PUBLICIDADE
Topo

Wanderson perde para cubano e cai nas quartas de final dos pesos leves

Brasileiro Wanderson Oliveira, no peso leve do boxe, contra o cubano Andy Cruz, nos Jogos Olímpicos de Tóquio - Wander Roberto/COB
Brasileiro Wanderson Oliveira, no peso leve do boxe, contra o cubano Andy Cruz, nos Jogos Olímpicos de Tóquio Imagem: Wander Roberto/COB

Felipe Pereira

Do UOL, em Tóquio (Japão)

03/08/2021 06h41

O peso leve Wanderson de Oliveira, o Shuga, perdeu, nesta terça-feira (3), para o cubano Andy Cruz, pelas quartas de final do boxe olímpico. Por decisão dividida dos juízes, o adversário do brasileiro venceu o combate, avançou à semifinal e garantiu mais uma medalha ao tradicional boxe cubano.

Esta foi a terceira luta de Wanderson em Tóquio. Ele vinha de vitórias sobre Wessam Salamana, da equipe de refugiados, e Dzmitry Asanau, de Belarus.

A luta foi equilibrada nas duas primeiras etapas. A equipe brasileira que estava na arquibancada, inclusive, passou o segundo round gritando "upper, upper", mas se calou quando viu que ele perdeu o assalto. No terceiro, os golpes de Cruz começaram a encaixar melhor e o cubano dominou as ações.

O crescimento de Andy na luta é visível nas decisões dos juízes, vencendo o primeiro para três árbitros, o segundo para quatro e o terceiro round por decisão unânime.

O Brasil já tem três medalhas garantidas no boxe nessa olimpíada. Abner Teixeira disputará a semifinal ainda nesta terça-feira e, se for derrotado, ficará com o bronze. Os outros brasileiros em semifinais são Hebert Conceição e Beatriz Ferreira, ambos de Salvador, Bahia.

"Gostei bastante do combate"

Wandeson, que tem 24 anos, é integrante do projeto social "Luta Pela Paz", no Complexo da Maré, Zona Norte do Rio de Janeiro. O atleta lembrou as dificuldades do começo da carreira e ressaltou ser uma emoção defender o Brasil em um torneio do porte das Olimpíadas.

"É uma emoção enorme [estar nas Olimpíadas]. É muito difícil alguém como eu, da comunidade, da periferia, sair assim e chegar aos Jogos Olímpicos. Graças a Deus e e a meu esforço consegui chegar, e hoje estou aqui representando o Brasil todo", disse, ao SporTV.

Shuga fez elogios a Andy Cruz, que é bicampeão mundial e bicampeão dos Jogos Pan-Americanos:

"Para mim, foi uma luta de bastante experiência. Tive de jogar o jogo reverso, não é muito meu jogo de estar boxeando na longa. Como vocês viram, ele é bem ágil, é bom. Gostei bastante do combate, bem acirrado. E vou me preparar melhor, agora, para o próximo campeonato".