PUBLICIDADE
Topo

Basquete

Vanessa Bryant revela como descobriu sobre as mortes de Kobe e Gianna

Kobe Bryant e Vanessa Bryant, em uma das últimas aparições públicas do casal - Stefanie Keenan/Getty Images for Baby2Baby
Kobe Bryant e Vanessa Bryant, em uma das últimas aparições públicas do casal Imagem: Stefanie Keenan/Getty Images for Baby2Baby

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/10/2021 08h52

Vanessa Bryant, viúva do astro da NBA Kobe Bryant e mãe de Gianna, falou pela primeira vez sobre como ficou sabendo das mortes de seu marido e filha. O ala-armador de 41 anos e a adolescente de 13 anos morreram após o helicóptero em que estavam cair em Calabasas, na região metropolitana de Los Angeles, nos Estados Unidos, em janeiro do ano passado.

"Um assessor disse que Kobe e Gianna haviam se envolvido em um acidente de helicóptero, mas que os primeiros relatos disseram que cinco pessoas sobreviveram. No início, Vanessa pensou que Kobe e Gianna estivessem vivos e ajudando outras vítimas. No entanto, ela tentou ligar para ele e foi quando ela começou a ver notificações da morte de Kobe em seu telefone", diz um artigo do Yahoo Sports que teve acesso ao depoimento de Vanessa.

De acordo com o veículo, a esposa de Kobe tentou voar até o local, mas, devido às condições climáticas, foi impedida. Com isso, ela viajou com o gerente geral do Lakers, Rob Pelinka, para a delegacia de Malibu.

"Ninguém respondeu às suas perguntas sobre Kobe e Gianna. Depois de algum tempo, um pastor, publicitário e xerife de Los Angeles, Alex Villanueva, entrou na sala e confirmou que Kobe e Gianna estavam entre os mortos", completou o artigo.

Vanessa foi interrogada por causa de uma ação que ela está movendo contra Comarca de Los Angeles pelo vazamento de fotos do local do acidente. O caso continua sendo investigado e é esperado o depoimento de mais pessoas envolvidas.

Relembre o acidente

Kobe Bryant morreu em 26 de janeiro de 2020, aos 41 anos, em um acidente de helicóptero em Calabasas, condado de Los Angeles. As investigações apontaram que Ara Zobayan, piloto do helicóptero que caiu com o norte-americano, cometeu uma "aparente violação dos padrões federais" no trajeto e que diante de uma manobra para evitar o mau tempo no local, o profissional "provavelmente" ficou desorientado nas nuvens pouco antes do acidente.

Assim que as primeiras notícias do acidente começaram a circular, uma onda de choque, choro e devoção tomou conta das redes sociais e da cidade que lançou Kobe ao estrelato. Na noite anterior, Kobe tinha feito seu último tweet, parabenizando LeBron James por ter ultrapassado sua marca de 33.643 pontos na NBA. Ironias do destino.

A tragédia seria ainda maior do que inicialmente imaginado. O basquete não perdeu apenas Kobe, mas seu legado direto nas quadras. A filha Gianna, de 13 anos, estava entre as outras oito vítimas fatais. Gigi tinha um caminho traçado desde muito cedo: a WNBA. Kobe e Gianna estavam a caminho da Mamba Academy, onde o time de Gigi, treinado pelo pai, iria enfrentar o Lady Heat, de Fresno.

Além de Kobe e Gigi, o técnico de basebol John Altobelli, da Orange Coast College, sua mulher, Keri, e a filha Alyssa estavam no helicóptero. Alyssa era a armadora no time de Gigi.

Basquete