PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

25 anos da morte de Renato Russo: por que é moda falar de Legião Urbana?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

11/10/2021 04h00

"Poesia de parachoque de caminhão". "Rodinhas intermináveis de violão". "É muito pouco acorde". "Pior que Legião Urbana é só fã de Legião Urbana". "A voz dele é muito chata". "Todas as músicas parecem iguais".

As frases são comuns quando surge o assunto Legião Urbana. Aparentemente, só há dois sentimentos possíveis em relação à banda: a idolatria ou o ranço. Não dá para ter um meio termo, não?

Nessa segunda (11), é o aniversário de 25 anos da morte do vocalista e compositor Renato Russo. Megafazedora de hits nos anos 80 e 90, Legião foi constante nos top 10 das radios por muitos anos. É comum que pessoas saibam de cor as longas letras até hoje.

A década de 80 é recheada de pérolas machistas como "Abre essas pernas", do Velhas Virgens. Quando Renato pede aos jovens que entendam também seus pais, não está de fato ofendendo ninguém. As canções não se traem e envelheceram bem. "Você não tem ideias pra acompanhar a moda, tratando as meninas como se fossem lixo", ele canta em A Dança. O fã de Legião já deveria saber que era demodê ser machista em 1984.

Há entrevistas do vocalista falando da importância das travestis, por exemplo, há mais de 30 anos. Desde sempre, ele frisou a importância de legislação que defendesse o gay - com voz calma, reclamava que não adiantava a mídia aceitar, ele queria ver criminalização de homofobia do código penal. Renato Russo escancarou sua orientação sexual, alcoolismo e depressão em uma época em que a fragilidade era varrida para baixo do tapete. Corajoso. No rastro de Cazuza, morreu em decorrência do HIV, a última epidemia do século passado. 36 anos. Tivesse adoecido alguns anos depois, com o avanço científico, não teria morrido.

Celebrando o horror de tudo isso com festa, velório e caixão

Perfeição foi lançada em 1994, quando nossa economia parou de respirar por aparelhos e deu sinais vitais de que poderia andar com as proprias pernas. 27 anos depois, é possível identificar nosso Brasil de 2021 em cada um dos versos, nas queimadas, celebrando epidemias, na festa da torcida campeã. E a dor individual ali diluída (não se ter a quem ouvir ou amar) também causa identificação.

Do que somos feitos, afinal, se não de dores particulares inseridas em grandes questões da sociedade? Questionar é transformar. Esses seguem sendo dias desleais, mas versos simples de acordar palatáveis parecem tornar as coisas uma pouco mais amenas desde sempre - ou o punk rock nem existiria.

Índios descreve o começo da pandemia: nos deram espelhos e vimos um um mundo doente. O futuro não é mais como era antigamente — nem será.

A nossa dor e a dor coletiva

Eu lamento que seja moda criticar Legião Urbana, pois estamos em um momento em que precisamos justamente disso: diagnosticar nossas próprias dores e buscar alívio para elas de modo a entender a dor macro de um país que voltou a agonizar.

Em uma época em que os famosos têm medo do cancelamento e de se posicionar frente a polarização do país, Renato seria necessário. Profeticamente, avisava em 1994, no Programa Livre, de Serginho Groismann no SBT, que o brasileiro tinha memória curta.

Se estivesse vivo com sua ira poética repetindo o mesmo discurso, talvez não deixasse os jovens de hoje enaltecerem um tempo que não viveram. Transcrevo o trecho:

"E eu acho sempre importante lembrar, eu pelo menos gosto sempre de me lembrar que hoje a situação pode estar difícil para caramba, mas temos uma coisa muito preciosa que é liberdade. Eu posso vir aqui cantar, vocês podem vir aqui fazer a pergunta que quiserem. Acho uma coisa muito, muito importante, por que a gente se esquece que até pouco tempo atrás, de repente dependendo das ideias que seu pai tivesse, seu irmão, seu namorado, iam bater na sua casa, pegar essa pessoa e você nunca mais ia saber o que tinha acontecido. É uma coisa muito perigosa dizer: "Não, a gente era feliz naquela época." Gente, eu não me lembro de ser feliz naquela época, não. Fazer redação dizendo que o presidente é maravilhoso, quando muito tempo depois, a gente descobre que pessoas estavam sendo mortas em nome de uma grande coisa que não se sabe o que é. Acho isso muito péssimo."

Renato já teve que explicar o verso "disciplina é liberdade", na música "Há Tempos". Questionado se não reforçava conceitos da ditadura, ao invocar a disciplina militar, responde de maneira educada. A disciplina a qual ele se refere, explica, é a constância e o afinco para fazer algo. Não procrastinar, por exemplo, pode libertar. Simples.

"Claro que não é! Ali eu estou falando de autodisciplina. Se você pensar numa relação sujeito-objeto, é fascista, mas numa relação sujeito-sujeito, não é. Não é: 'eu vou disciplinar você'. A natureza é disciplinada. Eu preciso de muita disciplina! Fica tão bonito escrito 'Disciplina é liberdade'. Se você tiver um conceito legal de liberdade, imediatamente surge uma ideia positiva", explica. "Mas eu acho bacana que as pessoas se preocupem", completa com gentileza.

Que seja moda criticar suas músicas (até entendo) e seus versos (poxa, são bonitinhos). Mas é um cara barbudo falando que é preciso amar as pessoas. Como aquele de Liverpool e aquele outro de 2 mil anos atrás em Jerusalém, não dá para negar a importância de quem prega afeto e é seguido por tanta gente. O amor tem sempre a porta aberta. É primavera. Dá para recomeçar o futuro outra vez.

Você pode discordar de mim no Instagram.

PS: Estou dizendo tudo isso, mas eu sei que, no fundo, a culpa é no Renato Russo. Preciso responsabilizar alguém por toda a dor desses anos todos - parece que foi ele que nos ensinou a sofrer. Imagina só passar a vida toda ouvindo música e identificando angústias idênticas às minhas? Credo. Que delícia. Renato Russo, que saudade eu tenho de você, meu caro.

PS2: A versão de Cherish de Renato Russo em Stonewall Celebration Concert é melhor que a original da Madonna. Beijos.