PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Conheça Mattéo Guendouzi, o atleta que reclamou de Gerson na França

28/09/2021 10h45


Na derrota do Olympique Marseille para o Lens por 3 a 2 pela Ligue 1, o meia Mattéo Guendouzi reclamou de Gerson, ex-jogador do Flamengo. O francês, que não possui um bom histórico por onde passou, questionou quando o brasileiro iria começar a correr pela equipe.

Na última segunda-feira, após a discussão entre os companheiros em campo, o "L'Equipe" publicou que o elenco do Olympique Marseille enxergava Gerson como um protegido de Jorge Sampaoli. Mas Guendouzi não é flor que se cheire e iremos relembrar algumas polêmicas na curta carreira do atleta.

> Veja a tabela da Ligue 1

Problemas no Arsenal

Guendouzi surgiu no Lorient e foi comprado pelo Arsenal na temporada 2018/2019. Sob comando de Unai Emery, o volante tornou-se titular da posição e eu seu primeiro ano na Inglaterra não encontrou problemas com os companheiros ou com a comissão técnica.

No entanto, a partir da chegada de Mikel Arteta, em dezembro de 2019, a situação do atleta mudou. Algumas situações comportamentais desagradaram o comandante espanhol e que culminaram com a saída do jovem ao fim daquela temporada.

Em fevereiro de 2020, durante um curto período de treinamento dos Gunners em Dubai, Guendouzi arrumou problema com um companheiro e tomou um puxão de orelha de Edu Gaspar por conta de atitudes fora dos treinamentos, segundo o jornalista David Ornstein.

Veio a pandemia da Covid-19, mas o temperamento do atleta não parece ter mudado. Em junho, ao final de um duelo em que o Arsenal saiu derrotado para o Brighton pela 30ª rodada da Premier League, Guendouzi segurou o pescoço de Maupay, mas não foi punido pelo árbitro.

Na mesma partida, fontes disseram que o francês provocava os jogadores adversários dizendo que seu salário era maior do que o dos atletas da equipe do sul da Inglaterra. E as mesmas pessoas afirmavam que o meia também tomou essa atitude em outras ocasiões.

A partir daí, Mikel Arteta decidiu não relacionar Guendouzi para nenhum outro jogo do Arsenal. E no final da temporada, sem expectativas de permanecer nos Gunners, o meio-campista buscou alternativas no mercado e se transferiu, por empréstimo, para o Hertha Berlin.

Comentários de treinadores

Na Alemanha, Guendouzi também teve a atenção chamada por Pál Dárdai, primeiro comandante que teve após sua chegada na Bundesliga. Segundo o húngaro, o atleta era jovem e ainda tinha muito o que aprender.

- Ele é um jogador jovem. É como a puberdade para ele, um tipo rebelde. Você tem que saber onde está o seu limite. Ele tem muito a aprender. Nos treinos, eu sempre paro esse tipo de lance (se referindo a uma jogada em que o atleta perdeu uma dividida contra o RB Leipzig e caiu no chão tentando cavar uma falta), pois você não pode cair assim. E ele fica bravo.

Em 2020, Mickael Landreau, que também dirigiu Guendouzi no início da carreira do atleta de 22 anos no Lorient, também fez comentários sobre a personalidade do jogador.

- Ele me irritava terrivelmente. è um jogador difícil de comandar. Ele às vezes tem um comportamento com o grupo que é muito, muito difícil. Ele tem um ego exagerado, mas certamente precisa disso. Ele é assim e os companheiros devem aceitar. Ele é difícil no dia a dia, mas por outro lado é talentoso.

Após um ano no Hertha Berlin, Guendouzi chegou por empréstimo ao Olympique Marseille e vem sendo, ao lado de Gerson, titular indiscutível da equipe de Jorge Sampaoli. E fica a dúvida sobre qual será o próximo episódio em que essa bomba humana poderá explodir e os efeitos para a temporada do clube francês.

Futebol