PUBLICIDADE
Topo

6 horas no Monte Fuji fazem Equador superar Brasil no quadro de medalhas

Equatoriano Richard Carapaz comemora medalha de ouro no ciclismo de estrada - Matthew Childs/Reuters
Equatoriano Richard Carapaz comemora medalha de ouro no ciclismo de estrada Imagem: Matthew Childs/Reuters

Adriano Wilkson

Do UOL, em Fuji

24/07/2021 05h46

O equatoriano Richard Carapaz conquistou a medalha de ouro do ciclismo de estrada após seis horas e cinco minuto pedalando os 234 kms entre Tóquio e o circuito de Fuji. Ele se tornou o segundo atleta da história do Equador a ganhar uma medalha olímpica.

Carapaz superou nos últimos quilômetros o belga Wout Van Aert, que ficou com a prata, e o esloveno Tadej Pogacar (bronze). Disputada sob um sol forte, a prova foi acompanhada de perto por milhares de japoneses, já que a prefeitura local liberou a presença de público nas arquibancadas.

Antes de Carapaz, apenas um equatoriano havia ganhado medalhas em Olimpíadas: Jefferson Pérez, ouro em Atlanta-96 e prata em Pequim-2008, na marcha atlética.

Esta foi a primeira conquista de um atleta de um país da América do Sul nestes Jogos. Até então, China, Irã, Coreia do Sul, Bélgica, índia, Holanda, Sérvia, Indonésia, México, Eslovênia, Suíça figuravam no quadro de medalhas.

"Tem de acreditar. Trabalhei muito para estar aqui e estou desfrutando. Agradeço, de verdade, a todos aqueles que me estenderam a mão", disse.

Durante a prova, uma cena inusitada: um torcedor de sunga invadiu o circuito e, correndo, acompanhou os ciclistas que participavam da prova. O episódio causou curiosidade, mas Gideoni Monteiro, ciclista olímpico que está comentando na Rede Globo, disse que é algo comum.

Homem de sunga invade prova de ciclismo nas Olimpíadas de Tóquio - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
Imagem: Reprodução/TV Globo

"Não atrapalha. Nessas grandes voltas, Tour de France, Giro D'Italia, Volta da Espanha, a torcida é muito fanática. Então muitas vezes a torcida corre assim do lado mesmo. A galera fica esperando os ciclistas passarem na subida e fica toda aquela festa. Acho que esse japonês quis ter a experiência e aproveitou a Olimpíada para ter essa experiência. O ciclismo é um dos poucos eventos que vai ter público, então, a gente não vê muito isso porque está sendo proibido, mas a galera (os ciclistas) já está acostumada com isso aí.", disse, durante a transmissão.