Lucas Pasin

Lucas Pasin

Siga nas redes
Opinião

Farofa flopou e Casa da Barra viralizou; quem tem mais a ganhar com isso?

Uma "rinha" potente surgiu nas redes sociais nos últimos dias após dois eventos lotados de subcelebridades e influenciadores se tornarem assunto: a Casa da Barra, criação de Carlinhos Maia, e a Farofa da Gkay. Qual delas bombou mais?

Comparando as edições deste ano, é fácil dizer que a Casa da Barra é hoje o que a Farofa da Gkay já foi um dia, e com isso rendeu muito mais mídia do que a festa da influenciadora.

Carlinhos Maia, alcançando 1 milhão de pessoas em suas lives do evento, viraliza com brigas, expulsões e traições, e apresenta novos influenciadores para o Brasil amar ou odiar.

A Farofa, pelo menos deste ano, entregou no máximo algumas pequenas tretas, e beijos na boca. O mais significativo foi a presença de Marlon Wayans, de "As Branquelas", que caiu na festa de paraquedas.

O fato da Farofa "ter flopado" está ligado diretamente ao cancelamento sofrido por Gkay após o evento do ano passado. Além da festa ter sido marcada por uma acusação de assédio de Tirulipa, a influenciadora entrou em uma onda de acusações nos bastidores que a fizeram precisar desconectar por um tempo. E mudar.

Gkay voltou com a Farofa neste ano reunindo menos pessoas famosas, mas conseguiu ter por perto mais pessoas em quem ela confia.

Se tornar menos assunto com escândalos parece ser seu novo objetivo, e foi concluído com sucesso.

Enquanto as regras da Casa da Barra são feitas por Carlinhos Maia na hora, no improviso, e ainda se faz necessário expulsar participantes, Gkay já aprendeu a deixar tudo muito bem avisado sobre o que é ou não permitido.

Continua após a publicidade

Neste ano, ela colocou plaquinhas contra o assédio em todo o hotel dos convidados, e fez discurso sobre regras da festa em vários momentos. Tudo muito bem programado. Tanto a Casa da Barra quanto a Farofa da Gkay precisam de mídia para terem vida longa.

O que Gkay vem tentando fazer, e tem sido chamada de "flopada", é fugir dos escândalos e, de alguma forma, controlar que só saiam matérias positivas sobre seu evento.

Ela quer, por exemplo, viralizar pelos looks usados na festa, feitos por estilistas renomados, ou pelos shows. Essa é a nova Gkay, e essa é a Farofa que ela quer que exista.

Se a influenciadora conseguir o objetivo, talvez volte a ver seu evento com convidados mais famosos, mas que desta vez são realmente seus amigos.

Enquanto isso, Carlinhos Maia, que parece gostar mesmo da "bagaceira", herda o posto de trazer um entretenimento mais arriscado, beirando o duvidoso. Algo que pode dar muito certo, ou muito errado, e ele não tem medo do risco.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes