PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Amado, inspetor de escola ganha de pais e alunos viagem à final do Flamengo

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

18/11/2021 04h00

Classificação e Jogos

Sabe aquele inspetor predileto que você teve — ou tem — na escola? Pois bem, no Instituto Nossa Senhora da Piedade (INSP), no bairro da Freguesia, na Zona Oeste (RJ), esse carinho é levado tão a sério que ganhou proporções inimagináveis. Seu Valdemy Gomes, com 18 anos de serviços prestados ao colégio, teve sua paixão pelo Flamengo recompensada num gesto de amor e gratidão por todo o laço afetivo que gerou ao longo das gerações que por ali passaram.

De maneira surpreendente, pais, alunos e ex-alunos organizaram um financiamento coletivo e conseguiram —em tempo recorde— comprar ingresso, passagem, hospedagem, verba de alimentação e pagar testes de covid-19 para o funcionário assistir em Montevídéu (URU) à final da Copa Libertadores, no próximo dia 27, entre o Rubro-Negro e o Palmeiras.

Vice-diretora do INSP, Valéria Picorelli, revela que a mobilização surgiu de maneira espontânea, ou quase isso. Tudo começou, na verdade, depois de o próprio Valdemy ter entrado numa brincadeira sobre a possibilidade de ir ao jogo na capital uruguaia. Uma brincadeira que virou coisa séria.

Cartaz feito por Valdemy foi gatilho para iniciar mobilização que levará o querido inspetor à final da Libertadores - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Cartaz feito por Valdemy foi gatilho para iniciar mobilização que levará o querido inspetor à final da Libertadores
Imagem: Arquivo Pessoal

"Ele [Valdemy] falou que iria fazer um cartaz, e eu falei para ele colocar igual ao Rock in Rio, com a frase 'eu vou', mas com uma menor escrito 'assistir em casa' [risos]. Então ele levou a cartolina e, de manhã cedo, estava com o cartaz conversando com um professor, que é tricolor doente [torcedor do Fluminense]. Aí tirei uma foto e falei que ia levar para o conselho de classe, tudo despretensiosamente, nada fora de padrão", declarou a vice-diretora, complementando:

"Nesse dia a mãe de um aluno tirou a mesma foto e postou na rede social dela. Ela é tricolor e os filhos também. Na legenda, ela escreveu: 'Tio Valdemy quer ir para a final da Libertadores. Vamos fazer uma vaquinha?'. Por se uma pessoa muito querida, os pais compraram essa ideia, e a coisa tomou uma proporção muito grande. Não imaginávamos que isso fosse acontecer em um tempo recorde".

A revelação de que o financiamento coletivo havia atingido seu objetivo aconteceu na última terça-feira (15), quando Valéria, alunos e pais prepararam a surpresa no pátio da escola. A vice-diretora fez o anúncio carregada de emoção, e Valdemy foi às lágrimas com o inesperado presente.

"A única coisa que eu tenho para falar é: muito obrigado, só isso", declarou o funcionário ao microfone, emocionando os presentes.

Ele é uma figura. Funcionário antigo, torcedor fanático do Flamengo. Toda vez que tem jogo, ele vem com a camisa do Flamengo de manhã, e aí só depois coloca o uniforme. Ele brinca muito com os pais e tem o hábito de fazer um cartão, geralmente citando algum jogador ou algo que vá acontecer no jogo. Está sempre escrevendo: 'hoje tem gol do Gabigol (risos)'. Os pais entram na pilha dele, brincam... É uma figura muito querida dos alunos, dos pais e da escola."
Valéria Picorelli, vice-diretora da escola

Jogadores do Fla gravaram recado para Valdemy

Além de todos os benefícios que a mobilização gerou a Valdemy, o inspetor ainda ganhou recados de jogadores do Flamengo obtidos através do pai de um aluno. Algo que, obviamente, também o fez chorar (veja no vídeo acima).

"Fala, seu Valdemy! Aqui é o Pedro! Fiquei sabendo da campanha que os amigos fizeram, muito feliz que o senhor vai assistir à final da Libertadores. Espero que a gente possa sair de lá campeão e que o senhor possa aproveitar muito. Um abraço e fica com Deus", declarou o atacante Pedro.

O goleiro César, por exemplo, falou da sua vontade em conhecer Valdemy pessoalmente:

"Fiquei muito feliz em saber da sua história, da galera que se reuniu para te levar para lá. Acredito que você é muito querido e vai fazer a diferença junto com todos os torcedores que estarão lá no estádio. Vou ficar muito feliz também de te ver e te dar um abraço. Deus te abençoe sempre. Obrigado pela torcida. Estamos juntos!".

Marcela Gastaldi (esq) é mãe de alunos da escola e teve iniciativa de sugerir campanha por Valdemy  - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Marcela Gastaldi (esq) é mãe de alunos da escola e teve iniciativa de sugerir campanha por Valdemy
Imagem: Arquivo Pessoal

Valdemy dá nome à "alameda" da escola e tem grafite com seu rosto

Inspetor rubro-negro Valdemy Gomes possui um grafite em sua homenagem no muro da escola INSP - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Inspetor rubro-negro Valdemy Gomes possui um grafite em sua homenagem no muro da escola INSP
Imagem: Arquivo Pessoal

O laço afetivo por Valdemy criado por quem convive no INSP fica evidente em uma breve caminhada na escola. O carinho por ele é tão grande que em um dos muros há um grafite com o rosto do inspetor, que na nomenclatura oficial do instituto tem o cargo chamado de "disciplinário". Além disso, o nome do funcionário também batiza uma "alameda" — com direito a placa — na tradicional escola carioca que atende cerca de dois mil alunos.

"É uma pessoa simples, correta, que chega todo dia 6h da manhã e não falta. É o típico funcionário padrão. Abre a porta do carro para aluno entrar, brinca com os pais... Na pandemia ficamos muito tristes porque estamos acostumados com esse convívio. Ele passa valores aos alunos, desde o infantil ao ensino médio. Não tem uma faixa etária que ele não tenha acesso", destacou Valéria.

Inspetor batizou "alameda" da escola: "disciplinário, flamenguista, funcionário do INSP desde 2003 e querido por todos" - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Inspetor batizou "alameda" da escola. Placa diz: "disciplinário, flamenguista, funcionário do INSP desde 2003 e querido por todos"
Imagem: Arquivo Pessoal

Valdemy, inclusive, foi utilizado como exemplo para as turmas que se preparam para a prova do Enem que acontecerá neste fim de semana.

"Eu o levei aos alunos e disse que, quando você faz o bem, é gentil e responsável sem esperar nada em troca, algumas coisas na vida você ganha retorno simplesmente pelo seu jeito de ser. E disse que esperava que ele fosse um espelho. E aí foi aquilo de aluno chorando e tudo mais [risos]", disse a vice-diretora, que destacou que a principal mensagem nesta mobilização para a viagem do funcionário foi o gesto de amor e afeto:

"É uma coisa bonita de se ver, porque vemos em outros lugares tanta discórdia e coisas ruins, e aí você vê essa mobilização dos pais, da família, do aluno, do ex-aluno... Minha filha mesmo, por exemplo, foi aluna daqui e perguntou se era verdade a mobilização, e aí ela foi e reuniu a turma inteira dela para doar. E ela já saiu tem uns cinco anos. Muitas pessoas que se envolveram nem flamenguistas são e disseram que vão torcer pelo Flamengo só por conta do Valdemy. E assim foi se criando uma onda de muito amor, carinho e respeito".

Flamengo