PUBLICIDADE
Topo

Para que serve o "buraco" no fundo das garrafas de vinho?

Gustavo Frank

De Nossa

26/06/2021 04h00

Nos dias mais frios, uma garrafa de vinho é a melhor companhia para muitos de nós. E, provavelmente, você já deve ter reparado que muitas delas trazem, no fundo do recipiente, um "buraco" côncavo. Mas para que serve essa cavidade?

Para Nossa, Sidney Lucas explicou que a origem é um grande mistério. Uma das possíveis explicações está relacionada à origem do processo de produção das garrafas de vidro, quando ainda eram feitas com a técnica de sopro.

"Enquanto o artesão soprava o vidro para ganhar forma, a garrafa que ia se formando era apoiada por uma base de metal de formato convexo e isso então criava a curva para o interior da garrafa", conta o sommelier da Decanter Blumenau.

Sidney conta ainda que há outra teoria, de que essa cavidade era feita para aumentar a capacidade do vidro de suportar a pressão interna do líquido, especialmente aquelas destinadas à elaboração ou guarda de espumantes. Também para suportar maiores atritos.

"Mas hoje há tecnologia para fabricar garrafas de vidro super-resistentes sem necessidade da tal cavidade", complementa.

Para facilitar a servir o vinho?

Design côncavo não tem como intuito ajudar na hora de servir o vinho na taça - iStockphotos - iStockphotos
Design côncavo não tem como intuito ajudar na hora de servir o vinho na taça
Imagem: iStockphotos

Muitos acreditam que o côncavo da garrafa foi feito para ajudar a servir a bebida enquanto o polegar apoia o recipiente. No entanto, Andréa Machado, sommelière da importadora de vinhos Wines4U, desvalida essa hipótese.

"Essa não é a forma 'correta' de servir o vinho", conta para Nossa. "Pode segurar normalmente, como qualquer outra garrafa, ou pegar ela toda no fundo, que é mais comum no serviço hoje em dia. Coloca toda a palma embaixo e abraça com os cinco dedos".

Andréa detalha ainda dizendo que muitas pessoas acreditam que "quanto mais fundo o côncavo for, melhor a qualidade da bebida", o que não é verdade.

"Não muda nada", comenta. "É um detalhe irrelevante. Hoje, as garrafas que usamos já existem desde 1600 e elas já eram assim".

Varia de produtor para produtor. Depende da matéria-prima, o molde para fazer a garrafa, entre outras coisas. É só isso. Não é uma regra, existem vinhos, inclusive, que não têm esse fundo côncavo".

Por fim, a sommelière diz que muito "folclore é feito a partir da origem desse design": "O vinho é tão cercado de mistérios... E o povo criou mais um!".

"A teoria mais palpável, na minha opinião, é de que é uma questão de física. Quando você tem essa parte mais côncava, ela fica mais estável e previne que, colocando com um pouco mais de força na mesa, quebre. Ela não só tem esse côncavo, como também é mais densa embaixo, o que pode reforçar essa teoria".