PUBLICIDADE
Topo

Marcelle Carvalho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Luis Gustavo: o nome que fica marcado como sinônimo de diversão na TV

Luis Gustavo morre aos 87 anos - (Foto: Reprodução/Raquel Cunha/Globo) - Reprodução / Internet
Luis Gustavo morre aos 87 anos - (Foto: Reprodução/Raquel Cunha/Globo) Imagem: Reprodução / Internet
Conteúdo exclusivo para assinantes
Marcelle Carvalho

Marcelle Carvalho é jornalista que cobre, há duas décadas, o universo da televisão. Suas maiores paixões são novelas e séries, que serão abordadas aqui a partir da visão de quem vê e de quem faz.

Colunista do UOL

19/09/2021 20h49

Luis Gustavo. Quando menina achava engraçado um artista aparecer apenas com o nome, sem trazer junto o sobrenome. Mas, aos poucos, percebi que isso não fazia a menor diferença, porque a simples menção a ele era sinônimo de diversão. Luis Gustavo era o Mário Fofoca, era Victor Valentim, era Vavá. Quantas gargalhadas ele me proporcionou em várias fases da minha vida e, acredito, fez o mesmo a muita gente. Não à toa deixa um vazio imenso com sua morte neste domingo, aos 87 anos.

Todos os personagens que citei foram vistos por mim. Menos Beto Rockfeller, protagonista da novela homônima, exibida em 1968, já que eu ainda nem sonhava em existir nesse mundão. Porém, quem lida com o universo das telenovelas, principalmente, é impossível não saber a importância dessa trama para a teledramaturgia brasileira: ela veio nos tirar dos melodramas da cubana Glória Magadan, cheios de capa e espada, inaugurando a era das histórias nacionais, mais próximas a nossa realidade. E Luis Gustavo estava lá, personificando esse cara pobretão, meio malandro, que fingia ser rico, porém, de coração bom.

Na parede da minha memória, o detetive atrapalhado em "Elas por Elas" (1982) é o início das lembranças com o ator. Um personagem com nome de Fofoca, vestindo terno quadriculado, só poderia suscitar muita risada, não é? Ainda mais com as trapalhadas para resolver os casos. Posso ouvir também as gargalhadas da minha mãe... O sucesso de Mário Fofoca foi tanto que, no ano seguinte, virou uma série. E encheu nossos corações de nostalgia ao voltar em um episódio de "Sai de Baixo" (1996) e em uma participação no remake de "Ti ti ti" (2010).

Luis Gustavo tinha mesmo o talento para viver o malandro boa praça. Não dá pra esquecer de Ariclenes Almeida ou melhor Victor Valentim, o (falso) costureiro espanhol, que seduzia as clientes com figurinos incríveis. Mas não só: com indefectível sotaque, muitas vezes sussurrado em seus ouvidos, conseguia arrancar beijos ardentes, que vinham acompanhados de um sonoro 'Olé!' - graças à perspicácia da sonoplastia.

Luis Gustavo. Apenas duas palavras. Mas em "Sai de Baixo" precisou só se chamar Vavá para cair mais uma vez nas graças do público. "Aqui, farroupilha!", dizia o tio de Magda (Marisa Orth), dando uma banana para quem achava que estava querendo tirar vantagem dele. Confesso que algumas vezes usei a expressão acompanhada do gesto. E ouvi muitos dos meus fazerem o mesmo, sempre pontuando: "como diz o Vavá de 'Sai de Baixo'..."

Luis Gustavo. Com o passar do tempo entendi porque ele não carregava um sobrenome. Não precisava. Na verdade, já estava implícito ali: era Luis Gustavo "Alegria".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL