Conteúdo publicado há 22 dias

Belo e Denílson juntos: qual era a dívida e briga de 20 anos entre eles

Belo, 50, e Denílson, 46, se encontraram no Maracanã, Rio de Janeiro, nos bastidores do Futebol Solidário. Os dois se enfrentaram em uma batalha judicial de mais de 20 anos — que chegou ao fim em agosto do ano passado.

O que aconteceu entre Belo e Denílson

Em 1999, Denílson adquiriu os direitos do grupo Soweto, que acumulava hits na voz de Belo. Ele seria o responsável por custear parte dos recursos da equipe e banda. Em contrapartida, o ex-jogador teria porcentagens em comercialização de shows.

Denílson teria pagado cerca de R$ 1 milhão para ter o controle do grupo — que na época estourava nas rádios do país com as músicas "Farol das Estrelas", "Mundo de Oz" e "Tempo de Aprender".

Em 2000, Belo deixou o grupo para seguir carreira solo. O ex-atleta, que era o detentor dos direitos da banda, acionou a Justiça contra o artista alegando quebra de contrato (entre outros prejuízos) — a disputa judicial também colocou fim na amizade dos dois.

Denílson cobrou R$ 6 milhões de Belo para o cantor rescindir contrato com o grupo Soweto em 2000. A informação está listada no processo aberto pelo ex-atleta contra o artista na época.

O valor corrigido da multa chegava aos R$ 25 milhões, segundo calculadora disponível no site oficial do Banco Central do Brasil. A taxa de valorização do montante bate 319%, conforme pesquisa realizada no site do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A defesa de Belo informou à Justiça que o cantor jamais reconheceu Denílson como "dono do Soweto". Ela também argumentou que Belo não recebeu qualquer aporte financeiro de Denilson no período do grupo.

Em 2004, o Tribunal de Justiça entendeu que Belo descumpriu acordo e deu vitória a Denílson. Foi determinando que o cantor pagasse R$ 388 mil na época. O valor não foi quitado.

Em 2017, Belo ingressou com ação contra Denílson por danos morais. O comentarista esportivo cobrou a dívida por meio de um comentário em uma publicação nas redes sociais: "Só falta aprender a pagar quem ele deve".

Continua após a publicidade

O músico alegou que Denílson depreciou sua imagem publicamente e pediu R$ 500 mil. A Justiça considerou a ação improcedente, justificando que existe a comprovação do débito do outro processo.

O Tribunal determinou que Belo arcasse com os custos advocatícios de Denílson, fixados em 10% do valor da ação, totalizando R$ 50 mil.

O TJ-SP sentenciou que as principais emissoras de TV do país depositassem em juízo eventuais cachês ao músico. A decisão também foi publicada em 2017.

Em 2022, a Justiça ordenou que fosse feito um depósito judicial de pouco mais de R$ 7 milhões que iriam para Belo, oriundos de um show a ser realizado no mês de agosto, no Pacaembu, ao lado de Thiaguinho, pela dívida com Denilson.

Belo e Denílson anunciaram em agosto de 2023 que chegaram a um acordo e que as tretas acabaram:

O cantor Belo e eu conversamos e, de forma amigável, chegamos a um acordo. É de suma importância ressaltar a todos que nossas divergências nunca foram pessoais, ao contrário, elas eram — e portanto não são mais — no campo jurídico. Como homens, adultos e profissionais que somos, era importante colocar fim a esse imbróglio que nos afastava há mais de 20 anos. Hoje, com alegria, damos por encerrado esse assunto. Muito obrigado a todos os envolvidos. Agora é olhar pra frente? Acabou! Denilson

Deixe seu comentário

Só para assinantes