PUBLICIDADE
Topo

Assassinato do herdeiro da Gucci a mando de ex-mulher vira filme com Gaga

Patrizia Reggiani foi condenada pela morte de Maurizio Gucci, morto com três tiros nas costas em Milão, na Itália, em 1995 - Rex Shutterstock
Patrizia Reggiani foi condenada pela morte de Maurizio Gucci, morto com três tiros nas costas em Milão, na Itália, em 1995 Imagem: Rex Shutterstock

Gustavo Frank

De Nossa

27/10/2020 04h00

Quem pensa que o mundo da moda não tem suas passagens obscuras, está perto de ver nas telonas uma trama com direito a intrigas, fama e morte. Com Lady Gaga como protagonista, o filme "Gucci" contará detalhes sobre o assassinato de Maurizio Gucci, herdeiro da famosa grife.

E como a cantora de "Chromatica" entra nessa história? Ela dará vida a nada menos que Patrízia Reggiani, ex-mulher de Maurizio e a mandante do seu assassinato.

Trama da alta sociedade

O crime aconteceu em 1995, quando o casal já estava divorciado após 15 anos de união. Maurizio foi atingido por três tiros nas costas na manhã do dia 27 de março, enquanto chegava ao seu escritório na via Palestro, em Milão.

No julgamento do assassinato, que se tornou manchete de jornais e levou o nome do "casal de ouro" da alta sociedade local de volta às colunas sociais, Patrízia, que negava ser a mandante até então, foi considerada culpada.

Maurizio Gucci ainda jovem -  Erin Combs/Toronto Star via Getty Images -  Erin Combs/Toronto Star via Getty Images
Maurizio Gucci ainda jovem
Imagem: Erin Combs/Toronto Star via Getty Images
Maurizio Gucci em 1990 - Louis Hollingsbee - PA Images/PA Images via Getty Images - Louis Hollingsbee - PA Images/PA Images via Getty Images
Maurizio Gucci em 1990
Imagem: Louis Hollingsbee - PA Images/PA Images via Getty Images

Além dela, foram condenadas outras quatro pessoas envolvidas no assassinato, sendo uma delas o atirador Benedetto Ceraulo, que recebeu pena de prisão perpétua e tentou recorrer da condenação. No livro "The House of Gucci", escrito por Sara Gay Forden, ele é descrito como alguém que se vestia bem e "construía seus próprios silenciadores para as armas".

Foram julgados culpados, ainda, o condutor do veículo da fuga, Orazio Cicala, o intermediário nas negociações que envolveram o crime, Ivano Savioni, e Pina Auriemma, vidente e amiga de Patrízia.

A trama para o assassinato foi descoberta após o matador de aluguel entrar em uma "competição" de brincadeira para ver quem tinha mais contatos no mundo do crime. Foi quando Ivano Savioni contou como a morte foi orquestrada, detalhe por detalhe.

Gabriele Carpanese, o informante, percebeu a seriedade da confissão, chamou a polícia e entregou todo o esquema.

Horror a trabalho e pensão milionária

A "viúva negra", como foi apelidada pela imprensa após chorar no túmulo do ex-marido e consolar as duas filhas, Alessandra e Alexia, foi condenada a cumprir 26 anos na prisão de San Vittore, em Milão.

Patrizia Reggiani ao lado das filhas, Alessandra e Alexia, no funeral de Maurizio Gucci - Getty Images - Getty Images
Patrizia Reggiani ao lado das filhas, Alessandra e Alexia, no funeral de Maurizio Gucci
Imagem: Getty Images

Ela foi solta em 2013 por bom comportamento, após cumprir 17 anos presa. Nesse ano, a Justiça lhe concedeu liberdade em troca de oferecer serviços sociais e foi então quando começou a trabalhar em uma loja de moda no centro de Milão — que não durou muito tempo.

Antes disso, ela recusou a primeira oferta de liberdade, em 2011, segundo a imprensa italiana, pois a ideia de trabalhar a horrorizava. "Nunca trabalhei na vida e não pretendo começar agora", teria dito ela ao advogado.

Por outro lado, a Justiça reconheceu recentemente o direito de Reggiani a receber a pensão de 1 milhão de euros ao ano que tinha acordado com seu ex-marido em 1993, dois anos antes do assassinato.

