PUBLICIDADE
Topo

Futebol

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Mauro Cezar: Corinthians tem jogadores que pela realidade atual não poderia

Do UOL, em São Paulo

25/01/2022 12h20

A busca do Corinthians por um novo dono da camisa 9 rendeu especulações de nomes como Edinson Cavani, Luis Suárez e Diego Costa, mas o clube estreia hoje na temporada encarando a Ferroviária, às 21h, na Neo Química Arena, pelo Paulistão, sem a contratação de peso esperada pelos torcedores e com o anúncio de que Roger Guedes passa a usar o número 9 em vez do 123.

No UOL News Esporte, Mauro Cezar Pereira afirma que a postura do Corinthians em alimentar as especulações acaba trazendo frustração aos torcedores que sonharam com grandes nomes, mas agora se deparam com um jogador de outra posição assumindo o número 9 e a provável escalação de Mantuan no comando do ataque.

"Era óbvio que o Cavani era um sonho quase que impossível, então isso vira na prática um grande factoide, porque ocupa as manchetes, ilude o torcedor e o final não é feliz. Aí vem o Diego Costa, esse era mais factível, porque já estava no futebol brasileiro, mas é um jogador caro, todo mundo sabe que não é barato e o Atlético-MG só o teve porque tem lá os seus benfeitores, que tiram do próprio bolso para manter jogadores no clube", diz Mauro.

"Primeiro era 'ele não rescindiu o contrato, como se isso fosse um problema'. Aí 'é caro', de repente posa até o dirigente de bom gestor, 'ele não contratou porque é muito caro'. Vem cá, gente, se fosse bom gestor, não teria levado a dívida a quase R$ 1 bilhão, que foi o que aconteceu na última gestão e o presidente atual fez parte da gestão passada, e não teria feito tantas contratações em uma situação terrível em que está o Corinthians", completa.

O jornalista afirma que o Corinthians tem hoje jogadores que não teria condições de bancar pela sua situação financeira atual, com uma dívida de R$ 957 milhões, mas os contratou apostando no retorno que pode ter dentro de campo, com títulos e premiações que possam ajudar a reduzir o endividamento.

"É que não tem fair play financeiro no Brasil, então o Corinthians já tem muito pelo seu momento, os jogadores que possui, o Roger Guedes de 9, de 123, de 154, o número que for, ele, Willian, Giuliano, Renato Augusto, Paulinho, são jogadores de um nível que pela realidade do clube, o clube não teria ou não poderia, não deveria ter, mas tem, porque vai vivendo sempre além do limite", diz Mauro.

"Como até o Cesar Grafietti costuma dizer, ele que é um especialista no assunto, finanças de clubes de futebol, é uma política de apostas, você contrata e aposta que vai dar tudo certo, vou ganhar títulos e aí vou ter premiação, vou ter arrecadação, as minhas receitas vão subir, eu vou poder ter patrocinadores melhores e vou conseguir zerar a conta. Mas é uma loucura isso", completa.

Por fim, Mauro considera que o Corinthians teria condições de se recuperar financeiramente com um período de menos gastos e um time mais modesto para então contar com a força da torcida e a sua grandeza para voltar a fazer grandes contratações sem comprometer as contas.

"O Corinthians é um clube que pela grandeza, sua torcida, está no principal mercado do Brasil, se o Corinthians aperta o cinto durante um tempo, alguns anos, tendo times medianos, que não vão ser campeões, mas que honrem minimamente a camisa, o clube tem total condição de sair dessa situação e depois poder ter um segundo momento de mais tranquilidade", diz Mauro.

"Mas não, ele continua vivendo dessa maneira e na prática a torcida só é iludida, porque o cara sonha com Cavani, sonha com Diego Costa e acorda com o Roger Guedes, que é um ótimo jogador, com a camisa 9, e até matemática maluca eu já vi gente fazendo aí. O Corinthians tem que tomar jeito, tem que andar na linha procurar gastar dentro das suas possibilidades, mas está sempre indo além e o mais impressionante é grande parte da torcida não se preocupar com isso, meio que dar o aval", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Futebol