Olimpíadas terão 'fontes de bebidas' para abraçar sustentabilidade de Paris

Paris tem uma meta ambiciosa de se tornar a cidade mais sustentável da Europa e, para isso, tem como principal objetivo reduzir a produção de plástico na cidade.

A prefeitura, então, criou a lei anti-resíduos para uma economia circular (AGEC), que proíbe desde o uso de descartáveis em restaurantes à distribuição gratuita de garrafas plásticas em eventos esportivos.

Com isso, há mais de um ano o Comitê Olímpico Internacional (COI), o Comitê Organizador local e a Coca-Cola — fornecedora de todas as bebidas não-alcoólicas do evento — têm trabalhado juntos para elaborar um plano para fornecer as bebidas nas Olimpíadas 2024 sem descumprir a lei.

Fontes de bebidas

A primeira medida será a implantação de fontes de bebida, as "Coca Fountain" — no Brasil, chamadas de máquina de refrigerante. Cada fonte contará com 12 válvulas, cada uma com capacidade de fornecer 300 bebidas.

O restaurante principal da Vila Olímpica, localizado na "Cité du Cinéma", que tem capacidade para 10 mil pessoas, por exemplo, servirá todas as bebidas por esse mecanismo, ou seja, não terá plástico descartável.

Thiago Bauer, gerente sênior de projetos de Food and Beverage (alimentação e bebidas) do Comitê Organizador local, explicou que eles precisaram comprovar que as bebidas que vão sair das máquinas são seguras, que a água será filtrada mais de uma vez e que o local onde o xarope é colocado ficará trancado a fim de evitar contaminações ou envenenamento.

Com isso, a Agência Mundial Antidoping (Wada) acabou aprovando o uso das fontes. Principalmente devido a alegação das entidades de que o risco da comida e das máquinas de café serem adulteradas é o mesmo das fontes.

O ponto negativo desse mecanismo é que ele tem um valor elevado e demanda uma conexão com água e esgoto, o que a impede de ser colocado em qualquer local. Thiago conta que a Coca-Cola não planeja usá-los apenas nas Olimpíadas e por isso, eles já têm encaminhada uma segunda vida para as cerca de 550 máquinas.

Continua após a publicidade

Garrafas plásticas limitadas

Na área residencial, além das fontes serão colocadas Vending Machines (máquinas de venda automática). Dentro delas, as bebidas estarão colocadas em garrafas descartáveis e poderão ser retiradas, uma por vez — para tentar limitar o consumo plástico, com um cartão que cada atleta receberá quando chegar.

Vale destacar que cada atleta receberá duas garrafas e um copo reutilizável para usar durante o período.

Outras áreas como o local onde é realizado o teste antidoping e os espaços reservados para a Federação Internacional, arbitragem e familiares, só terão disponíveis garrafas de vidro. Já para o estafe, fornecedores e voluntários, as bebidas fornecidas serão 90% via as fontes.

Copos personalizados para o público geral

Já nas arenas, a ideia é que os atletas utilizem garrafas plásticas descartáveis, para facilitar na operação e ajudar o competidor durante a prova.

Continua após a publicidade

Para os torcedores que vão acompanhar os eventos, as lanchonetes oferecerão três modelos de distribuição: garrafa de plástico, garrafa de vidro retornável e as máquinas de refrigerante.

Thiago explica que será responsabilidade do concessionário e da Coca-Cola reciclar as garrafas: "O nosso objetivo é usar as garrafas dos Jogos Olímpicos para fazer novas garrafas nos Jogos Paralímpicos, para diminuir a produção de plástico, reaproveitando um plástico que já existe".

Também será lançada uma coleção de copos personalizados reutilizáveis para o público comprar e usar nas arenas.

Apesar disso, o comitê irá propor dois caminhos aos atletas: um com o uso de garrafas plásticas e outro, incentivado pela organização, sem o plástico.

Por isso, Thiago reforça que o mais importante é as pessoas comprarem a ideia: "Não adianta a gente fazer tudo se a consciência das pessoas não mudar, eles são o cliente final. Podemos ter um trajeto perfeito para o atleta, mas se ele não quiser tomar ali, ele não vai tomar".

Quantidade de pessoas esperadas

Para as Olimpíadas são esperados 16.695 atletas, enquanto para as Paralimpíadas, 7.389. Estima-se que cada um consuma, em média, seis litros de água por dia (cerca de 12 garrafas). Ou seja, pensando somente nos atletas, seriam necessárias, no mínimo, 290 mil garrafas plásticas.

Continua após a publicidade

Além deles, na parte da organização estima-se que serão 4 mil pessoas no estafe, 40 mil voluntários e 50 mil fornecedores para fazer com que os dois eventos ocorram.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes