PUBLICIDADE
Topo

Lázaro Ramos e Taís Araújo avaliam governo Bolsonaro: '4 anos infernais'

Daniel Palomares

De Splash, em São Paulo

07/04/2022 04h00

Lázaro Ramos tem motivos a comemorar e também a lamentar. Seu longa de estreia na direção, "Medida Provisória", chega aos cinemas nacionais na próxima semana, trazendo a história de um Brasil distópico sob um governo autoritário no qual os negros são expulsos do país e enviados para viver na África. O que é só ficção, porém, se aproxima da dura realidade quando casos reais de racismo ganham as notícias diariamente.

"O filme vem de uma peça de 2011 e o roteiro ficou pronto em 2015. A gente pensava 'vamos criar uma distopia do futuro que a gente não quer que aconteça para alertar a sociedade'. Infelizmente, várias coisas aconteceram. É culpa da realidade", pontua Lázaro, em papo com Splash. Vale lembrar que o filme enfrentou grande resistência do governo e da Ancine para ser liberado em grande circuito nacional.

Governo Bolsonaro

No longa, Taís Araújo dá vida a Capitu, médica que se vê separada à força do marido Antonio (Alfred Enoch), quando a medida provisória é aplicada no país. Em um ano decisivo de eleições e com tantas pautas em jogo, como Taís percebe a possibilidade de um novo futuro pós-governo Bolsonaro?

"A mudança está nas nossas mãos. Não foram quatro anos difíceis. Foram infernais, foram um pesadelo. Desespero, aumento da miséria. A gente andou para trás a galope. Não dá para continuar. O poder está nas mãos do povo", acredita.

htrhttr - Divulgação - Divulgação
Taís Araújo e Alfred Enoch em cena de 'Medida Provisória'
Imagem: Divulgação

Lázaro concorda que as eleições deste ano são a oportunidade de mudar a história do Brasil, ou pelo menos dar um pontapé inicial. "Espero que a gente tenha consciência e faça uma escolha diferente. Na última eleição, tinham 11 ou 13 candidatos e o Brasil escolheu isso. O Brasil experimentou um gosto muito amargo, um gosto perverso", lamenta sobre os anos de governo Bolsonaro.

"Estou ansioso para conseguir ter esperança. Não sei se tenho. Estou fazendo, contribuindo, levando discussões. Não sei se dá para ficar só na esperança, precisamos agir. Falam que o Brasil é o país do futuro. Chega. O Brasil tem que ser o país do agora. A gente precisa fazer uma escolha diferente senão só piorará", pede Lázaro.

É cansativo, mas é importante. Eu como mulher negra, mãe de duas crianças negras, não posso deixar que o cansaço me abata e que o medo me paralise. Essa é minha pauta. Vai me cansar, mas eu vou continuar.

reforça Taís sobre seu papel político como artista

Por trás das câmeras

Depois de "Medida Provisória", rodado em 2019, Lázaro já dirigiu outro filme para o Prime Video e vive intensamente sua nova fase da carreira, oficialmente fora da Globo. "No começo, foi apavorante", admite. "Eu não queria dirigir, Taís [Araújo] que me convenceu. Depois, virou algo de muito prazer. Entendi que tinha como contribuir. Estou caminhando para uma carreira dupla", festeja.

"Não estou aqui só para ser mais um. Quero fazer a diferença. Espero que as pessoas que assistam a esse filme se sensibilizem, entendam que não é uma luta só de uma parte da sociedade. Todo mundo pode fazer sua parte", conclui.