PUBLICIDADE
Topo

Retalhos de tecidos dão forma aos looks de Luísa Sonza e do pop brasileiro

Luísa Sonza vestindo o look "Malmö", da SSJHENI, para o lyric video da música "MULHER DO ANO xD" - Reprodução/YouTube
Luísa Sonza vestindo o look "Malmö", da SSJHENI, para o lyric video da música "MULHER DO ANO xD" Imagem: Reprodução/YouTube

Gustavo Frank

De Nossa

13/08/2021 04h00

Os retalhos nunca estiveram tão na moda. Luísa Sonza e Pabllo Vittar que o digam. Os figurinos, feitos por meio do patchwork de tecidos, são os protagonistas dos mais recentes trabalhos de ambas artistas, desde o "censurado" vídeo para a música "MULHER DO ANO xD" até a capa do álbum "Batidão Tropical".

Quem está por trás dessas criações, incluindo o vestido viral "Fatale", usado também por Sonza, é a artista Jheni, que comanda a marca SSJHENI (@ssjheni.lote) — o mais novo sucesso da moda na música pop brasileira.

Luisa Sonza | SSJHENI - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Luisa Sonza | Luisa Sonza | SSJHENI
Imagem: Reprodução/Instagram
Pabllo Vittar | SSJHENI - Reproduçaõ/Instagram/@ernnacost - Reproduçaõ/Instagram/@ernnacost
Pabllo Vittar | SSJHENI
Imagem: Reproduçaõ/Instagram/@ernnacost

Nascida em Cândido Mota, município no interior de São Paulo e que faz divisa com o Estado do Paraná, Jheni carrega a costura nas veias. Ou por melhor dizer, na genética. Sua avó, mãe e tias são costureiras na pequena cidade e sempre trabalharam com o desenvolvimento de peças de alta-costura, como vestidos de casamentos e festas de 15 anos.

"Nunca me senti apta a fazer esse tipo de costura, sabe?", diz ela em entrevista para Nossa, referindo-se aos vestidos de gala. "Elas achavam, na época, que eu não tinha esse talento [da costura]. Então, fui para o Teatro, Ciências Sociais, Dança. Só que sempre costurei como uma segunda opção. Como um hobby".

A artista Jheni - Reprodução/Instagram/@is_street_pics - Reprodução/Instagram/@is_street_pics
A artista Jheni
Imagem: Reprodução/Instagram/@is_street_pics

O "hobby" começou a se tornar parte da identidade de Jheni durante a pandemia. Enquanto viajava para a França e outros países europeus, como a Dinamarca e a Suécia, ela viu o valor da moda upcyling.

"Na Suécia, as lojas de luxo de lá são brechós. O chique é não consumir fast-fashion", comenta.

A viagem se transformou então em um laboratório de pesquisa. O nariz entupido se tornou um fardo constante para Jheni durante suas visitas aos brechós locais — e, quanto mais se aventurava, mais descobria o valor por trás da reutilização dos tecidos para criar roupas.

"Achei muito tecido e materiais interessantes. Porque o que eu mais gosto de fazer é procurar por texturas, acho que traz informações tão legais para as roupa", diz ela. "É como ir num museu, você chega e vê várias técnicas para chegar naquele efeito. Na roupa, eu vou por esse caminho.

Eu nem considero que faço moda, porque eu não sigo tendências e coleções por estação. Eu me comparo mais a uma artista plástica".

Os primeiros passos do sucesso

Quando voltou ao Brasil, incentivada a costurar pelo namorado e a família, Jheni criou sua primeira peça que a lançava ao resto do país: o vestido "Fatale" — citado no início da matéria e utilizado por Sonza e em editoriais de moda.

"Fiz na garagem de casa lá no interior. A gente não tinha nada de tecido, mas falei para minha mãe que daria um jeito", relembra. "Aí eu fiz e trouxe para São Paulo, onde eu moro atualmente".

Vestido "Fatale" - Reprodução/Harper's Baazar Brasil - Reprodução/Harper's Baazar Brasil
Vestido "Fatale"
Imagem: Reprodução/Harper's Baazar Brasil

Bastou um vídeo no Instagram para que os olhos de quem trabalha nessa indústria se encantassem pela peça. Os pedidos para empréstimos, para publicidades e artistas, começaram então a aparecer.

