PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Nego do Borel já 'gastou' pedido de desculpas. E carreira está por um fio

Nego do Borel: cancelado ou tem salvação? - Montagem: Pedro Antunes
Nego do Borel: cancelado ou tem salvação? Imagem: Montagem: Pedro Antunes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

06/10/2021 06h54

Deu até no Fantástico, da TV Globo. O então queridinho da emissora, presença constante entre famosos do Rio de Janeiro, parceiro de músicas com Anitta e Safadão ("Você Partiu Meu Coração") e Luan Santana ("Contatinho"), Nego do Borel foi acusado de abuso pela então namorada Duda Reis, no início de 2021.

Seguindo à risca a cartilha do "gerenciamento de crise", logo tratou de pedir desculpas: fez uma música para se mostrar arrependido. Ou seja, elaborou um pedido de desculpas que poderia vir acompanhado de uma grana, caso fosse um hit.

Não foi.

"Recomeçar" é só mais uma música ruim entre tantas outras músicas ruins que cruzam nosso caminho - e tem uma melodia perigosamente similar a "Ta Rocheda", de Os Barões da Pisadinha, não sei se vocês notaram.

A faixa tinha uma função óbvia de limpar a barra de Borel. E não foi um sucesso também nas plataformas de música digital. No Spotify são 590 mil plays atualmente, muito abaixo dos 106 milhões de "Você Partiu Meu Coração", maior hit do artista, ou outras menos inspiradas, mas também bem-sucedidas, como "Não Me Deixe Sozinho", com 35 milhões de plays.

Mas a cartilha foi seguida: clipe com imagens sérias, uma estética em preto e branco. Era só se manter na linha, não arrumar confusão, etc, etc etc.

E o cantor foi para A Fazenda 13. Que desastre.

Selecionei três ótimos textos de colunistas aqui da casa que tratam bem do anúncio, estadia e expulsão do reality.

A Aline Ramos afirmou que "Borel se complicou ainda mais" na passagem pela Record. Luciana Bugni, por sua vez, debateu a estranha posição de "rehab de homem acusado" de "A Fazenda 13" e questionou o motivo das pessoas se unirem para defendê-lo.

Ao ser expulso de "A Fazenda 13", ele foi visto em um bar, depois desapareceu. A mãe, preocupada, acionou a polícia e ele foi encontrado em um motel. Um caos explicado aqui. E, cá entre nós, não se preocupa a mãe desse jeito, né?

O fato é que o tribunal da web é implacável e não esquece fácil.

É claro que o pedido de desculpas em forma de música veio antes da hora. Não houve tempo suficiente para pensar, refletir e entender onde estava o erro.

O imediatismo de hoje impede o mais importante nesta história: o olhar para dentro e a percepção de onde está a raiz do problema. Distanciamento e acompanhamento profissional eram mais importantes ali, no início de 2021, do que uma música com uma mensagem que não convenceu ninguém - nem ao próprio cantor.

O resultado foi um desastre absoluto.

Não por acaso o Borel se mete em uma confusão atrás da outra. Ser capaz de ser expulso do reality que já serviu como redenção para homens com históricos terríveis é sintomático.

E a carta da música de arrependimento Borel não pode mais usar.

O mercado da música não é conhecido por fazer caridade. Se fulano foi cancelado, tá fora. Veja o que aconteceu com Sérgio Reis, que invocou uma paralisação de caminhoneiros e acabou tendo um projeto de álbum cancelado.

No showbiz brasileiro, ninguém dá a mão para quem está afundando. E talvez o peso carregado por Nego do Borel seja demais. Quem se arriscaria?

Desde 2015 sem um disco - embora tenha lançado vários singles de sucesso -, a carreira musical de Nego do Borel está por um fio. Se é que ainda tem salvação.

Você pode reclamar comigo aqui, no Instagram (@poantunes), no Twitter (também @poantunes) ou no TikTok (@poantunes, evidentemente).