PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Brasil tem uma vacina contra a sofrência de Adele. É o funk de MC Danny

MC Danny não quer saber de sofrer por amor. E está errada?  - Montagem: Pedro Antunes
MC Danny não quer saber de sofrer por amor. E está errada? Imagem: Montagem: Pedro Antunes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

18/11/2021 06h43

Vó Emília recomendava remédios caseiros para tudo. De dor de barriga às dores do coração. Chás, ervas, crendices, manias. Quem duvidaria da senhorinha de longos cabelos brancos, mãos firmes, olhar gentil e receitas na ponta da língua?

Na madrugada de quinta para sexta, ou seja, a partir da meia-noite de hoje, o mundo da música entrará num fenômeno que chamo de "transe coletivo de sofrência" que ocorre raramente. E isso se deve à chegada de mais um álbum da Adele, a gigantesca cantora inglesa cujo disco "30", encerrará um silêncio discográfico de 6 anos desde "25", de 2016.

Este colunista já ouviu o álbum (adorou, aliás) e garante que, sim, podemos entrar numa onda de tristeza deveras preocupante.

Como estão os estoques de garrafas de vinho em um preço aceitável e as caixas lenços para as lágrimas dos mercadinhos da sua região? Se fosse você, eu já preparava um estoque em casa.

Adele, que já era boa em cantar a sua "sofrência chique" no passado, criou este disco a partir do fim do casamento com o pai do seu filho. Pense numa pedrada no coração.

Mas, tal qual vó Emília me ensinou a colocar um papel com o nome de quem se ama debaixo do travesseiro para ter bons sonhos, tenho aqui o remédio caseiro para conter a onda melancólica da inglesa.

Estou falando do fenômeno do funk paulista MC Danny.

Ela é esta aqui, famosa pela deliciosa música "Xerecard", parceria com Jeff Costa.

"Lá no camarote eu tô bebendo à vontade / Traz a maquininha que eu hoje eu passo o Xerecard"

Nascida em Jardim Sinhá, na zona leste de São Paulo, Danny tem 9 anos de carreira (mas, profissionalmente, canta desde 2015).

Fenômeno do TikTok, Danny está no topo das duas paradas do YouTube no Brasil.

Com Zé Felipe, ela está em "Toma Toma Vapo Vapo", a música no topo da categoria "em alta" - que conta com tem uma vertiginosa introdução feita com sintetizadores.

Parte do EP "Joseph", lançado na semana passada por Zé Felipe, "Toma Toma Vapo Vapo" apresenta uma solução simples para a dor de amor cantada por Adele - é o tal "vapo vapo", se é que vocês me entendem.

Já no ranking de músicas mais ouvidas no YouTube, a líder é "Ameaça", um lovefunk acompanhado por uma sanfona poderosa, que une a sofrência de Paulo Pires, o carisma de Marcynho Sensação e, é claro, a nossa heroína anti-sofrência heroína MC Danny.

Com vocais que têm um quê de raiva e deboche, Danny brilha na canção:

"Prostituto, vagabundo, não vale nada
Te ligando e só chamada recusada
Você na rua e eu em casa, naquela tara
Usando nada, não é ameaça, hoje a gente larga"

Além das duas músicas que estão no topo do YouTube, sugiro também a audição de "Sem Sentimento".

Como o nome da música acima indica, Danny ali prega uma relação puramente carnal.

Fenômeno gigante que é, Adele lotará o noticiário e as rádios quando lançar seu dito disco amanhã. Espalhará melancolia como uma névoa fria e gélida no inconsciente coletivo. Mas não é todo mundo que quer sofrer por amor amanhã. E eu entendo.

Se você, pela razão que for, quiser fugir desse chororô todo, Mc Danny é a vacina 100% nacional com efetividade garantida. É anti-sofrência na essência.

Cantarolável e sacana, o que é sempre bom. É pop e funk, gênero brasileiríssimo.

Em vez de sofrer por amor, MC Danny se diverte. E você pode fazer o mesmo, se quiser.

Você pode reclamar comigo aqui, no Instagram (@poantunes), no Twitter (também @poantunes) ou no TikTok (@poantunes, evidentemente).