PUBLICIDADE
Topo

"Aprendi a compor fazendo paródia", diz Xande de Pilares

Bruno Calixto

Colaboração para Nossa

28/03/2021 04h00

As influências musicais de Xande de Pilares foram chegando sempre embrulhadas para presente.

"No Natal, ganhava dois LPs: um do Roberto Carlos, que eu adorava, e um de samba: Martinho da Vila, Elza Soares, Jorginho do Império, Benito de Paula, Agepê, Bezerra da Silva, Dicró, Clara Nunes, Cartola, Nelson Cavaquinho....", lembra o cantor e compositor, que abriu a série de bate-papos regados a sambas e petiscos famosos de botecos do Rio, preparados por Teresa Cristina no "Botequim da Teresa".

Ao longo do episódio, Xande e Teresa conversam sobre música e cantam clássicos do carnaval carioca, entre eles "Gaia, a vida em nossas mãos", samba-enredo defendido pelo Salgueiro em 2014, de Leonardo Bessa, Serginho do Porto, Quinho e Xande de Pilares, que levou o cavaquinho para o estúdio.

Xande de Pilares  - Divulgação - Divulgação
Xande de Pilares
Imagem: Divulgação

"O botequim me ensinou minha musicalidade. Mas, aprendi a compor fazendo paródia", revelou Xande, ao comentar sobre a versão feita por ele para "Tá escrito", tema de abertura da novela "A dona do pedaço".

Xande gostava de ficar cantando, "sacaneando" todo mundo e versando, como fazia o seu avô, Seu Mudesto.

"Eu tinha um medo do Seu Mudesto, fazia paródia direto com o nome dele, uma das primeiras foi 'Saudações às favelas' (de Sérgio Fernandes), que Bezerra da Silva gravou em 1986. Era uma coisa que nós do morro fazíamos direto, a turma da bateria da Mangueira faz até hoje", conta.

O cantor e compositor afirma ainda que a improvisação do contato com a Folia de Reis e, mais tarde, "esta coisa cantada", do Cacique de Ramos.

Infância no morro

Depois de entoar "Trilha do amor", de André Renato, Flávio Venutes e Xande de Pilares, o primeiro convidado do "Botequim da Teresa" relembra uma passagem marcante da infância no morro.

"A gente comia salada de bertalha com tomate com pombo, meus amigos e eu, na rua. A importância de sempre falar do morro são as crianças que me têm como exemplo".

No bairro de Pilares, ele trabalhou como carregador de compras perto de onde havia o botequim do Seu Floriano, cheio de coxinhas na vitrine.

"A gente ficava de olho na coxinha. Muitas vezes era a única coisa que nos alimentava no dia. Por muitas noites, ia dormir só com ela na barriga", conta Xande, que, durante o programa, degustou a receita da coxinha mais famosa do Rio de Janeiro preparada por Teresa.

Samba, série e Teresa

O "Botequim da Teresa" vai ao ar todas as sextas-feiras, às 10 horas, no YouTube de Nossa (inscreva-se já para receber os lembretes), no site, no UOL Play e no Facebook de Nossa. Veja quem serão os próximos convidados: