CBF banca Diniz mesmo diante de crise técnica: 'Trabalho iniciando'

O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, avaliou o momento da seleção brasileira sob o comando do técnico Fernando Diniz, tratou de esfriar as críticas e garantiu o curso normal do trabalho.

O que aconteceu

Ednaldo pontua que há pouco tempo de trabalho, apesar de Diniz já ter passado pelos seis jogos oficiais previstos para o período do seu contrato com a CBF, que termina em 5 de julho.

O presidente da CBF ressalta que houve problemas com lesões, especialmente na última Data Fifa, antes dos jogos contra Colômbia e Argentina.

Diniz ficará no cargo até a chegada de Carlo Ancelotti, em junho, para a Copa América. Esse é o plano da CBF, o que também afasta a hipótese de uma troca no momento.

É um trabalho que está se iniciando. Tudo o que se muda tem tempo de adaptação. Ele está fazendo uma renovação na seleção de forma bem profunda, com jovens atletas. E eles precisam de um tempo maior para eles corresponderem. Isso não quer dizer que não seja um bom atleta. Mas uma coisa é o clube, outra a seleção, principalmente a seleção brasileira, onde a cobrança é a maior em todo o planeta. Porque se a seleção ganha, é obrigação, é normal, assim os torcedores veem. Mas quando perde, é uma cobrança porque ninguém aceita

Ednaldo Rodrigues

O que mais ele disse

Instabilidade

"A gente tem que saber conviver com isso. A gente sabe que não é eterno, vai passar. O trabalho está sendo aprimorado. A gente acompanha de perto o trabalho da comissão técnica. Os atletas absorvem e lutam para terem o entrosamento. Mais do que todos nós, os atletas e comissão técnica sentem o resultado".

Continua após a publicidade

Efeito para o futuro

"Para quem está fazendo uma mudança para ter uma conquista de Copa do Mundo, os resultados que tivemos são batalhas para que possamos estar fortalecidos para uma guerra".

Ajustes

"As mudanças são grandes, profundas. Jogadores com um tempo grande na seleção e entrosamento tiveram contusão. Houve umas oito alterações na equipe principal, em comparação com a Copa do Mundo. Essa mudança requer tempo".

Calendário

A seleção brasileira vem de três derrotas consecutivas nas Eliminatórias da Copa do Mundo e está em sétimo lugar. O tropeço mais recente foi contra a Argentina.

Continua após a publicidade

Para 2024, os compromissos em março são amistosos contra Inglaterra e Espanha. Antes da Copa América, a CBF deve agendar ainda dois amistosos, já em junho.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes