PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Perto da final, Jardine destaca 'peso' dos veteranos da Seleção e vê Claudinho em ascensão

06/08/2021 01h18


O técnico André Jardine não escondeu que a voz da experiência terá um peso relevante para a Seleção olímpica no confronto com a Espanha, neste sábado (7), pela final dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Em entrevista coletiva na manhã da sexta-feira em Yokohama (madrugada no horário de Brasília), o comandante canarinho apontou que a vivência do lateral-direito Daniel Alves, do goleiro Santos e do zagueiro Diego Carlos tornaram a equipe mais forte na trajetória até a decisão.

> Confira a agenda completa desta sexta-feira nos Jogos Olímpicos de Tóquio!

- Os três jogadores acima da idade deram um peso à nossa equipe, um toque de experiência, de maturidade que nos faltava. Sofremos bastante no Pré-Olímpico, especialmente com o sistema defensivo, que é onde carece de experiência. Normalmente, goleiros jovens jogam menos, zagueiros têm baixa minutagem, a experiência sé vem com tempo, com jogos decisivos. Falar do trio, de Santos, Daniel Alves e Diego Carlos é falar de experiência, falar de jogadores firmados nos seus clubes, talvez nos auges da carreira - disse.

Em seguida, o comandante canarinho apontou o camisa 13 como um jogador capaz de trazer segurança para seus colegas.

- Vemos o Dani, mesmo com 38 anos, numa forma física impressionante. A maturidade que ele tem fala por si, decisões corretas, muito lucido, realmente muito experiente - e destacou também Santos e Dirgo Carlos:

- E um traço de liderança nos três, que ajudou muito, dá um norte, um rumo a seguir - complementou.

Entre os jovens, a presença de Richarlison na equipe foi enaltecida por jardine na entrevista coletiva.

- O Richarlison deu um peso ao ataque, é um jogador da seleção principal, mesmo ele sendo jovem dá um nível de confiança e experiência muito grande, deixa nossa equipe mais potente na frente, com mais peso - disse.

O treinador depositou suas fichas na ascensão de Claudinho. O meio-campista do RB Bragantino é visto como um jogador com potencial de ascensão à Seleção principal.

- O Claudinho não é tão novo assim, já tinha vindo em outras convocações nossas, mas acho legal falar dele. O acompanhei muito na Série B, mas ficava uma ponta de dúvida se estava bem porque o nível do campeonato era mais baixo ou se ele teria nível que a gente imaginava. E o RB Bragantino sobe para a Série A e ele se confirma como grande protagonista - e, em seguida, foi taxativo:

- O Brasileiro do ano passado que ele fez o coloca como realidade nossa, um jogador titular da equipe em todos jogos, pelo nível que apresentou, e também acredito que no radar da Seleção principal, porque tem nível para isso. Tem que deixar de ser sonho. Agora tem que trabalhar para ser campeão olímpico e depois para ir à Copa - complementou.

O treinador evitou antecipar a escalação da equipe. Matheus Cunha voltou a campo e chegou a treinar com bola, mas ainda é dúvida. A escalação da equipe para a decisão contra a Fúria traz: Santos, Daniel Alves, Nino, Diego Carlos e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho; Antony, Richarlison e Matheus Cunha (Paulinho).

A Seleção olímpica encerra sua preparação para a decisão à noite, com uma atividade no Estádio Hodogawa Park Soccer Field.

Futebol