Conteúdo publicado há 21 dias

Netflix mistura Carrossel, Julia Roberts e cultura indígena na série 'Luz'

Já está disponível na Netflix a série "Luz", primeira série infantojuvenil nacional da plataforma. A obra é produzida pela Floresta, da Sony Pictures Television.

O enredo mistura 'Carrossel', 'Um Lugar Chamado Notting Hill' e cultura indígena

A série é sobre uma menina criada pelo povo kaingang que vai parar num internato longe de tudo o que conhece. Luz, interpretada pela atriz mirim Marianna Santos, parte em uma jornada em busca das suas verdadeiras origens.

Para não repetir erros de representatividade de séries como "Cidade Invisível", a produção teve participação ativa do povo kaingang. "A gente fez várias aulas de artesanato, aula para aprender a língua. E também contracenando com eles, a gente aprendeu muito sobre a cultura, como eles vivem no dia a dia. Foi incrível saber um pouco mais da cultura kaingang, tão rica", diz Marianna, de 12 anos, em entrevista a Splash.

O elenco conta com nomes como Marcos Pasquim, Mel Lisboa e Celso Frateschi. Celso interpreta o fazendeiro Carlos Ferreira, avô de Luz que culpa a criança pela morte de seu filho. Marcos Pasquim é Baltazar, braço direito de Carlos que se indispõe com o chefe por defendê-la. Já Mel Lisboa é Valéria, que assume o papel de capataz do vilão.

Celso Frateschi se inspirou na vida real para interpretar Carlos Ferreira. "Infelizmente tem muitos modelos por aí, a gente vive muita invasão de terra, muita coisa desagradável, que é um pouco como esse personagem cria a sua fortuna", reflete o ator.

Claudia di Moura interpreta a pajé Ga em "Luz"
Claudia di Moura interpreta a pajé Ga em "Luz" Imagem: Divulgação

Claudia Di Moura, que interpreta a pajé Ga, vem de outra comunidade indígena. Na chamada de vídeo com Splash, ela chora ao falar de suas origens: "Venho da Aldeia Juerana, a única aldeia no sul da Bahia que tem uma cacica. Eu não posso falar da minha cacica sem me emocionar [a voz de Claudia fica embargada]. No começo das gravações, quando entrei na floresta pela primeira vez, eu precisava me reconectar ali naquele lugar, e eu entrei pensando nela e agradecendo a ela. Porque, naquele momento, ela estava me passando o bastão".

Entendi a potência e a importância de ser uma guardiã. E, nesse dia, eu vi uma chuva de vaga-lumes. Naquele momento, eu entendi que os encantados estavam com a gente [Claudia chora]. Desculpa. Claudia Di Moura

Quando Luz chega no internato, o público é apresentado ao elenco mirim da série. As crianças roubam a cena com um carisma digno de "Carrossel". Os atores adultos não poupam elogios aos colegas mais novos: "Não existe desnível de atuação de criança para adulto nessa série. Muito pelo contrário. Às vezes, as crianças estão melhores que os adultos. Muitas vezes!", conta Daniel Rocha, que interpreta o professor Marcos na série.

Continua após a publicidade
Elenco mirim rouba a cena na série "Luz", da Netflix
Elenco mirim rouba a cena na série "Luz", da Netflix Imagem: Divulgação

Daniel conviveu tanto com as crianças que acabou misturando ficção e realidade. "Eles não sabiam a diferença entre mim e o Marcos. Eu quis ser muito parecido, para a gente conseguir ter uma conexão realista. Então, o Joca [interpretado por Francisco Galvão] chegava mais cedo da escola dele e perguntava: Dani, vamos fazer lição de casa comigo? Aí eu ia lá, fazia Kumon com ele, lição de matemática", relembra o ator, que faz par romântico com Gabriela Moreyra na série.

O romance tem inspirações em filmes e personagens clássicos. Os atores explicam que essa foi uma orientação do diretor artístico, Thiago Teitelroit: o professor Marcos tinha como referências uma mistura de Indiana Jones e Harry Potter. Já a dona de livraria Dora, interpretada por Gabriela, tem a energia de Julia Roberts. O relacionamento dos dois é inspirado em outro romance que começa numa livraria: "Um Lugar Chamado Notting Hill" (1999), com Julia Roberts e Hugh Grant.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes