PUBLICIDADE
Topo

É, amigos, a HBO Max nos iludiu

HBO Max finalmente chegou ao Brasil, mas naquelas
HBO Max finalmente chegou ao Brasil, mas naquelas
Getty Images

Liv Brandão

De Splash, em São Paulo

18/07/2021 04h00

Não dá para negar, as produções originais da HBO, canal que se consagrou na hoje combalida TV a cabo, sempre fizeram valer o marrento slogan:

Não é TV, é HBO.

Séries como "Os Sopranos" e "The Wire" derrubaram o mito da TV como arte menor que o cinema. Filmes premiados como "You Don't Know Jack" (2010), brilhantemente estrelado por Al Pacino, acabaram com o ranço pelos telefilmes. Isso sem falar nos documentários, que já abocanharam mais de 20 Oscars.

Continua depois da publicidade

A HBO foi uma das responsáveis por elevar o patamar da TV e nos transformar nesses loucos por séries, que acompanham tramas com paixão, fogem de spoilers e sofrem por novas temporadas. Ano após ano, suas obras se destacam nas maiores premiações da TV, como o Emmy, e também em nossos corações.

Mas, se o conteúdo salta aos olhos, a forma, ou melhor, a embalagem vem manchando tão gloriosa trajetória.

Quem acompanhou o estouro de "Game of Thrones" não esquece o trauma sofrido nas mãos da HBO Go para conseguir assistir aos episódios da série, último fenômeno da TV.

As noites de domingo tentando conectar o aplicativo faziam os 12 trabalhos de Hércules parecerem uma molezinha.

Guardadas as devidas proporções, claro, estamos falando de espectadores sentados em seus sofás, não de um deus greg... enfim, digressiono.

Com o anúncio da chegada da HBO Max ao Brasil, muita gente pensou que a HBO Go e seu sistema "chocho, capenga, manco, anêmico, frágil e inconsistente" já estavam indo tarde. Não fosse a pandemia, não duvido que se realizasse um grande funeral para enterrar de vez aquele que só nos atrapalhou.

Continua depois da publicidade

Mas... parece que comemoramos cedo demais.

A HBO Max vem se apresentando como uma plataforma quase tão ruim quanto a falecida HBO Go. "Quase", porque realmente não havia como atingir o mesmo nível de ruindade. Mas as falhas técnicas passaram de uma para outra como que por DNA.

Depois de pouco mais de duas semanas de testes, a experiência com o serviço —que, ainda por cima, chegou ao Brasil atrasado, com aplicativos faltantes nas lojas dos sistemas operacionais de celulares e TVs—, não tem sido um passeio no parque.

Legendas dessincronizadas e descentralizadas na tela (o horror! o horror!), erros de carregamento, pause/play que demoram a funcionar e navegação lentíssima têm sido corriqueiros. Isso sem falar nos buracos do catálogo, que chegou com muito menos que se esperava.

Continua depois da publicidade

Alguns usuários chegaram a relatar queda do sistema —eu mesma, tentando dar seguimento à minha (segunda) maratona de "Os Sopranos", fiquei longos cinco minutos minutos sem conseguir mexer no app.

Queria ver Tony Soprano, recebi três pontinhos roxos pulando na tela.

Há quem diga que a expectativa é a mãe da decepção, é verdade, mas quem jogou essa expectativa toda em nossos colos foi a própria HBO, com suas produções de alto nível, um bote salva-vidas em meio à quarentena sem fim.

O mesmo vale para a decepção: até aqui, a HBO Max não tem passado de um grande e amargo déjà vu da HBO Go.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL