PUBLICIDADE
Topo

Aéreas estão otimistas com recuperação, mas escassez de mão de obra pode atrapalhar

O chefe da Qatar Airways, Akbar Al Baker, considera o trabalho remoto um "mau hábito" adquirido com a pandemia - Getty Images
O chefe da Qatar Airways, Akbar Al Baker, considera o trabalho remoto um "mau hábito" adquirido com a pandemia Imagem: Getty Images

Tim Hepher e Alexander Cornwell

da Reuters, em Doha

21/06/2022 10h00

As companhias aéreas globais atingidas pela covid-19 estão confiantes em reduzir suas perdas, mas enfrentam desafios como escassez de mão de obra nos aeroportos, o que pode restringir o crescimento pós-crise, disseram executivos do setor.

Numa cúpula em Doha, o chefe da Qatar Airways, Akbar Al Baker, disse que a falta de mão de obra será um desafio nos próximos meses, embora haja muitos pedidos de emprego.

As pessoas adquiriram o mau hábito de trabalhar em casa. Elas sentem que não precisam ir para um setor que precisa de pessoas que realmente trabalhem." Acredita Al Baker.

O presidente da JetBlue, Robin Hayes, disse que o setor terá "um novo normal" nos próximos dois a três anos.

"O custo da má administração governamental foi substancial. Devastou economias, interrompeu cadeias de suprimentos e destruiu empregos", disse Willie Walsh, diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), na reunião anual do setor com mais de 100 chefes de companhias aéreas.

As aéreas também têm sido criticadas por governos e grupos de consumidores por interrupções, já que a demanda por viagens retomou mais rapidamente do que o esperado, enquanto o setor vê respostas governamentais descoordenadas à crise.

Walsh citou pesquisas mostrando que o fechamento de fronteiras mal impediu a propagação da pandemia, e praticamente interrompeu as viagens internacionais e paralisou as economias.

Governos pelo mundo emprestaram mais de US$ 200 bilhões (R$ 1,03 bilhão) em apoio às aéreas para conter falências durante a pandemia, segundo a consultoria britânica de aviação Ishka.

Para a United Airlines, desafio estará no preço do combustível, atualmente em alta - Chameleonseye/Getty Images - Chameleonseye/Getty Images
Para a United Airlines, desafio estará no preço do combustível, atualmente em alta
Imagem: Chameleonseye/Getty Images

As companhias podem lucrar no próximo ano à medida que as viagens aéreas se recuperam, disse a IATA. Walsh disse não estar preocupado com o ambiente atual de demanda e oferta.

Mas o presidente-executivo da Korean Air Lines alertou que o aumento das taxas de juros e a inflação podem afetar a demanda do consumidor e que o aumento da concorrência pode reduzir os preços das passagens. E o presidente-executivo da United Airlines, Scott Kirby, previu que os preços dos combustíveis devem seguir altos no longo prazo.

Walsh, que tem a reputação confrontar sindicatos e governos como ex-chefe da British Airways, reuniu presidentes-executivos com um ataque à prática de aumentar as taxas dos aeroportos para recuperar as receitas perdidas durante a crise. Os aeroportos disseram ser injustamente criticados pelas companhias aéreas e pediram que elas se concentrem em resolver seus próprios problemas.