PUBLICIDADE
Topo

Espécies extintas "voltam à vida" no Museu de História Natural de Paris

Exposição "Revivre" ("Reviver") - MNHN_Studio SAOLA
Exposição "Revivre" ("Reviver")
Imagem: MNHN_Studio SAOLA

14/06/2021 10h57

Do tigre dente-de-sabre da América, extinto há 10.000 anos, à ave-elefante de Madagascar, desaparecida no último milênio, 11 espécies extintas poderão ser vistas, na forma de realidade aumentada, em uma exposição do Museu de História Natural de Paris.

Em comum, estes animais bastante diversos têm o fato de terem conhecido, durante sua vida, o homem moderno (Homo Sapiens).

Hoje, "apenas a tecnologia nos permite reconstruir o que se perdeu", afirma Bruno David, diretor do museu, que inaugura nesta quarta-feira (16) a exposição "Revivre" ("Reviver").

Exposição "Revivre" ("Reviver") - MNHN_Studio SAOLA - MNHN_Studio SAOLA
Exposição "Revivre" ("Reviver")
Imagem: MNHN_Studio SAOLA

Em uma sala da chamada Grande Galeria da Evolução, em meio a espécimes dissecados, sete dodôs se aproximam de repente do visitante e o observam. O efeito é surpreendente: as criaturas parecem estar ao alcance das mãos.

Por meio de óculos de realidade aumentada, uma voz conta como estas aves das ilhas Maurício desapareceram no século XVII, após a chegada dos marinheiros europeus que as caçaram até sua extinção.

Exposição "Revivre" ("Reviver") - MNHN_Studio SAOLA - MNHN_Studio SAOLA
Exposição "Revivre" ("Reviver")
Imagem: MNHN_Studio SAOLA

Outra sequência mostra a chegada de um punhado de quagas, equídeo do sul da África, uma mistura de zebra e cavalo, que perambulam entre os animais imóveis em suas jaulas de vidro.

O quaga também foi caçado, por sua pele e carne, até ser extinto em 1880.

Mais à frente, uma versão ampliada de um crânio de animal marinho sai de uma vitrine, onde descansa o original. Pouco a pouco, o corpo de oito metros da vaca-marinha-de-Steller se reconstitui até parecer de carne e osso.

Próxima ao peixe-boi, esta espécie se extinguiu rapidamente. Foi descoberta em 1741 no Pacífico Norte, caçada por seu óleo e carne e desapareceu menos de 30 anos depois.

"O objetivo era abarcar diferentes tipos de famílias de animais e variar os tamanhos, comportamentos e texturas", explica Rémi Dupouy, naturalista associado à Saola, empresa especializada em realidade aumentada.

Para preparar este programa de 15 minutos, os pesquisadores do museu e as equipes da empresa dedicaram um tempo enorme, reconstruindo cientificamente a morfologia e o comportamento destes animais do passado.

Suas histórias também lançam luz sobre as espécies ameaçadas de hoje, "que sofrem as pressões antrópicas (do homem)", acrescenta o museu.