PUBLICIDADE
Topo

Futebol Americano

Do Pará para o Arizona: brasileiro está na última etapa por uma vaga na NFL

Natural de Belém, Pará, Leandro Santos está na última etapa por uma vaga na NFL - Arquivo Pessoal
Natural de Belém, Pará, Leandro Santos está na última etapa por uma vaga na NFL Imagem: Arquivo Pessoal

Alexandre Araújo

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

16/01/2022 04h00

O esporte sempre esteve presente na vida do paraense Leandro Santos, que praticou algumas modalidades antes de o futebol americano entrar em sua vida "por acaso", como classificou. Apesar de inesperado, o encontro mudou totalmente a trajetória do estudante de Educação Física, que está próximo de uma vaga na NFL, a liga dos Estados Unidos.

Aos 24 anos e natural de Belém, ele se prepara para embarcar para o Arizona para a última etapa do IPP (International Pathway Program), que é um programa de testes com a presença de atletas de várias partes do mundo. Vai competir com outros 12 nomes de oito países diferentes por uma das quatro vagas que são disponibilizadas, por temporada, para estrangeiros.

"Um amigo da faculdade me falou sobre o futebol americano. No começo, achei estranho que tivesse futebol americano aqui, mas, aí, quando fui ver, me apaixonei logo", conta, ao UOL Esporte.

Com inúmeros fãs de norte a sul do país, que consomem produtos e assistem às partidas fielmente, a NFL ainda é algo distante para os atletas e a presença de brasileiros dentro das quatro linhas é tímida, com alguns exemplos mais notórios.

Leandro, porém, não estava entre os aficionados pelo esporte. Como quase todo garoto brasileiro, tentou, primeiramente, o futebol. O tamanho, porém, se tornou um problema, e ele migrou para o basquete. Na nova modalidade, chegou a levantar troféus pelo Remo, clube do coração, mas foi então que conheceu o futebol americano, em 2018.

"No futebol, quando eu comecei a crescer, eu vi que não ia dar muito. E eu nunca quis ser goleiro, queria jogar na linha (risos). Comecei a ficar muito grande, eu já calçava 45, hoje calço 48. Ficou difícil. Eu fui para o basquete, mas, além de eu ter me apaixonado pelo futebol americano, também não via um futuro profissional para mim no basquete", conta.

Leandro Santos, brasileiro que tenta vaga na NFL, pelo Remo Lions - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Atualmente com 2 metros e 125 quilos, o porte físico chama a atenção, e se tornou um trunfo. Após o convite do amigo, que havia começado a praticar o futebol americano pouco tempo antes, o primeiro contato foi para uma equipe chamada Legião, projeto que não teve continuidade e, após um ano, houve o retorno ao Remo.

"No começo é difícil, mas para quem é atleta, não está vendo só de fora, tem uma adaptação mais rápida às questões das regras. Tem os técnicos corrigindo, apontando o que pode e não pode fazer. Até que minha adaptação foi rápida, eu já estava acostumado a praticar esporte e sempre fui bem disciplinado. Quando comecei a praticar, comecei também a estudar as regras", lembrou.

Leandro iniciou como recebedor, na posição conhecida como wide receiver, chamada de "WR", e, posteriormente, passou a atuar na linha defensiva, a "DL". No testes, porém, houve o pedido para que atue em uma linha mais ofensiva. A chance de tentar entrar na NFL veio através de Kenneth Joshen Jr., agente da liga que opera no Brasil.

"Quando comecei a jogar, nem sonhava com isso, que iria chegar a este momento. O que aconteceu foi que um norte-americano que morou e jogou aqui, e se tornou um agente oficial da NFL, o KJ, me procurou nas redes sociais e perguntou se eu tinha vídeo jogando. Eu enviei para ele, ele gostou e me chamou para o combine, que é uma bateria de exercícios. Eram 200 atletas brasileiros, e passei. Depois, fui para o México, e já era o pessoal do programa da NFL. Também passei nessa fase e, agora, vou para a última fase, nos Estados Unidos, com os olheiros dos times da NFL", salienta.

Treinos e inglês por conta própria

Após o primeiro combine, realizado em Brasília, Leandro comprou equipamentos e passou a treinar por conta própria já focado nos próximos desafios. Ele também vem estudando inglês através de vídeoaulas e breves cursos on-line.

Leandro Santos, brasileiro que tenta vaga na NFL, em etapa no México - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

"Pelo esporte, nunca imaginei que um dia iria para os Estados Unidos. Pensei que poderia ir um dia como turista, mas nunca imaginei que o esporte iria me levar para lá, ainda mais uma modalidade que não é tão difundida aqui", disse.

"Quanto ao inglês, estou entendendo praticamente tudo que eles falam. Estudei bastante desde que fui chamado para Brasília, por conta própria mesmo, com videoaulas e materiais de internet", completa.

Dicas de Duzão

Duzão, jogador do Miami Dolphins - Divulgação/NFL - Divulgação/NFL
Imagem: Divulgação/NFL

Ao longo da história, a NFL contou com pouquíssimos brasileiros. Um deles é Duzão, que integra o elenco do Miami Dolphins e foi o primeiro a sair do Brasil para a liga — os outros tiveram formação na NCAA, divisão do futebol americano universitário. Ele fez o caminho parecido com o de Leandro, em 2019.

Logo que soube do compatriota, Duzão, que é natural de Cuiabá, Mato Grosso, fez questão passar algumas dicas.

"O próprio Duzão entrou em contato comigo pelo Instagram quando ficou sabendo. Perguntou como foi o combine no México, e eu respondi que eles queriam me testar pelos dois lados do campo. Ele falou que isso é muito bacana, que mostrava que eu tinha versatilidade. Trocamos uma ideia, pedi dicas e tudo mais. Foi muito legal!", recorda.

Futebol Americano