PUBLICIDADE
Topo

EUA voltam a liberar entrada de cães no país em 18 portos de fronteira

Fique atento: os cães precisam apresentar o comprovante de vacinação contra a raiva para viajar - Getty Images
Fique atento: os cães precisam apresentar o comprovante de vacinação contra a raiva para viajar
Imagem: Getty Images

De Nossa

25/11/2021 09h11

Os EUA voltarão a receber cães vindos de 113 países considerados de alto risco para a raiva — como é o caso do Brasil — a partir de 1º de dezembro. A entrada dos pets estava suspensa pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) desde 14 de julho.

O órgão ainda informou que exigirá o certificado de vacinação do animal contra a raiva e que o cão esteja saudável na chegada.

Foram aprovados como pontos de entrada para os cães apenas os aeroportos em que o CDC possui uma estação de quarentena instalada. São eles os aeroportos de:

  • Anchorage, no Alasca (ANC);
  • Atlanta, na Geórgia (ATL);
  • Boston, em Massachusetts (BOS);
  • Chicago, em Illinois (ORD);
  • Dallas, no Texas (DFW);
  • Detroit, em Michigan (DTW);
  • Honolulu, no Havaí (HNL);
  • Houston, no Texas (IAH);
  • Los Angeles, na Califórnia (LAX);
  • Miami, na Flórida (MIA);
  • Minneapolis, em Minnesota (MSP);
  • Nova York, em Nova York (JFK);
  • Newark, em Nova Jersey (EWR);
  • Filadélfia, na Pensilvânia (PHL);
  • São Francisco, na Califórnia (SFO);
  • San Juan, em Porto Rico (SJU);
  • Seattle, no estado de Washington (SEA);
  • Washington, no Distrito de Columbia (IAD).

De acordo com o jornal The New York Times, o CDC tinha planos de reduzir os 18 portos para apenas 3 no primeiro semestre de 2022, no entanto, a medida por enquanto está suspensa.

"A raiva oriunda de cães está erradicada nos Estados Unidos desde 2007 e as importações de animais de outros países de alto risco para a raiva representam um risco significativo para a saúde pública", opinou a veterinária e oficial do CDC, Emily Pieracci, à publicação.

A agência do governo americano havia sido criticada por tutores de animais que moram e viajam ao país por causa das restrições à entrada de cães que estão em vigor. No entanto, a medida foi justificada como necessária após ter sido identificado o uso de documentos falsificados para permitir que os pets cruzassem a fronteira.

Em junho deste ano, um cão com raiva vindo do Azerbaijão entrou no país e gerou uma resposta de agências do governo americano em nove diferentes estados para conter um possível surto.

Além da liberação de cães vacinados através dos aeroportos selecionados, os EUA permitirão o retorno para casa de cães cujos tutores são cidadãos ou residentes e que já foram vacinados em solo americano, mas se encontravam em país de alto risco nos últimos seis meses.

Documentos de viagem para o seu cão

Em primeiro lugar, é importante checar com a sua companhia aérea quais documentos eles exigem para a viagem — a lista pode mudar de uma empresa para outra.

De maneira geral, as companhias solicitarão para o embarque Certificado Veterinário Internacional (CVI) válido por 60 dias corridos após a emissão (para a América do Sul) e/ou Certificado Zoossanitário Internacional (CZI) válido por 60 dias corridos após a emissão.

Para viagens nacionais e internacionais, é necessária ainda carteira de vacinação com comprovante de vacina antirrábica aplicada há mais de 30 dias e menos de 1 ano; e atestado de saúde emitido por médico-veterinário até 10 dias antes da viagem.

No caso de viagem internacional com o seu pet, fique atento às condições que o país de destino impõe para a entrada do animal, pois talvez seja preciso tomar cuidados adicionais com ele.