PUBLICIDADE
Topo

Zanetti fica perto de final na ginástica; seleção masculina se complica

Arthur Zanetti disputa a qualificação nas Olimpíadas de Tóquio - Ricardo Bufolin/CBG
Arthur Zanetti disputa a qualificação nas Olimpíadas de Tóquio Imagem: Ricardo Bufolin/CBG

Demétrio Vecchioli

Do UOL, em Tóquio

24/07/2021 04h47

A seleção masculina de ginástica artística estreou hoje (24) nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O time aguarda a finalização da etapa de qualificação para saber se conseguirá a vaga na próxima fase, mas a situação ficou difícil. Duas vezes medalhista olímpico — ouro em Londres-2012 e prata na Rio-2016 —, Arthur Zanetti deve se classificar com tranquilidade para a final das argolas, com a nota de 14.900. Ele luta para ser o primeiro atleta das argolas a conseguir uma medalha por três Olimpíadas consecutivas.

"A gente já sabe o que cometeu de erros aqui na classificatória e agora é trabalhar. Temos uns dez dias até a final, então dá tempo de trabalhar e ajeitar esse detalhes para buscar a maior perfeição possível", disse o brasileiro - a final das argolas será no dia 2 de agosto, às 5h. "A gente já sabe onde foram os elementos que teve o maior desconto. Se a gente ajeitar esses dois elementos e cravar a saída, a gente chega em 15.300. Então é detalhe. É ajeitar, ir para a final, para o tudo ou nada."

Campeão mundial da barra fixa em 2019 e medalhista olímpico do solo na Rio-2016 o brasileiro Arthur Nory falhou na apresentação dos dois únicos aparelhos em que tentava buscar uma final nas Olimpíadas de Tóquio. Nory fez uma apresentação com muitas falhas na barra fixa e, no solo, caiu sentado ao fim da última passada. Para um dos favoritos da ginástica do Brasil à medalha, a competição olímpica já acabou.

Protagonista de um episódio de racismo em 2015, Nory admitiu que a pressão relacionada ao episódio, frequentemente lembrado nas redes sociais, acabou pesando contra ele na classificatória em Tóquio.

Ao todo, foram seis etapas, que começaram no cavalo e foram para argolas, salto, barras paralelas, barra fixa e solo. Além de Zanetti, Caio Souza também pode disputar as finais individuais no salto, e Diogo Soares no salto. Ambos podem chegar também à decisão do individual geral.

Como foi:

Começo no cavalo

O responsável por abrir a participação foi o jovem Diogo Soares, que estava estreando nas Olimpíadas. Ao fim da apresentação, ele vibrou com o resultado atingido. A sua nota foi de 12.800. Logo em seguida, Caio Souza, que também comemorou a atuação, marcou 13.400.

Francisco Barreto, um dos mais experientes da delegação, também teve um bom início, mas não ficou tão satisfeito com a nota de 13.200. Por fim, Arthur Nory não precisou fazer o aparelho em questão, afinal, os três primeiros acertaram nas apresentações, totalizando 39.400 de nota geral no cavalo.

Argolas

Diogo Soares também abriu a apresentação nas argolas com 13.133 de nota. Depois dele, Chico Barreto fez 13.200. O terceiro foi Caio Souza, que fez a melhor nota do time brasileiro, com 14.333. Com o acerto dos três primeiros, Nory também não participou do aparelho.

Disputando individualmente, o campeão olímpico Arthur Zanetti concorreu sem contar nota para o time no geral. Demonstrando muita segurança, o brasileiro fez uma série limpa e deixou o aparelho demonstrando satisfação. Sua nota foi de 14.900.

Salto

Diogo Soares começou com uma dupla pirueta e saiu confiante do aparelho. Sua nota foi de 14.066. Já Francisco Barreto foi o segundo a se apresentar. Mesmo com um desconto por conta de um erro na apresentação, ele fez 13.466.

Caio Souza fez dois saltos para tentar a vaga na final. Vale ressaltar que só o primeiro conta para a equipe, e ele fez 14.600. Para o individual, vale a média dos saltos, que foi de 14.700. Arthur Nory estreou com uma dupla pirueta, teve um bom salto, mas a chegada acabou forçando um pouco seu pé, e ele ficou com 13.500.

Barras paralelas

Diogo Soares foi quem abriu mais uma vez para os brasileiros. Desta vez, a atuação do jovem rendeu nota de 13.900. Francisco Barreto fez uma saída com um duplo carpado e teve 14.000 de nota.

Caio Souza deixou a série satisfeito com o desempenho. Tanto durante a apresentação quanto na saída, o brasileiro teve muita segurança em todos os movimentos. Sua nota foi de 14.533. Assim como nas primeiras apresentações, Nory não participou.

Barra Fixa

Diogo Soares fez uma boa abertura para o Brasil na barra. Com uma série muito limpa, o atleta de 19 anos fez bons movimentos e também teve uma boa saída. Sua nota foi de 13.233. Francisco Barreto saiu satisfeito do aparelho, mas não curtiu muito a nota que recebeu, 13.833.

Caio Souza teve nota de 13.466. Após uma apresentação em que teve uma intercorrência, o brasileiro "escapou da barra" em um dado momento e não conseguiu completar um movimento. Já Arthur Nory voltou a participar e fez 14.133.

Solo

Desta vez, quem começou foi Francisco Barreto, que marcou 13.000. Logo em seguida veio Diogo Soares, que fez uma boa série, marcada pela firmeza nos movimentos. A nota do jovem brasileiro foi de 14.200.

Caio Souza também saiu satisfeito da apresentação e marcou 13.966. Quem fechou a noite do Brasil foi Arthur Nory. Medalha de Bronze no Rio de Janeiro em 2016 no solo, ele fez uma série limpa, mas no último movimento sentiu um incômodo e acabou caindo na chegada. Sua nota foi de 12.800.