PUBLICIDADE
Topo

SPFW N51: raízes culturais diversas e "Space Jam" marcam o 1º dia do evento

Nesta quarta-feira (23), o São Paulo Fashion Week N51, completamente digital pelo segundo ano consecutivo, e abordou a diversidade na moda - Bruno Gomes
Nesta quarta-feira (23), o São Paulo Fashion Week N51, completamente digital pelo segundo ano consecutivo, e abordou a diversidade na moda Imagem: Bruno Gomes

De Nossa

23/06/2021 23h08

Nesta quarta-feira (23), começou a segunda edição do São Paulo Fashion Week completamente virtual. No evento de número 51, marcas conceituadas e estreantes apresentam suas coleções em fashion films em uma transmissão ao vivo pelo canal do YouTube do SPFW.

Com Carol Ribeiro e Maria Eugênia Suconic como apresentadoras, o primeiro dia teve Ronaldo Fraga, que nos levou até o Cariri Cearense para mostrar a pesquisa para sua nova coleção, ÀLG, que uniu a estética cringe e o zennial com peças sob o tema do filme "Space Jam", e Lilly Sarti, que fez uma autorreflexão em três atos.

Ronaldo Fraga

O estilista mineiro Ronaldo Fraga viajou até o Cariri Cearense para apresenta a coleção "Terra de Gigantes", em que celebra a expressão cultural, a história e a arte dessa região do Brasil que resistiu a todos momentos de opressão. Em entrevista na live do São Paulo Fashion Week, Ronaldo Fraga falou sobre o uso de estéticas do artesanato brasileiro por marcas internacionais. "Fiquei me perguntando porque, então, a gente não usa esses elementos na nossa moda?", falou o estilista.

Para isso, convidou a modelo cearense Suyane Moreira para apresentar peças 100% linho, com cores primárias, que falam de devoção e festa.

Há muitos bordados e poucas estampas, diferente de trabalhos anteriores de Fraga. Blusa com bandeirinhas coloridas, hot pant inspirada em um cinto de castidade e vestidos em evasê, com aplicações e espaços vazados, fazem parte da coleção apresentada nesse primeiro dia do evento.

"Se a moda é um documento do tempo que vivemos, ela é uma eterna história do desejo que deslumbra e também causa horror", comentou Ronaldo.

Este é um desfile poético e político. E isso é bom porque eles não entendem poesia".

ALUF

A diretora criativa Ana Luisa Fernandes convidou os espectadores a entrarem em sua casa para ver a "Beleza do Cotidiano", tema de sua nova coleção. Em entrevista, a estilista contou que o tema surgiu pouco antes do confinamento social.

"Queria montar um moodboard com imagens capturadas apenas pelo meu olhar. A primeira imagem foi a de um chiclete que vi na rua, cuja cor gostei muito e quis usar", explicou.

Quando começou a trabalhar o tema, a pandemia chegou e ela teve que ficar isolada em seu lar.

Foi quando o meu mundo virou a minha casa".

Assim, ela usou elementos domésticos em suas peças feitas com sarja, algodão texturizado e linho. A capa de sofá virou o tecido que estrutura calça, top, vestido e saia. A rede se tornou um detalhe em um vestido. A madeira do mobiliário concebeu as bolinhas que emolduram as alças de blusas e os brincos esculpidos à mão. As peças mais ajustadas são um casulo, enquanto as modelagens amplas têm caimentos únicos em diversos corpos.

SANKOFA: Ateliê Mão de Mãe

Baseado em Salvador, na Bahia, o Ateliê Mão de Mãe, marca que debuta no SPFW dentro do projeto Sankofa, nasceu por conta de uma necessidade urgente: pagar as contas durante a pandemia.

"Durante a pandemia, fiquei afastado do meu trabalho como vendedor de shopping e minha mãe veio morar comigo. Precisávamos nos manter de alguma forma, então começamos a fazer artesanato e vender pelo Instagram", contou Vinicius Santana em entrevista.

A marca ganhou mais notoriedade quando a atriz Fernanda Paes Leme comprou alguns looks com eles. "Ela virou a nossa madrinha", disse o empresário.

Minha mãe [Luciene Santana] sempre foi artesã e nós sempre a acompanhamos em seus trabalhos".

O Ateliê Mão de Mãe se define como um espelho da cultura, diversidade e representatividade histórica e cultural de Salvador, com a missão de levar toda essa estética para qualquer lugar. Assim, Luciene Santana e mais duas crocheteiras trabalham em peças que misturam o crochê com conchas, plumagens e algodão.

Na coleção apresentada no SPFW, a marca mostrou vestidos longos em cru, conjunto em tons terrosos e biquíni de crochê combinado com camisão.

