Topo

Futebol


Cícero destaca evolução do Botafogo, mas avisa: 'Ainda pode melhorar'

26/06/2019 16h53

O Botafogo terminou a primeira parte do Campeonato Brasileiro em alta. A chegada de Eduardo Barroca, que entrou no lugar de Zé Ricardo, deu novos ares ao Alvinegro. Cícero, o personagem da entrevista coletiva desta quarta-feira, realizada no Estádio Nilton Santos, reconhece a evolução mas afirma que ainda há espaço para melhora.

- Tivemos alguns percalços no início do ano porque o time ainda estava em formação, ainda havia gente chegando, mas agora, depois da chegada do Barroca, a gente conseguiu trilhar um caminho um pouco diferente. Pelos jogos que temos feito, sabemos que muita coisa ainda pode melhorar, mas podemos sonhar com voos maiores. Estamos vestindo uma camisa muito grande, ao longo da minha carreira eu aprendi a ser vitorioso desde quando eu saí de casa. Me tornei um cara vitorioso graças ao meu pensamento, e cheguei aqui pensando em coisas grandes - afirmou.

O meio-campista, uma das peças mais importantes na equipe de Barroca, atuando como primeiro volante, lamentou a derrota para o Grêmio, na última rodada do Campeonato Brasileiro antes da parada para a Copa América. Por outro lado, o atleta de 34 anos enxerga que os jogadores estão entendendo a filosofia do treinador dia após dia.

- Não é algo fácil, até pela reformulação que o Botafogo está passando, mas temos que pensar grande. Conseguimos uma posição alta na parada, a gente tinha o pensamento até de vencer o último jogo (contra o Grêmio), mas não conseguimos, mas estamos trilhando um caminho, pouco a pouco. Temos que melhorar se quisermos almejar algo maior nessa temporada, mas a equipe está encorpando e conseguindo fazer com que a gente pegue essa identidade de jogo - comentou.

Questionado sobre o estilo de jogo implementado por Eduardo Barroca, que visa a valorização da posse de bola, Cícero afirmou que a circunstância de cada partida vai medir a atuação do Botafogo, mas admite que controlar a posse é melhor para tentar buscar o gol da equipe rival.

- Tudo depende da situação do jogo. Tem partida que você está ganhando e fica mais resguardado, tem jogo que já precisa arriscar um pouco mais, igual na situação contra o CSA. Esse estilo que o Barroca tem tentando implementar, de ter mais a bola do que o adversário, facilita muito, porque, com a bola, você tem mais fôlego e força para chegar no gol adversário. Sem ela, é mais difícil assustar o adversário. Tem muita coisa a melhorar, mas, com o Barroca, já demos um grande passo rumo a ideia dele - analisou.

Futebol