PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2022

Por vias distintas, Corinthians e SPFC têm a base como força na temporada

Rodrigo Nestor, do São Paulo, e Du Queiroz, do Corinthians, têm se destacado na temporada - Paulo Pinto/São Paulo FC
Rodrigo Nestor, do São Paulo, e Du Queiroz, do Corinthians, têm se destacado na temporada Imagem: Paulo Pinto/São Paulo FC

Brunno Carvalho e Yago Rudá

Do UOL, em São Paulo

22/05/2022 04h00

Classificação e Jogos

Responsáveis por uma das maiores rivalidades do futebol brasileiro, Corinthians e São Paulo escrevem hoje (22), às 16h (horário de Brasília), mais um capítulo do Majestoso. Válido pela 7ª rodada do Campeonato Brasileiro, o clássico deste domingo na Neo Química Arena é marcado por uma semelhança entre os trabalhos do alvinegro Vítor Pereira e do tricolor Rogério Ceni: ambos têm em suas categorias de base o equilíbrio necessário para a construção da equipe nesta temporada.

De um lado, um Corinthians repaginado após a chegada da comissão técnica portuguesa, que logo tratou de implementar o rodízio no elenco após o conhecimento empírico do apertado calendário do futebol brasileiro com as disputas simultâneas da Copa Libertadores, Brasileirão e Copa do Brasil. A metodologia de trabalho trazida pelos europeus resultou em mais minutos em campo para os jovens atletas do elenco e, como consequência, alguns deles assumiram o protagonismo.

São os casos, por exemplo, de Du Queiroz, Raul Gustavo e Lucas Piton. Formados no antigo terrão do Parque São Jorge, os atletas estavam no profissional do Corinthians há algum tempo, porém foi com Vítor Pereira que ganharam a confiança necessária para se destacarem. Atualmente, o trio marca presença na maioria dos compromissos do Timão e estão em alta não só com a comissão técnica, mas também com a torcida.

O Alvinegro ainda conta com atletas mais consolidados, mas também forjados dentro do clube: João Victor e Maycon, embora ainda jovens, e os já experientes Fagner, Jô e Willian. Por fim, há também os garotos que estão em estágio final de transição da base para o profissional e, vez ou outra, beliscam uma vaguinha na lista de relacionados: Robert Renan, Wesley, Felipe Augusto, Giovane, Guilherme Biro, Alemão e Léo Maná.

Do outro lado, o São Paulo é desde o ano passado conduzido pelos jovens vindos de Cotia. Durante a luta contra o rebaixamento no Brasileirão de 2021, Igor Gomes, Rodrigo Nestor e Gabriel Sara foram considerados pelo técnico Rogério Ceni o "motor" do time, pela intensidade que conseguiram colocar no meio de campo.

O excesso de jovens, contudo, fez com que o São Paulo buscasse alternativas no mercado. Rogério Ceni queria atletas experientes que pudessem ter uma liderança mais ativa dentro de campo e, com a bola rolando, fossem capazes de segurar o jogo. Chegaram Rafinha (36 anos), Patrick (29), Alisson (28), Nikão (29) e Jandrei (29). O goleiro e o lateral assumiram a titularidade rapidamente, enquanto os outros três revezam entre o time principal e o banco de reservas.

"No começo da temporada, no ano passado, jogavam muitos jovens, o meio de campo era composto por todos os jovens. Estamos tentando fazer uma composição diferente, principalmente em gramados rápidos, onde requer muito mais técnica. Os garotos muitas vezes têm mais energia, mas os jogadores mais velhos têm um controle melhor de jogo, conseguem se manterem mais focados no jogo em momentos de maior pressão", disse Rogério Ceni, recentemente.

Mesmo com as chegadas, a base seguiu sendo fundamental para que o São Paulo se acertasse na temporada. Diego Costa, Welington e Rodrigo Nestor se afirmaram e viraram peças fundamentais na equipe. No caso do zagueiro e do lateral, o alto rendimento fez com que jogadores experientes, como Miranda e Reinaldo, passassem mais tempo no banco reservas.

Foi em Cotia também que Rogério Ceni encontrou o equilíbrio fundamental para chegar à final do Paulistão. Pablo Maia foi promovido depois de disputar a Copinha e assumiu a titularidade como primeiro volante. A posição não tinha um dono absoluto desde que Luan sofreu uma rara lesão na coxa esquerda logo no primeiro treino feito por Rogério Ceni, em outubro do ano passado.

A chegada de Pablo Maia influenciou positivamente em Rodrigo Nestor. Antes improvisado na função de primeiro volante, o camisa 25 foi liberado por Rogério Ceni para atuar mais avançado e deslanchou na temporada. Ele é, atualmente, o maior garçom do São Paulo no ano, com seis passes para gol. Na partida de quinta-feira (19), contra o Jorge Wilstermann, pela Copa Sul-Americana, o meia balançou as redes duas vezes e deu uma assistência.

Até aqui, a tática de mesclar a base com os experientes tem dado certo para ambos os lados. O Corinthians acumula cinco vitórias seguidas em casa, lidera o Brasileirão, está garantido nas oitavas de final da Copa do Brasil e tem a vaga ao mata-mata da Copa Libertadores muito bem encaminhada. A equipe está em franca ascensão e, agora, vai em busca da primeira vitória em clássicos na temporada.

O São Paulo não perde há nove jogos e pode ultrapassar o Corinthians em caso de vitória na Neo Química Arena. A equipe está garantida nas oitavas de final da Copa do Brasil, depois de eliminar o Juventude, e conseguiu se classificar para o mata-mata da Copa Sul-Americana com uma rodada de antecedência.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS X SÃO PAULO

Competição: 7ª rodada do Brasileirão
Data e hora: 22 de maio de 2022, às 16h (de Brasília)
Local: Neo Química Arena (SP)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA/GO)
Assistentes: Bruno Raphael Pires (FIFA/GO) e Bruno Boschilia (FIFA/PR)
VAR: Daiane Caroline Muniz dos Santos (FIFA/SP)

Corinthians: Cássio; Rafael Ramos, João Victor, Raul Gustavo (Gil) e Lucas Piton; Du Queiroz, Maycon e Renato Augusto; Willian, Adson (Róger Guedes) e Júnior Moraes (Jô). Técnico: Vítor Pereira.

São Paulo: Jandrei; Rafinha, Diego Costa, Arboleda, Léo (Welington); Pablo Maia, Igor Gomes, André Anderson (Rodrigo Nestor), Alisson; Luciano (Eder) e Calleri. Técnico: Rogério Ceni