PUBLICIDADE
Topo

'Esta medalha é nossa, do Brasil', vibra Piu com bronze e novo recorde

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Tóquio (Japão)

03/08/2021 00h34

São Joaquim da Barra, no interior de São Paulo, está em festa. No início da madrugada desta terça-feira (3), o atleta Alison dos Santos, o Piu, escreveu capítulo importante na história dos 400 metros com barreiras na Olimpíada de Tóquio e garantiu mais uma medalha para o Brasil. E veio o bronze! Com direito a choro de emoção, dança e muita comemoração no Estádio Olímpico de Tóquio, ele colocou a bandeira do país nas costas e desfilou com sorriso estampado no rosto.

Primeiro brasileiro a correr a prova abaixo de 48 segundos e recordista sul-americano, o paulista de 21 anos havia feito 47s31 na semifinal e, na decisão, novamente quebrou o recorde com 46s72; tempo de um campeão. A hastag #PiuDay, criada nas redes sociais, fez todo sentido e levou à loucura os torcedores do atleta. De fato, o 3 de agosto será marcado pela vitória de Alison.

"A primeira coisa que passou pela minha cabeça quando passei a linha é que sou medalhista olímpica. Eu não estou aqui só por mim, corro por outras pessoas também, como meu treinador, minha família, meus patrocinadores e minha nação. Recebi o carinho e isso me ajudou muito. Esta medalha é nossa, do Brasil", destacou Alison ao Sportv.

"Conversei com meu pai e minha mãe antes da prova e falei que eu corro por eles. Estou muito feliz pelo apoio da família, amigos, dos vizinhos... Carrego o amor deles comigo, me encanta e me faz querer ir mais longe. Não sei o que aconteceu. Só sei que isso aqui é atletismo. Sinceramente, não sei o que aconteceu, se aconteceu eu não sei o que foi. Eu sei que isso é atletismo, só sei disso. Acabou a prova, passei a linha de chegada e olhei pro telão; eu vi que tinha ficado em terceiro, olhei pro telão de novo, vi 45, e pensei que tava na prova errada. Falei 'nãoo é possivel que é 400 m com barreiras. Mas sim ele fez (o norueguês) e quebrou o recorde mundial mais uma vez, fez o que todos acharam que era impossível acrescentou.

Ao saber que a entrega da medalha será ainda nesta terça-feira, ele deixou a entrevista "correndo para casa para tomar banho e ficar cheiroso".

Os 45s94 segundos foram atingidos pelo norueguês Karsten Warholm, primeiro colocado na prova e novo dono do recorde olímpico. O estadunidense Rai Benjamin ficou em segundo, com 46s17.