Além disso, a "viúva negra" deverá receber outros 24 milhões de euros atrasados, uma quantidade que terá que ser paga pelas filhas e únicas herdeiras de Gucci, Allegra e Alessandra.

Assassinato e fama

Patrizia escoltada por policiais durante o desenvolvimento do julgamento - Getty Images - Getty Images
Patrizia escoltada por policiais durante o desenvolvimento do julgamento
Imagem: Getty Images

A morte de Maurizio Gucci aconteceu na mesma época em que ele se afastava da direção da grife que levava seu nome — e fora fundada por seus avós, o lavador de louças Guccio e sua mulher Aida, em Florença, no ano de 1921, como uma loja de bolsas.

Em 1990, Tom Ford foi convidado para "revolucionar e revitalizar" a Gucci. Nos quatro anos seguintes, o estilista passa a ser o diretor criativo do Gucci Group que, até então, estava à beira da falência.

Dessa forma, Ford assumiu a responsabilidade de desenhar toda a linha de produtos da Gucci, das roupa aos perfumes, e comandar a imagem corporativa, campanhas publicitárias e design das lojas do grupo.

O assassinato, que viria a acontecer cinco anos depois, era temido como um escândalo para a grife, no entanto, aconteceu à mesma época em que a label italiana começava a se tornar uma das mais importantes do mundo.

Atualmente, o nome criativo por trás da Gucci é de Alessandro Michele e o grupo que tem seus direitos é a Kering, responsável também pela Balenciaga, Yves Saint Laurent, entre outros. Em 2019, a empresa teve um dos maiores lucros da história da Gucci, com aumento de 16,2% no faturamento de 9,62 bilhões de euros.

"Ele não merecia viver"

Patrízia Reggiani em seu julgamento, em 1998 - EPA - EPA
Patrízia Reggiani em seu julgamento, em 1998
Imagem: EPA

Os motivos que teriam levado Patrízia a organizar o assassinato sempre foram um mistério. Ela defende sua inocência até hoje.

O ciúme foi um dos pontos mais abordados durante a resolução do caso e pela mídia, que a pintou como uma "mulher irritadiça". Isso porque Maurizio teria saído de casa na década de 80 para uma "viagem de negócios" e nunca mais voltou, pedindo o divórcio pouco tempo depois.

A separação, que aconteceu definitivamente em 1994, foi acompanhada do envolvimento do herdeiro com uma mulher mais nova, com quem já estava morando, e o diagnóstico de um câncer no cérebro de Patrízia — que passou por uma cirurgia e foi devidamente tratada.

Quando se recuperou, Patrizia teria ficado furiosa ao descobrir que Maurizio estava com outra mulher; então começou a questionar seus conhecidos para saber se alguém poderia organizar seu assassinato. Ninguém a levou a sério, exceto a vidente e conselheira espiritual Pina Auriemma, que teria contratado os atiradores.

Após anos dizendo ser inocente da condenação, em 2014, a "viúva negra" comentou o caso em entrevista ao jornal italiano "Il Giornale".

"Naquela época, estava convencida de que alguém como Maurizio não merecia viver. Por quê? Nunca contarei", disse à publicação.

"Eu e Maurizio nos amávamos muito. Ele pedia a minha opinião em tudo na empresa. Todos os arquivos da marca estão guardados na minha mente; se eles estivessem em minhas mãos, eu saberia o que fazer. Não vejo feminilidade nas marcas hoje em dia", concluiu quando perguntada sobre sua relação com o ex-marido e a moda nos dias de hoje.

O filme "Gucci"

Lady Gaga interpreterá a "viúva negra", Patrízia Reggiani - Inez and Vinoodh/Vogue - Inez and Vinoodh/Vogue
Lady Gaga interpreterá a "viúva negra", Patrízia Reggiani
Imagem: Inez and Vinoodh/Vogue

O longa-metragem contando a história que chocou o mundo da moda deve ter as gravações iniciadas em março de 2021. Já a previsão de estreia, que pode sofrer alteração, é para o dia 24 de novembro do mesmo ano.

Além de Lady Gaga no papel e Patrizia, a produção deve trazer ainda os atores Robert De Niro e Jared Leto. O diretor responsável pelo projeto é Ridley Scott.

Fonte: "House of Gucci: A Sensational Story of Murder, Madness, Glamour, and Greed", livro escrito por Sara Gay Forden.