PUBLICIDADE
Topo

Azul passa a transportar animais de estimação em voos para o exterior

A companhia aérea anunciou as regras para permitir o embarque inédito de animais de estimação em seus aviões - Poland/Getty Images/iStockphoto
A companhia aérea anunciou as regras para permitir o embarque inédito de animais de estimação em seus aviões Imagem: Poland/Getty Images/iStockphoto

De Nossa

31/08/2021 15h42

A Azul começou a realizar o transporte de animais de estimação na cabine de seus voos para o exterior na classe econômica. A partir de setembro, o serviço estará disponível também para a classe executiva, anunciou a companhia aérea ontem (30).

Para ter o seu acesso à cabine permitido, o cão ou gato devem ter mais de 4 meses de idade, estar limpos e saudáveis e terem sido imunizados com a vacina antirrábica há pelo menos 30 dias, mas menos de um ano. Além disso, o peso total do animal já no container não poderá ultrapassar 7 kg e a estrutura de transporte deverá ter piso interno que absorva urina e fezes.

A mala de transporte arranjada pelo passageiro também pode ser rígida ou flexível, mas deve obedecer a outras exigências, como ser ampla o suficiente para que o pet dê uma volta em torno de si mesmo dentro da embalagem, oferecer dispositivo de segurança que impossibilite a abertura interna e ter, no máximo, 43 centímetros de comprimento, 31,5 centímetros de largura e 20 centímetros de altura.

O viajante que acompanha o cão ou gato deve ter mais de 16 anos para que seja autorizado o embarque, já que a Azul não transporta animais junto à carga no porão. O passageiro deve apresentar, além do comprovante da vacinação do animal, um atestado de saúde emitido pelo veterinário há menos de 10 dias do voo.

Para contratar o serviço, que tem custo de US$ 100 (R$ 516 em cotação de hoje) ou 100 euros (R$ 610) por trecho, dependendo do destino, é necessário ligar para a central da companhia aérea. A opção, no entanto, não está disponível para trechos com conexões com voos de outras empresas aéreas.

Apesar de já realizar os embarques de pets para Lisboa, a companhia ainda não os realiza para Orlando, já que o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) suspendeu temporariamente a entrada de cães vindos de países com alto risco para a raiva, como é o caso do Brasil, em território americano. É necessário se manter atento às exigências de cada país para receber os bichos antes da viagem.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do informado em versão anterior desta matéria, o motivo da suspensão temporária de entrada de cães nos EUA não está relacionado à pandemia de covid-19, mas sim ao status do Brasil como país de alto risco para a raiva. A informação já foi corrigida.