PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Vanusa foi plagiada pelo Black Sabbath em 'Sabbath Bloody Sabbath' de 1973?

Vanusa - Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Vanusa Imagem: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

08/11/2020 16h21

Sem tempo?

  • Vanusa lançou o quarto álbum em 1973
  • Nesse disco, ela cantou uma única música em inglês, 'What To Do'
  • Meses depois, o Black Sabbath lançou o quinto álbum da carreira, 'Sabbath Bloody Sabbath'
  • Curiosamente, o riff de guitarra da música do Sabbath é muito parecido com aquele usado em "What To Do"
  • Teria Tonny Iommi, guitarrista da banda inglesa, plagiado a música da Vanusa?
  • Venha entender essa história

Uma das melhores lendas da histórica Vanusa, morta na manhã deste domingo (8), aos 73 anos, inclui o bloqueio criativo de Tony Iommi, um dos melhores álbuns do Black Sabbath, e um estupendo disco de Vanusa, o quarto dela.

Tudo isso ocorreu em 1973.

Foi nesse ano em que Vanusa lançou o possivelmente melhor trabalho de uma carreira poderosa. Em "Vanusa" - o álbum que também era conhecido por "Álbum 4", já que os primeiros cinco discos dela levavam apenas o nome da artista como título -, ela canta uma das melhores canções da música brasileira, "Manhãs de setembro".

Se não conhece, ouça-a abaixo, e não vai se arrepender.

Mas e a história do Black Sabbath?

Acontece que na mesma época em que Vanusa surfava por um período de efervescência criativa com o fim dos anos 60 e início da década de 1970, no hemisfério norte, o Black Sabbath sofria com bloqueios criativos, uso excessivo de cocaína, álcool e a pressão de prazos para a entrega do quinto álbum da carreira sobre os ombros.

Eu entrei em pânico porque não tinha uma única ideia sobre o que escrever. Podem ter sido as drogas, pode ter sido a pressão. De qualquer forma, eu sentia que a culpa era minha"
Disse o guitarrista Tony Iommi sobre o álbum de 1973.

Aí que chegamos ao curioso caso do plágio, inspiração ou "coincidência" entre o Sabbath e Vanusa.

Ouça essa música do álbum de 1973 da Vanusa, lançado quatro ou cinco meses antes do quinto disco do Black Sabbath. Essa, aliás, é a única música cantada por ela em inglês no repertório do álbum.

Sentiram esse riff de guitarra logo no início da música? O efeito de fuzz no som distorcido, grave e perigoso, certo?

Agora, vamos a "Sabbath Bloody Sabbath"? Preparem-se:

Pausa para vocês colocarem os queixos de volta no lugar

Prontos? Posso seguir?

Essa é uma daquelas histórias com mais lendas e "teriam dito" do que com fontes confiáveis de informação, sinto em dizer.

"Vanusa", o álbum, por exemplo, dispõe de poucas informações acessíveis sobre a gravação. "What To Do" é uma composição de Papi e Alf Soares e o disco foi lançado pela gravadora Continental.

Já muito se debateu e conjecturou, por sua vez, a respeito do bloqueio criativo de Tony Iommi e toda a gravação do quinto disco do Sabbath. Ele mesmo já falou sobre o período algumas vezes, com as gravações frustradas em Los Angeles e a volta à Inglaterra para compor. Nunca citou "Vanusa", o disco, no entendo.

Com o pânico de não conseguir mais escrever, Iommi teria pedido para que a equipe de produtores encontrasse músicas que servissem de inspiração vindas de "outras culturas". Nessa pilha de referências entregues ao guitarrista do Sabbath, dizem as teorias, estaria o quarto álbum da Vanusa.

Blacksabbath Tonyiommi GIF from Blacksabbath GIFs

É possível?

Não há confirmação por parte da banda inglesa, contudo, de que Iommi teria colocado as mãos em uma cópia de "Vanusa" (1973).

Cronologicamente, há uma diferença de quatro ou cinco meses entre as datas de lançamentos dos discos. Ou seja, havia tempo hábil para a "inspiração" ou "plágio". É possível, mas pouquíssimo provável.

Isso por causa dessa frase do baixista Geezer Butler, dita em 2001, sobre aquele álbum, que vou colocar abaixo:

"Quase pensamos que estávamos acabados como banda, até que Tony apareceu com o riff de 'Sabbath Bloody Sabbath'".

Ou seja, somente depois que Iommi "criou" o riff de "Sabbath Bloody Sabbath" (esse que é parecidíssimo com "What To Do", de Vanusa) que o disco deslanchou.

É preciso considerar, então, o tempo necessário para que o álbum "Vanussa" chegasse às mãos do guitarrista, inspirasse o riff da música de abertura do disco do Sabbath e resto das canções fosse gravado, masterizado, mixado e lançado.

Improvável pelo tempo gasto em cada parte do processo, é claro, mas isso é uma resposta do campo racional nessa discussão. O problema é quando você ouve ambas as músicas e a melodia de guitarra é nitidamente semelhante.

O que Vanusa achava da história?

Vanusa, mesma, já foi questionada sobre o caso de plágio ou inspiração, em 2016

Finíssima, ela disse que era só uma daquelas "coincidências musicais".

Duvidou que Iommi tivesse copiado a música para o Sabbat., Também disse que era pouco provável que os músicos que gravaram no disco dela teriam se inspirado em uma música que nem sequer havia sido lançada oficialmente pela banda inglesa.

E, mais classuda ainda, disse que incluiria "What To Do" no repertório dos shows que faria a seguir.