PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Grosseiro, Bial diz que só entrevistaria Lula com detector de mentiras

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

15/04/2021 01h10

No comando de um programa de entrevistas na Globo, Pedro Bial é um entrevistador inteligente, curioso, frequentemente gentil e eventualmente deslumbrado.

São características que combinam com o perfil do "Conversa com Bial", cujo elenco de convidados inclui artistas, estudiosos das mais diversas áreas e autoridades. Além de figuras da própria Globo, convocadas para conversas de promoção de atrações da casa.

Há cinco anos no ar, o "Conversa com Bial" chama a atenção por contar na retaguarda com uma dezena de excelentes profissionais, formada por jornalistas de diferentes áreas, que sugerem temas, personagens e perguntas ao apresentador.

No seu momento de maior destaque até hoje, em dezembro de 2018, o programa exibiu entrevistas com mulheres que fizeram as primeiras denúncias públicas sobre abusos sexuais cometidos pelo médium João de Deus.

Na linha de frente desta atração, Bial parece bastante à vontade e satisfeito, apesar do horário tardio em que o programa é exibido.

Por tudo isso, me parece inaceitável a grosseria gratuita que o apresentador cometeu com o ex-presidente Lula nesta quarta-feira (14), em entrevista ao "Manhattan Connection", na TV Cultura.

Bial disse que só entrevistaria Lula se pudesse contar com um detector de mentiras (polígrafo) durante a conversa.

O apresentador Lucas Mendes perguntou: "Tem algum convidado que não vai no seu programa?" Bial respondeu: "O Lula já até disse que gostaria de fazer o programa comigo, mas tinha que ser ao vivo. Pode até ser ao vivo, mas teria que ter um polígrafo acompanhando todas as falas dele".

Todo entrevistador está sujeito a ouvir mentiras do seu entrevistado. Para evitar esse problema, ou ao menos atenuá-lo, precisa se preparar bem para a conversa. E também deve ter a disposição para confrontar o entrevistado quando percebe que está ouvindo algo que não é verdade.

Bial não teria dificuldade nenhuma de entrevistar Lula ao vivo e confrontá-lo com eventuais mentiras. A grosseria expressa mais a falta de disposição de fazer a entrevista do que, realmente, temor que o ex-presidente diga alguma mentira. Afinal, se acontecesse, não seria a primeira vez que um entrevistado diria mentiras em seu programa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL