PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Neto cobra que Palmeiras rescinda com atleta que ofendeu Paulo Gustavo

Chú Santos, jogadora do Palmeiras e da seleção brasileira, em campo pelo Brasileirão Feminino - Rebeca Reis/AGIF
Chú Santos, jogadora do Palmeiras e da seleção brasileira, em campo pelo Brasileirão Feminino Imagem: Rebeca Reis/AGIF

11/05/2021 09h58

O apresentador da Band e ex-jogador Neto deixou seu pitaco sobre uma polêmica que balançou o futebol, na última semana. Nesta segunda-feira, durante o programa "Baita Amigos", o ídolo do Corinthians detonou a jogadora Chú Santos, do Palmeiras e seleção brasileira, após ela dizer que o humorista Paulo Gustavo vai para o "inferno".

Neto opinou que o Alviverde deva rescindir o contrato da atleta e ainda classificou Chú Santos como "idiota" e "imbecil" por ter feito uma publicação criticando o humorista, que morreu no começo do mês, por ser "gay e umbandista". A postagem não pegou bem entre as companheiras. Ele ainda vê que Chú deva ser banida da seleção.

"Palmeiras, vocês tem que rescindir o contrato dela, tem que mandar ela embora, porque ela representa o Palmeiras. E mais, nunca mais vestir a camisa da Seleção, nunca mais representar o Brasil. O que essa menina falou é a maior barbaridade que ouvi nos últimos tempos da minha vida e com 400 mil pessoas morrendo de Covid sendo que nós temos a vacina", disse ele.

"E aí vem uma imbecil, uma idiota. Uma imbecil! Uma idiota! E pode me processar não tem problema nenhum, e pode pedir direito de resposta também. E quando você fala que Paulo Gustavo vai para o inferno, talvez não seja ele."

O comentário de Chú rendeu diversas críticas, inclusive dentro dos clubes. Várias jogadoras usaram suas redes sociais para rebater a declaração preconceituosa. Companheiras no Palmeiras, Jully e Ary Borges falaram sobre o caso, dizendo que a religião da atacante é um grande motor de preconceito no mundo. A ex-atleta do Verdão Stefany Krebs também comentou falando de como sua orientação sexual não afeta sua fé.

"E aí vem uma jogadora de futebol feminino, que sempre foi recriminado. Sempre teve um preconceito desgraçado com as meninas, sempre fomos preconceituosos com o futebol feminino. Vem uma Zé Ruela dizendo uma barbaridade dessas, defendendo o pastor dela que vai para o céu", disse.

A publicação inicial fazia uma comparação entre a morte de um pastor evangélico e o falecimento do humorista da Globo. A ideia era apontar que a Covid-19 não escolhe gênero ou idade das vítimas. Nos comentários, ela disse que a diferença entre eles é que Paulo Gustavo "iria para o inferno".

"E aí você coloca a sua Igreja, todas as suas pessoas em seu pensamento. E sua Igreja não tem nenhum homossexual? Nenhum bissexual? Nenhum trans? Nenhuma lésbica? Nossa, que Igreja maravilhosa a sua, né? Então. A Marta e a Cristiane não prestam e vão tudo para o inferno? Para ela vocês não prestam."

Poucas horas depois, a atleta usou sua rede social para se desculpar sobre o fato. Ela comentou que a frase homofóbica e que mistura-se com o preconceito religioso teria sido "na empolgação".

Palmeiras