"Faço tudo aqui no meu apartamento no Centro de São Paulo. Tudo bem no estilo que minha família sempre fez, em casa e para poucas pessoas", diz ela. "Só que agora esta tomando outras dimensões, porque teve muita publicidade em cima.

É tudo eu mesma que faço. Agora minha mãe vai começar a me ajudar. Porque não to conseguindo resevar tempo só para isso".

Os planos de Jheni não envolvem criar uma marca que comercializa peças por preços afortunados. Aqui, vale reforçar que todas as peças já criadas pela artista são únicas, ou seja, emprestadas para uma ocasião única — o que, no final das contas, garante a exclusividade, a partir da junção de tecidos e a riqueza dos detalhes.

As peças, em sua maioria feitas com patchwork e customização, podem levar desde dois dias até uma semana para serem criadas. Esse período, como ela menciona, é a "transformação de um sentimento em um desenho", que funciona como uma "psicografia alienígena", a qual se desenvolve em um caminho inexplicável entre a imaginação e as mãos.

"Eu tento reaproveitar o máximo de tecido possível", reforça. "Sò quando é desenvolvimento para clipe, por exemplo, quando pedem tecido especifico, compro em depósito de retalhos. Porque o que eu acho interessante em brechó, é isso, as texturas diferentes. Não é algo uniformizado como em loja".

A ideia vai aparecendo sozinha. Às vezes eu nem desenho, pego um monte de roupa, coloco no chão de casa e vou criando".

SSJHENI - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
SSJHENI
Imagem: Reprodução/Instagram
SSJHENI - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
SSJHENI
Imagem: Reprodução/Instagram

Esperando encontrar um pouco de paz nos próximos meses — neste caso, principalmente psicológica — Jheni quer futuramente incentivar outras jovens a se aventurarem na costura, por meio de workshops.

"Quero ser uma produtora de figurinos mais do que uma marca. Não consigo vender algo que faço durante uma semana, por preço de fast-fashion", explica. "Na nova geração, eles querem algo bonito, mas com o preço de uma "Forever 21". Eu explico que é como uma arte, que vai durar longos anos".

Investindo em maquina barata ou até a mão, é possível fazer sua própria arte. Eu quero um projeto DIY. Já que eu não consigo vender para essas pessoas, não quero que elas fiquem só sonhando e seja algo elitista. Eu vendo para as famosas, pois elas podem pagar. Para quem não pode, queria abrir um projeto para incentivar".

A moda como mensagem

SSJHENI - Reprodução/FFW/@anthenorneto - Reprodução/FFW/@anthenorneto
SSJHENI
Imagem: Reprodução/FFW/@anthenorneto

Na entrevista, Jheni relembra vagamente como a arte sempre foi um meio de comunicação para ela — seja escrita ou desenhada, como suas roupas.

"Eu me comunicava com meu pai por cartas, porque eu não tinha coragem de falar com ele cara a cara. Sempre busco alguma mediação entre o que eu sinto e a pessoa vai entender. Talvez seja uma dificuldade de comunicação", reflete a jovem ."Já fui diagnosticada com um nível baixo de autismo".

Sempre prefiro editar o que eu sinto, a realidade, e transformar em uma paisagem para a pessoa entender o que eu sou por dentro e o que eu sinto. Como um reflexo".

A mensagem buscada por ela por meio das suas roupas — e sucesso — é fazer com que quem as vista se sinta "poderosa e libertas".

"Gosto de ver como o alter ego é evidenciado. Por exemplo, quando uma pessoa veste a roupa e sente sua personalidade valorizada", diz. "Fico feliz em ver a vida que as pessoas dão para a roupa".

A saúde mental é outro tópico citado por ela. Foi a costura, inclusive, que a curou de diversas crises de depressivas. A criatividade por meio desses trabalhos manuais é como uma válvula de escape.

"Com a roupa, eu quero mostrar como a criatividade pode levar a gente para outros mundos e você pode ser quem você quiser", completa Jheni. Uma hora as pessoas vão entender o que você está vestindo se você mesma acreditar nisso. É isso: liberdade de expressão".