PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

Vôlei: Técnico é preso sob suspeita de estuprar atletas adolescentes em SC

André Testa treinava o Terra Firme, de São José (SC). Ele está preso preventivamente - Reprodução/NSC TV
André Testa treinava o Terra Firme, de São José (SC). Ele está preso preventivamente Imagem: Reprodução/NSC TV

Do UOL, em São Paulo

05/08/2022 15h45

Técnico de vôlei e árbitro que atuou nas Olimpíadas do Rio de Janeiro, André Testa foi preso nesta quinta-feira (4) em Santa Catarina. Ele dirigia a equipe da Associação Terra Firme, de São José, e foi denunciado por quatro atletas adolescentes. Testa é suspeito de estupro de vulnerável e outros quatro crimes. A equipe disputa competições nas categorias de base.

Em entrevista ao UOL Esporte, a delegada do Caso, Marcela Goto, diz que além das quatro vítimas -com idades de 15 a 17 anos -, a investigação ouviu cinco testemunhas. Ela afirma, entretanto, que nesta sexta-feira (5) recebeu novos contatos de possíveis vítimas do treinador, com quem deve falar nos próximos dias.

Testa teria estuprado três dos quatro adolescentes ouvidos pela Polícia Civil. Em todas as vezes, Marcela explica, ele teria embriagado os atletas até que ficassem desacordados. "Então, ele os estuprava", diz. Em todos os depoimentos, foi relatado um padrão de comportamento: o treinador teria o hábito de levar os adolescentes a restaurantes, onde insistia, segundo a investigação, que ingerissem bebidas alcoólicas. Em seguida, Testa seguia com os adolescentes para locais isolados.

A emissora local de Santa Catarina NSC divulgou trechos dos depoimentos: "Ele me levou para casa dele e lá começou a passar a mão em mim. Eu não tinha malícia na época, porque tinha muita confiança nele. Era uma pessoa muito persuasiva e acabou abusando de mim. Eu não estava entendendo direito essa situação. Foi a minha primeira vez".

Outro ex-atleta de Testa, que hoje é maior de idade, também relatou a violência que sofreu à NSC: "Ele foi comigo até um restaurante, comprou bebida alcoólica e forçadamente ficava insistindo para que eu tomasse mesmo eu não querendo. Ele insistiu e eu acabei cedendo. Eu estava completamente bêbado e quando a gente foi para o carro achei que a gente ia para Casa Atleta dormir, no outro dia treinar, só que aí ele tomou um rumo diferente. Ele foi para o motel. Só que eu só tenho um flash de memória, não tenho memória completa por conta de estar muito, muito bêbado. Não consegui resistir fisicamente. Ele só me levou para tomar um banho, me botou na cama pelado e me estuprou".

andre testa - Reprodução/NSC TV - Reprodução/NSC TV
André Testa foi árbitro nas Olimpíadas do Rio de Janeiro
Imagem: Reprodução/NSC TV

Marcela Goto confirma todos os relatos. O terceiro garoto estuprado por Testa, segundo ela, foi violentado na própria Casa Atleta -lugar em que moram provisoriamente atletas de outras cidades. A quarta vítima ouvida pelo inquérito relata que o treinador o importunava sexualmente. A delegada explica: "Ele tocava as partes íntimas do menino e fazia com que a vítima tocasse as dele".

Testa está preso preventivamente e é investigado por cinco crimes: estupro de vulnerável, importunação sexual, constrangimento de adolescentes (artigo 232 do Código Penal), fornecimento de bebida alcoólica para adolescentes e coação no curso do processo.

A delegada afirma, ainda, que ele teria tentado coagir testemunhas e vítimas durante a investigação. "À testemunha, ele simulava um interrogatório policial e dirigia as respostas que ela teria de dar à polícia, caso fosse interrogada", conta.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de Santa Catarina confirma as denúncias e acrescenta que "os adolescentes teriam relatado, ainda, que foram constrangidos perante outros atletas, após terem negado manter contato sexual com o suspeito".

Procurada pela reportagem por mensagem e telefonemas, a defesa de André Testa ainda não se manifestou a respeito das acusações. Em nota publicada pelo portal G1, os advogados Leandro Henrique Martendal e Marlon Charles Bertol teriam considerado a prisão do treinador "inoportuna, desnecessária e ilegal" e que foi baseada em "ilações e conjecturas" apresentadas pela polícia.

A nota afirma que "André é inocente e não são procedentes as imputações. Conforme se comprovará no transcorrer do processo, há denuncismo de viés vingativo. Todas as informações colhidas até o presente momento foram produzidas sem que fosse oportunizado o direito ao contraditório".

O UOL procurou, também por telefonemas e mensagens, a Associação Terra Firme de São José, clube catarinense que participa de competições de base, que não se manifestou até a publicação desta reportagem.

Vôlei