? Em que condições?

Nos Estados Unidos, existe uma lista de organizações consideradas terroristas, mantida pelo Departamento de Estado. O Taleban não está nela.

E na medida em que uma identidade de conteúdo e de propósito passa a existir entre o grupo armado e a autoridade política de um certo país, mais complexa fica a decisão de se banir as contas do grupo, mas de se deixar no ar as contas oficiais do governo. Deve a empresa entregar ou permitir a operação das contas governamentais a um grupo armado que ela mesma baniu?

Para as empresas que optaram por não banir o Taleban, mas sim agir para moderar cada conteúdo específico postado pelo grupo, surge ainda uma pergunta adicional: como justificar que o ex-presidente Donald Trump esteja banido das suas plataformas, mas o Taleban não?

A ausência de respostas claras sobre esse tipo de comparação só vai botar mais lenha na fogueira de um debate pra lá de aquecido sobre padrões de moderação de contas e de conteúdo.

No Twitter, o porta-voz do Taleban, que agora se anuncia como o porta-voz do Emirado Islâmico do Afeganistão, Zabihullah Mujahid, informa os seus mais de 300 mil seguidores sobre o processo de ocupação de Cabul e as medidas do novo governo.

Twitter taleban - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Quando uma coalizão de países, liderada pelos Estados Unidos, removeu o Taleban do poder no Afeganistão, em 2001, o mundo não estava conectado através das redes sociais. Os tempos agora são outros e as disputas envolvendo atores políticos, militares e empresariais ganham todo um novo contexto quando as redes se consolidam como espaços cruciais para a comunicação.

Como devem se portar as redes sociais na iminência e após a consolidação de um golpe de estado? A resposta não interessa apenas ao Afeganistão. O que acontece em Cabul não fica em Cabul, mas é, ao contrário, divulgado para uma audiência global que assiste, debate e compartilha imagens, vídeos e textos que montam um mosaico a partir do qual se procura entender o que está acontecendo do outro lado do mundo.

As revoluções não serão apenas televisionadas, mas também compartilhadas, curtidas e criticadas nas redes sociais. Serão as regras dessas redes, e a sua respectiva interpretação, que poderão moldar a repercussão global de movimentos de ruptura nos mais diversos países.

As redes sociais, ao permitir ou ao bloquear contas de políticos, grupos e demais autoridades, sobretudo em casos de sublevações que sacodem um país, contribuem para auferir ou retirar legitimidade de agentes em circunstâncias para lá de turbulentas. Os diretores de algumas dessas grandes empresas já alertaram que não querem ter esse poder. Resta saber se isso ainda está em disputa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL