PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Após revelar ser bi, Richarlyson ganha apoio de Muricy: 'Tem que ser feliz'

Muricy Ramalho foi treinador de Richarlyson no tricampeonado brasileiro do São Paulo - Reprodução/YouTube
Muricy Ramalho foi treinador de Richarlyson no tricampeonado brasileiro do São Paulo Imagem: Reprodução/YouTube

Adriano Wilkson e Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

26/06/2022 04h00

O ex-treinador Muricy Ramalho elogiou a decisão do ex-volante Richarlyson, que na sexta-feira (24) revelou ser bissexual. Os dois foram tricampeões brasileiros com o São Paulo entre 2006 e 2008.

"Richarlyson é uma das melhores pessoas que eu conheci no futebol, é um cara fora de série", disse o ex-treinador, que hoje trabalha como coordenador de futebol do São Paulo. "E ele tem que ser feliz do jeito que ele achar que tem que ser. Tudo o que ele fizer eu apoio porque ele é um cara diferenciado. É muito difícil você encontrar um caráter igual ao dele. Tudo o que ele fizer e ele for feliz, eu apoio."

Aos 39 anos, o ex-jogador falou sobre sua orientação sexual no podcast "Nos armários dos vestiários", do GE, e fez história ao se tornar o primeiro atleta não-heterossexual a já ter jogado na elite do futebol brasileiro.

Muricy foi o técnico de Richarlyson por quatro anos, durante a fase mais vencedora do São Paulo nos anos 2000. O ex-técnico afirmou que nunca sentiu que seu atleta estivesse angustiado por viver "no armário".

"Ele não deixava transparecer porque era um cara tão feliz, alegre, comunicativo, brincava com todo mundo. Pra mim nunca fez a menor diferença isso [a orientação sexual]. Eu tratava todos parecidos, todos iguais."

O ex-meia Souza afirmou que Richarlyson "provavelmente deve ter sofrido muito calado" durante todo o tempo em que não pôde falar abertamente sobre sua sexualidade. Os dois dividiram vestiário naquele São Paulo campeão. "Ele nunca foi de externar muita coisa, tanto que ele guardou isso até ontem. Ele viu que era um meio muito machista e poderia trazer prejuízo para a profissão que ele escolheu. Se falasse ia ter muita represália. Hoje é uma coisa mais corriqueira, você vê muitas pessoas se posicionando sobre sexualidade."

Souza, que, assim como Richarlyson, virou comentarista na televisão, discorda da opinião segundo a qual a declaração do colega poderia ajudar outros atletas gays ou bissexuais a virem a público. "Acredito que não porque é um meio muito machista, também por ser um esporte muito de contato. O Richarlyson se posicionou agora porque ele está em outra profissão."

Richarlyson disse que sempre foi cobrado pra se posicionar

O ex-volante do São Paulo e do Atlético-MG, campeão da Libertadores pelos dois clubes, disse que sempre foi questionado sobre a própria sexualidade ao longo da carreira.

"A vida inteira me perguntaram se sou gay. Eu já me relacionei com homem e já me relacionei com mulher também. Só que aí eu falo hoje aqui e daqui a pouco estará estampada a notícia: 'Richarlyson é bissexual'. E o meme já vem pronto. Dirão: 'Nossa, mas jura? Eu nem imaginava'. Cara, eu sou normal, eu tenho vontades e desejos. Já namorei homem, já namorei mulher, mas e aí? Vai fazer o quê? Nada", disse o comentarista em entrevista ao podcast 'Nos Armários dos Vestiários'.

Ricky - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Richarlyson em ação pela seleção brasileira, em 2008
Imagem: Reprodução/Instagram

"Vai pintar uma manchete que o Richarlyson falou em um podcast que é bissexual. Legal. E aí vai chover de reportagens, e o mais importante, que é pauta, não vai mudar, que é a questão da homofobia. Infelizmente, o mundo não está preparado para ter essa discussão e lidar com naturalidade com isso", acrescentou o primeiro jogador que atuou na Série A do Campeonato Brasileiro e na seleção a falar sobre o tema abertamente.

"Pelo tanto de pessoas que falam que é importante meu posicionamento, hoje eu resolvi falar: sou bissexual. Se era isso que faltava, ok. Pronto. Agora eu quero ver se realmente vai melhorar, porque é esse o meu questionamento", afirmou. A sexualidade de Richalyson virou debate público em junho de 2007, quando José Cyrillo Júnior, um dirigente do Palmeiras na época, insinuou em rede nacional que ele era gay.

Ricky registrou uma queixa-crime contra o cartola, e ele se desculpou publicamente. No entanto, Manoel Maximiniano Junqueira Filho, o juiz do caso, arquivou o processo alegando que não seriam aceitáveis homossexuais no futebol brasileiro porque prejudicaria o pensamento da equipe. Ele ainda citou na sentença que futebol era 'coisa de macho'.

São Paulo