PUBLICIDADE
Topo

Sasha desfilando em "boteco" e saudosismo: o que marcou o 4º dia da SPFW

Da mesa de bar aos sentimentos confinados, juntos a nós durante a pandemia, a saudade invadiu as passarelas no quarto dia de desfiles da Sâo Paulo Fashion N52 - Ze Takahashi/Fotosite
Da mesa de bar aos sentimentos confinados, juntos a nós durante a pandemia, a saudade invadiu as passarelas no quarto dia de desfiles da Sâo Paulo Fashion N52
Imagem: Ze Takahashi/Fotosite

Gustavo Frank

De Nossa

20/11/2021 08h58

A presença de Sasha na São Paulo Fashion Week N52 foi anunciada há uma semana com grande entusiasmo. E abraçada pela mídia. Afinal, desde o momento que nasceu, literalmente, a filha de Xuxa atrai a atenção, pelo menos em parte, dos brasileiros. A modelo foi o destaque no desfile da Misci para o quarto dia da SPFW. A marca é comandada pelo designer Airon Martin.

O mato-grossense, fundador e diretor criativo da etiqueta, transformou a passarela em um clássico botequim. Cadeiras de plástico, as quais habitualmente tomamos cerveja nas ruas, foram empilhadas para criar divisórias no corredor em que os modelos desfilavam a coleção, intitulada "Fuxico Lanches". Até mesmo uma mesa de sinuca centralizada decorava o ambiente.

O visual do desfile, feito em parceria com Augusto Mariotti, tinha como inspirações bares e lanchonetes que representam (como ninguém) o Brasil. Por seus quatro cantos. Essa valorização nacional, presente na estreia presencial da Misci na SPFW, é um dos maiores pilares de Airon para compor as suas criações na moda — presentes no line-up do evento há dois anos, de forma totalmente digital.

As peças, por sua vez, eram em sua grande maioria trabalhadas por meio tons terrosos. Em termos técnicos, traziam jacquard com franjas em algodão orgânico e matelassê com a marca em alto-relevo — incluindo um matelassê em fuxico feito em trabalho manual e cinturas irregulares.

O sentimento de saudosismo, mesmo que não dos botecos, como de certa forma abordado pela Misci, também se desdobrou de outras formas. Como com o abraço, por exemplo.

A Irrita reforçou, por meio de suas roupas, como esse gesto nos fez tanta falta enquanto estivemos confinados dentro de nossas casas. E, sobretudo, isolados. Na coleção, o desenho do abraço de Rita Comparato virou estampa ao lado do trabalho do artista Rafael Silvares.

Irrita | SPFW N52 - Divulgação - Divulgação
Irrita | SPFW N52
Imagem: Divulgação

Em outra abordagem ainda nostálgica, Fernanda Yamamoto resgatou suas memórias familiares para abordar a presença do quimono em sua vida. De descendência oriental, a estilista usou como base três quimonos antigos para a coleção apresentada, resinificando-os com bordados e aplicações de seda.

Já a Santa Resistência mergulhou nas suas memórias afetivas e levou um desfile inspirado no Recôncavo Baiano e nas mulheres que movem o mundo da fé, do axé, do samba de roda e da resistência.

O passado e o futuro
Não tão distantes

Handred | SPFW N52 - Felipe Napolinário - Felipe Napolinário
Handred | SPFW N52
Imagem: Felipe Napolinário

E no final das contas, saudade também vira homenagem. A Handred, em parceria com a Oficina Brennand, levou à passarela o mítico universo construído pelo pintor, desenhista, escultor, ceramista e escritor Francisco Brennand, falecido em 2019, em uma coleção especial da "Handred Brennand".

Conhecida por trabalhar com matérias-primas como seda, linho e jacquard, a etiqueta transportou as infinitas possibilidades da obra de Brennand para a superfície têxtil.

A seda, um dos grandes destaques da coleção, aparecia em flores tridimensionais, que remetem às esculturas do artista, e dobrado em pregas, junto à textura rústica e irregular do shantung. Formas e volumes livres, nada perfeitos, como Brennand gostava de trabalhar.

Encerrando o dia, como contraponto, Lino Villaventura voltou seus olhos e criações para o futuro. Sem deixar o passado para trás.

Com a "Sci-fi Handmade", o estilista resgatou matérias-primas, como a palha de buriti, e trabalhos anteriores para contar uma nova história por meio do upcycling.

A narrativa criada por Lino, por meio de suas roupas, questionavam ainda o colapso ambiental em que vivemos. Alertava-se com a arte da alta-costura sobre a urgência para uma regeneração do nosso planeta. Antes que, como muitas das coisas citadas anteriormente, também vire saudade.

4º dia da SPFW N52

Veja os desfiles das demais marcas que desfilaram nesta sexta-feira (19).

Ponto Firme

Naya Violeta

Ão

LED

Gloria Coelho

Neriage

Martins

Igor Dadona