PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

O The XX não acabou, mas Romy agora quer que você dance e sorria

Romy, voz do The xx, lança a carreira solo com 'Lifetime'
Romy, voz do The xx, lança a carreira solo com 'Lifetime'
Vic Lentaigne / Divulgação
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

24/11/2020 04h00

Eu sinto que estou em uma aventura nova. Não houve um plano complexo e completo, sabe? Eu amo o The xx, e essa banda é o meu foco principal, afinal, estamos juntos desde que eu tinha 16 anos, mas quis novos desafios"
Romy, vocalista e integrante do trio The xx

Romy Madley Croft, caso você não reconheça pelo nome, é uma das vozes do trio inglês The xx, banda formada ainda por Oliver Sim e Jamie xx. Quando surgiram, eles eram cool, minimalistas e levemente melancólicos. Era difícil encontrar um jovem descolado que não conhecesse o xx.

Continua depois da publicidade

Sensação do final da década passada, quando estrearam com o álbum de nome "xx" em 2009, eles ganharam o disco platina no Reino Unido logo de cara, além do prestigiado Mercury Prize. Nada mal para um grupo que ainda aprendia a tocar os instrumentos e conhecer as próprias vozes e capacidades.

Vamos ouvir "Crystallized", música-símbolo desse álbum de estreia deles.

Nessa época, o trio tomou a música pop de assalto. Rihanna, por exemplo, sampleou um trecho da música "Intro" em "Drunk On Love", em 2011, e Drake chamou Jamie xx para adaptar, digamos assim, a música "I'll Take Care of You", de Gill Scott-Heron em "Take Care".

Enfim, era virada de década e o The xx estava com tudo.

Passada pouco mais de uma década de existência, a discografia deles é diminuta, embora poderosa:

  • xx (2009)
  • Coexist (2012)
  • I See You (2017)

Eles não têm muita pressa, como vocês podem perceber, em frequentar os estúdios com muita frequência. Por isso, a história de que Romy preparava uma carreira solo deixou muito fã assustado.

O The xx chegou ao fim?

Continua depois da publicidade

Bom, fui atrás da vocalista do The xx para falar sobre isso tudo: de carreira solo e futuro do trio formado ao lado de Jamie e Oliver. E se puder dizer algo, seria:

Calma, pessoal!

Segundo a própria Romy, a banda segue firme e forte, apesar desse novo projeto dela. E, mais, vem música nova do The xx em breve.

É realmente fofo que as pessoas tenham essa preocupação com o futuro do The xx, mas elas podem ficar tranquilas. Oliver e Jamie são realmente meus irmãos. Sempre vamos fazer músicas juntos."

Era uma tarde de quinta-feira, perto das 17h em Londres (umas 13h aqui em São Paulo), e Romy fazia uma bateria de entrevistas para falar de "Lifetime", o primeiro single solo dela, da casa onde mora, já enfrentando o segundo lockdown.

Continua depois da publicidade

Uma curiosidade:

Na Inglaterra, era perto da hora do chá, geralmente tomado às 17h, mas Romy prefere café. Inclusive, tomou incontáveis litros da bebida durante a produção das canções dessa fase solo.

Depois desse papo trivial para aquecer (sobre chás, cafés e por aí vai), Romy falou logo sobre o futuro do The xx e sobre a especulação no Twitter de que o trio deixaria de existir. Isto posto, seguimos o papo sobre "Lifetime" .

Romy, voz do The xx, lança a carreira solo com 'Lifetime' - Vic Lentaigne / Divulgação - Vic Lentaigne / Divulgação
Romy, voz do The xx, lança a carreira solo com 'Lifetime'
Imagem: Vic Lentaigne / Divulgação

A carreira solo de Romy está intrinsecamente ligada ao The xx, mesmo que para se distanciar da estética da banda, com mais espaços vazios e ecos. Se você deu play nas músicas que coloquei aqui neste texto, certamente sacou as diferenças entre eles.

Continua depois da publicidade

Mas tudo que envolve a versão solo de Romy em "Lifetime" é diferente daquela versão dela do The xx. E isso começou quando chegou ao fim a última turnê do trio, em julho de 2018. Como ela, mesma, conta:

Comecei a me aproximar do pop, a fazer canções para outros artistas [com nomes do pop, a partir de uma colaboração com a incrível Dua Lipa, em 2017]. Achei que algumas dessas músicas eram para os outros, mas percebi que eram temas muito pessoais. Entendi que não eram músicas para os outros."

Enquanto conhecia o pop, Romy também descobria que tipo de artista ela era sem a presença de Jamie e Oliver.

"Pude sentir o meu som. E isso levou um bom tempo para que eu pudesse entender. Fiquei interessada pelo pop, com as possibilidades que esse estilo apresenta."

É um rompimento com a melancolia do The xx?

Em partes sim, mas não completamente. Na carreira solo, por exemplo, Romy deixa o estilo sóbrio das artes e fotos, tão usados com a banda, e parte uma linguagem mais colorida e em cores neon. Tudo é proposital.

Faz todo sentido comparar as identidades gráficas do The xx com a minha carreira solo. Eu amo o que construímos com a banda, mas quando comecei a pensar nas minhas coisas, queria uma imagem mais feliz, ter cores neons, como as artes daquelas raves dos anos 1990."

Continua depois da publicidade
Capa de 'Lifetime', single de Romy, voz do The xx - Divulgação - Divulgação
Capa de 'Lifetime', single de Romy, voz do The xx
Imagem: Divulgação

E Romy segue:

"Queria que tivessem essas coisas coloridas. É tudo mais lúdico em 'Lifetime', o que se conecta com a música, que é tão positiva e tem uma vibe mais acelerada e para cima."

Isso não quer dizer que o The xx vá acabar, afinal, Jamie xx já tem dois discos solo lançados ("We're New Here", de 2011, e "In Colour", de 2015).

Quando ele [Jamie] voltava, ele trazia tantas experiências novas e ideias interessantes. Eu vejo essas aventuras como algo positivo para o The xx."

"Lifetime" é o primeiro single dessa nova fase, diz Romy, e tem muito ainda por vir. Essa é uma música criada ainda no primeiro lockdown do Reino Unido criado para conter o avanço do novo coronavírus, no primeiro semestre de 2020.

Continua depois da publicidade

Em vez de encerrar a melancolia do The xx, Romy experimenta sons mais cheios, mais dançantes e eletrônicos, a partir das experiências que teve como DJ, algo que ela começou a fazer ainda aos 17 anos.

Ou seja, agora, além de acompanhar você naqueles momentos em que quiser ficar no quarto escuro, ouvindo um som baixinho, ela também quer ser a trilha sonora para sorrir e dançar.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.