SANKOFA: Meninos Rei

Há seis anos à frente da marca Meninos Rei, os irmão Júnior e Céu Rocha estreiam no SPFW com a coleção "L'Oju Esú", tradução do iorubá para "Aos olhos de Exú". Em um momento em que as religiões de matriz africana voltam a ser estigmatizadas por conta do caso Lázaro, a dupla decidiu colocar o candomblé em seu primeiro fashion film.

Somos oriundos de um povo de reis e rainhas e não queremos poucos, queremos muito. Então, estamos reverenciando Exú, pai da comunicação, do movimento, que abre caminhos".
Céu Rocha

Como parte do projeto, a marca foi amadrinhada pelo estilista João Pimenta, que orientou os criadores, partilhou conhecimento e contribuiu com o desenvolvimento da coleção especial para a SPFW. "Ele foi maravilhoso, abriu o seu ateliê e tivemos muita troca", comentou Céu.

O estilista, que também participa do SPFW, co-criou com Júnior e Céu Rocha um macacão em tecido africano, com modelagem sofisticada, gola de blazer e punhos de camisa.

Anacê

Ruta, nome científico para arruda, é o nome da coleção de estreia da marca criada por Ana Clara Watanabe e Cecília Gromann. O filme exibido durante o evento é um pouco botânico e um pouco cibernético. O contraste entre esses dois polos muito destoantes foi o que permeou a coleção e o storytelling da apresentação.

"A gente quis trabalhar nessa dualidade, do autocuidado. Então, na estufa, tem o banho energético, a arruda", fala Ana Clara Watanabe. "É uma reconexão com si próprio e, ao mesmo, estamos vivendo esse boom digital, tecnológico", complementa Cecília Gromann.

A estrutura do filme também mistura duas formas diferentes de mostrar uma coleção: há o storytelling e também um pouco da experiência de passarela, em que modelos mostram os visuais em um tapete de ervas terapêuticas.

Samuel Cirnansck

O estilista de moda festa quis trazer um pouco do clima de descontração e tensão dos bastidores de um desfile para seu filme. Enquanto algumas modelos testam sapatos e simulam poses, outras são registradas por um fotógrafo que trabalha em um lookbook.

Esse movimento de experimentação é uma forma de mostrar suas peças. Em uma das cenas, uma modelo aparece pendurada por argolas.

Queríamos que isso evidenciasse como o tecido da saia flutua".

A fluidez da parte de baixo aparecia contrastada em corsets apertados e alguns desestruturados. "Tirei o tecido que sustenta o corset, e trabalhei com as barbatanas. Encapei as barbatanas e elas se sustentavam apenas com os pontos de costura", explicou Samuel.

ÀLG

Com direção criativa de Fabio Souza e styling de Alexandre Herchcovitch, a ÄLG, linha esportiva da À La Garçonne, misturou o cringe com o look Geração Z ao colocar, na mesma coleção, visuais com estampas de "Space Jam" e do Piu Piu, do Looney Tunes —sucesso nos anos 90 e, por isso, cringe — e wide legs masculinas, calça que está bombando nessa temporada e que é a favorita dos zennials. Tudo isso assistido por Pernalonga e sua namorada, Lola Bunny.

"Sempre gostei muito de interpretar as personagens de diversos lugares e, dessa vez, a Warner [detentora dos direitos do 'Space Jam' e dos personagens do Looney Tunes] se aproximou com a gente para ver se poderíamos fazer uma colaboração, que influenciou até o tema da coleção", comentou Alexandre Herchcovitch em entrevista.

Os looks em camuflado em tons terrosos, puff jackets, shoulder bags, chinelo com alças e calça cargo com bolsos já estão disponíveis no site da marca.

Lilly Sarti

As estilistas Lilly e Renata Sarti apresentam uma coleção de verão dividida em três cápsulas: uma sobre a "percepção do eu" (com peças como bermudas, camisas e conjuntos em fibras naturais, patchwork de jeans, listras e tricoline); "reflexão do ser" (com vestido em estampa de labirinto, looks em jeans, peças minimalistas que vão do azul noturno até o solar amarelo); e dimensão do sagrado (com peixinhos bordados e estampas já não tão contrastantes).

"Somos muitos esotéricas e tivemos esse pensamento de nos aprofundar sobre autoconhecimento".
Lilly Sarti

A marca aposta em uma silhueta feita para se vestir sem se olhar no espelho, com a certeza de que a peça estará confortável e elegante na medida. Também aposta em saltos baixos e redondos e shapes com inspiração dos anos 1980. Flatforms são, ainda, a aposta da Lilly Sarti para os looks de festa pós-pandemia.